IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Todos a Bordo


EUA ordenam mais inspeções do Airbus A220 após falhas em motores

Regis Duvignau/Reuters
Imagem: Regis Duvignau/Reuters

Mary Schlangenstein e Siddharth Vikram Philip

29/10/2019 07h44

Motores das novas aeronaves A220 da Airbus devem passar por mais inspeções para identificar rachaduras nos rotores do compressor, após o registro de um terceiro desligamento em pleno voo, segundo a agência reguladora do setor de aviação dos EUA, que classificou o ocorrido de "questão de segurança urgente".

A nova diretiva da Administração Federal de Aviação dos EUA deve ser publicada nesta terça-feira. A medida segue uma diretiva anunciada sábado pela agência Transport Canada, segundo a qual os A220 devem voar apenas com 94% da potência total quando acima de cerca 8.800 metros de altitude e permanecer abaixo de 10.700 metros em condições de formação de gelo, pois o uso do sistema para degelo pode causar superaquecimento do motor.

A Airbus tem enfrentado problemas com os motores turbofan da Pratt & Whitney, que tiveram de ser desligados várias vezes durante voos nos últimos meses. A unidade suíça da Deutsche Lufthansa suspendeu temporariamente os voos com sua frota este mês depois que um "sério" problema com um motor forçou um avião de Londres com destino a Genebra a desviar para Paris. A Swiss, maior operadora de aeronaves de corpo estreito do mundo, retomou as operações com o jato um dia depois.

O risco de operar os motores afetados sem inspeções iniciais e repetitivas dos rotores de compressores de baixa pressão "é inaceitável", afirmou a FAA. A falha do rotor pode liberar detritos do motor em alta velocidade e potencialmente danificar a aeronave.

Novo software

Um problema com o software da Pratt, desenvolvido no início deste ano, está sendo investigado como possível causa das falhas nos motores, que são agravadas pela altitude e velocidade do ar, disse uma pessoa a par do assunto.

"Acreditamos que esta diretiva, que foi baseada em resultados de investigação e dados de testes de voo até o momento, atenua uma condição que pode levar aos problemas recentes com o compressor de baixa pressão", segundo comunicado da Pratt, uma unidade da United Technologies.

As inspeções realizadas na semana passada na maioria dos motores em operação "não encontraram resultados", disse a Pratt. "O motor continua a atender aos critérios de aeronavegabilidade."

A Airbus afirmou em comunicado que as medidas foram inicialmente recomendadas pelo fabricante. É prática padrão "para a Transport Canada, como principal autoridade de aeronavegabilidade para o tipo de aeronave A220, obrigar os operadores a cumprirem as medidas operacionais", disse a empresa.

A fabricante de aviões europeia adquiriu o controle do programa A220 da canadense Bombardier no ano passado.

—Com a colaboração de Alan Levin.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.

Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.

Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

Todos a Bordo