Bolsas

Câmbio

Juros

Inflação acelera para 0,22% em abril, puxada por remédios e planos de saúde

Do UOL, em São Paulo

IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial no país, acelerou para 0,22% em abril, após encerrar março em 0,09%.

No acumulado de 12 meses, o IPCA ficou em 2,76%, abaixo do limite mínimo da meta do governo.

A meta em 2018 é manter a inflação em 4,5% ao ano, mas há uma tolerância de 1,5 ponto, ou seja, pode variar entre 3% e 6%. 

As informações foram divulgadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (10).

Remédios e planos de saúde puxam índice

Todos os grupos de despesas pesquisados pelo IBGE ficaram mais caros no mês passado, exceto comunicação (-0,07%) e transporte (preços não mudaram).

O que mais pressionou o índice foram os gastos com saúde e cuidados pessoais (+0,91%), responsáveis por metade da inflação geral.

Segundo o IBGE, os planos de saúde encareceram 1,06% em março, e os remédios, 1,52%. Os medicamentos refletem o reajuste anual que passou a valer a partir de 31 de março, variando entre 2,09% e 2,84%, conforme o tipo de remédio.

Cebola sobe quase 20%

Os alimentos, que têm forte peso no índice geral de inflação, encareceram 0,09% em abril, apesar de os gastos com alimentação fora de casa, em restaurantes, por exemplo, terem ficado 0,22% mais baratos.

Dentre os produtos que mais subiram, destacam-se a cebola (+19,55%), as hortaliças (+6,46%), o leite (+4,94%) e as frutas (+2,95%).

De acordo com o instituto, o aumento do leite se deve à redução na oferta do produto por conta dos baixos preços praticados no ano passado. Isso teria desestimulado a atividade, com os produtores aumentando o abate de vacas. Consequentemente, os preços das carnes caíram (-0,31%). 

Após anúncio de embargo pela UE, frango cai

Também registraram queda nos preços a batata (-4,31%), o açúcar (-2,8%) e o frango (-2,08%). O IBGE afirma que o embargo da União Europeia ao frango brasileiro pode ter contribuído para derrubar o preço, ao aumentar a oferta do produto no mercado interno.

"A oferta [de frango] está alta e o consumo, baixo. Também pode estar influenciando a questão do embargo europeu, que embora só comece no dia 15 de maio, já afeta o preço do produto"
Fernando Gonçalves, gerente do IPCA

Inflação abaixo da meta em 2017

A inflação fechou 2017 em 2,95% e ficou abaixo do limite mínimo da meta do governo pela primeira vez na história. Foi a menor inflação anual desde 1998 (1,65%).

No início deste ano, o atual presidente do banco, Ilan Goldfajn, enviou carta ao então ministro Henrique Meirelles dizendo que a meta não foi cumprida no ano passado devido à queda nos preços dos alimentos, após safras recordes. 

A carta é uma exigência em caso de descumprimento da meta de inflação. 

Expectativa em 2018

A expectativa de analistas consultados pelo Banco Central é que a inflação termine 2018 em 3,49%, dentro do limite da meta deste ano. 

Com o crescimento de 1% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2017, o país começa a sair do buraco, após a economia encolher 3,5% tanto em 2016 quanto em 2015. Mas a recuperação é lenta e, segundo especialistas ouvidos pelo UOL, a economia vai demorar pelo menos dois anos para chegar ao nível de antes da crise.

Juros X Inflação

Os juros são usados pelo BC para tentar controlar a inflação. De modo geral, quando a inflação está alta, o BC sobe os juros para reduzir o consumo e forçar os preços a caírem. Quando a inflação está baixa, como agora, o BC derruba os juros para estimular o consumo.

Em março, o Comitê de Política Monetária do BC (Banco Central) decidiu cortar a taxa de juros pela 12ª vez seguida, de 6,75% para 6,5% ao ano, menor nível da história (O Copom foi criado em 1996).

(Com agências de notícias)

Mãe conta como cria sete filhos com um salário mínimo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos