ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Inflação acelera para 0,22% em abril, puxada por remédios e planos de saúde

Do UOL, em São Paulo

10/05/2018 09h01

IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial no país, acelerou para 0,22% em abril, após encerrar março em 0,09%.

No acumulado de 12 meses, o IPCA ficou em 2,76%, abaixo do limite mínimo da meta do governo.

A meta em 2018 é manter a inflação em 4,5% ao ano, mas há uma tolerância de 1,5 ponto, ou seja, pode variar entre 3% e 6%. 

As informações foram divulgadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (10).

Remédios e planos de saúde puxam índice

Todos os grupos de despesas pesquisados pelo IBGE ficaram mais caros no mês passado, exceto comunicação (-0,07%) e transporte (preços não mudaram).

O que mais pressionou o índice foram os gastos com saúde e cuidados pessoais (+0,91%), responsáveis por metade da inflação geral.

Segundo o IBGE, os planos de saúde encareceram 1,06% em março, e os remédios, 1,52%. Os medicamentos refletem o reajuste anual que passou a valer a partir de 31 de março, variando entre 2,09% e 2,84%, conforme o tipo de remédio.

Cebola sobe quase 20%

Os alimentos, que têm forte peso no índice geral de inflação, encareceram 0,09% em abril, apesar de os gastos com alimentação fora de casa, em restaurantes, por exemplo, terem ficado 0,22% mais baratos.

Dentre os produtos que mais subiram, destacam-se a cebola (+19,55%), as hortaliças (+6,46%), o leite (+4,94%) e as frutas (+2,95%).

De acordo com o instituto, o aumento do leite se deve à redução na oferta do produto por conta dos baixos preços praticados no ano passado. Isso teria desestimulado a atividade, com os produtores aumentando o abate de vacas. Consequentemente, os preços das carnes caíram (-0,31%). 

Após anúncio de embargo pela UE, frango cai

Também registraram queda nos preços a batata (-4,31%), o açúcar (-2,8%) e o frango (-2,08%). O IBGE afirma que o embargo da União Europeia ao frango brasileiro pode ter contribuído para derrubar o preço, ao aumentar a oferta do produto no mercado interno.

"A oferta [de frango] está alta e o consumo, baixo. Também pode estar influenciando a questão do embargo europeu, que embora só comece no dia 15 de maio, já afeta o preço do produto”
Fernando Gonçalves, gerente do IPCA

Inflação abaixo da meta em 2017

A inflação fechou 2017 em 2,95% e ficou abaixo do limite mínimo da meta do governo pela primeira vez na história. Foi a menor inflação anual desde 1998 (1,65%).

No início deste ano, o atual presidente do banco, Ilan Goldfajn, enviou carta ao então ministro Henrique Meirelles dizendo que a meta não foi cumprida no ano passado devido à queda nos preços dos alimentos, após safras recordes. 

A carta é uma exigência em caso de descumprimento da meta de inflação. 

Expectativa em 2018

A expectativa de analistas consultados pelo Banco Central é que a inflação termine 2018 em 3,49%, dentro do limite da meta deste ano. 

Com o crescimento de 1% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2017, o país começa a sair do buraco, após a economia encolher 3,5% tanto em 2016 quanto em 2015. Mas a recuperação é lenta e, segundo especialistas ouvidos pelo UOL, a economia vai demorar pelo menos dois anos para chegar ao nível de antes da crise.

Juros X Inflação

Os juros são usados pelo BC para tentar controlar a inflação. De modo geral, quando a inflação está alta, o BC sobe os juros para reduzir o consumo e forçar os preços a caírem. Quando a inflação está baixa, como agora, o BC derruba os juros para estimular o consumo.

Em março, o Comitê de Política Monetária do BC (Banco Central) decidiu cortar a taxa de juros pela 12ª vez seguida, de 6,75% para 6,5% ao ano, menor nível da história (O Copom foi criado em 1996).

(Com agências de notícias)

Mãe conta como cria sete filhos com um salário mínimo

BBC Brasil

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia