ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Investigação nos EUA diz que Telexfree é pirâmide, e alvo eram brasileiros

Do UOL, em São Paulo

15/04/2014 18h44

Uma investigação nos Estados Unidos afirma que a empresa Telexfree, que vende planos de minutos de telefonia pela internet, funciona sob um esquema de pirâmide financeira e movimentou mais de US$ 1 bilhão em todo o mundo. A conclusão é do órgão que regula as operações financeiras no Estado de Massachusetts, onde fica a sede da companhia.

Segundo relatório divulgado nesta terça-feira (15), o principal alvo do esquema eram os imigrantes brasileiros.

No Brasil, a empresa foi proibida de operar desde junho sob suspeita de praticar pirâmide financeira. 

UOL entrou em contato com o advogado da Telexfree (Ympactus Comercial S/A) no Brasil, mas não obteve resposta até a publicação deste texto. Em outras ocasiões, a empresa negou qualquer irregularidade.

A formação de pirâmide financeira é uma modalidade considerada ilegal porque só é vantajosa enquanto atrai novos investidores. Assim que os aplicadores param de entrar, o esquema não tem como cobrir os retornos prometidos e entra em colapso. Nesse tipo de golpe, são comuns as promessas de retorno expressivo em pouco tempo.

Leia mais sobre investigações de pirâmides

Imigrantes brasileiros eram alvo da empresa nos EUA

Segundo o secretário William Galvin, a Telexfree ofereceu títulos fraudulentos e não registrados em Massachusetts. Ainda segundo a investigação, a Telexfree prometia lucros acima de 200% e conseguiu atrair mais de US$ 90 milhões somente entre moradores do Estado, além de quase US$ 1 bilhão em todo o mundo.

“Apresentada como mudança de paradigma nas telecomunicações e na publicidade, a Telexfree é meramente uma pirâmide e um esquema ponzi [tipo de pirâmide financeira que atrai pessoas oferecendo retornos muito altos], que tem como alvo a comunidade trabalhadora brasileira. A empresa levantou US$ 1 bilhão em todo o mundo, muitas vezes a partir de honestos lucros e economias de brasileiros e de outras minorias”, disse Galvin, em seu relatório.

O secretário pede que as operações da empresa sejam paralisadas, e que os clientes sejam ressarcidos.

Empresa é investigada no Brasil, mas nega acusações

Atuando no Brasil desde março de 2012, a Telexfree vende planos de minutos de telefonia de voz pela internet. Porém, segundo a acusação da Justiça, isso seria apenas uma fachada.

A empresa é investigada por indícios de formação de pirâmide financeira, modalidade considerada ilegal porque só é vantajosa enquanto atrai novos investidores.

Assim que os aplicadores param de entrar, o esquema não tem como cobrir os retornos prometidos e entra em colapso. Nesse tipo de golpe, são comuns as promessas de retorno expressivo em pouco tempo.

Em notas anteriores, a empresa disse que está se defendendo de forma vigorosa das acusações e que tem apresentado sua defesa juntando aos processos todos os documentos necessários, de modo que comprove a regularidade e a viabilidade econômica de suas atividades.

Mais Economia