IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Com ameaça de recessão mundial, Europa deixa juros ainda mais negativos

Do UOL, em São Paulo

12/09/2019 15h43

Resumo da notícia

  • Banco Central Europeu tenta estimular economia do bloco com redução de juros e injeção de dinheiro
  • Medidas tentam preparar zona do euro para as turbulências geradas pela guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e pelo Brexit
  • Queda de juros e juros negativos são uma tendência nos principais bancos centrais do mundo
  • No Brasil, o BC voltou a cortar a taxa básica de juros em julho, após dez reuniões seguidas de manutenção

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou hoje uma série de medidas para tentar estimular a economia e preparar a zona do euro para os efeitos da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e do Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia.

Com a ameaça de uma recessão mundial nos próximos anos, o BCE decidiu cortar ainda mais as taxas de juros, que já eram negativas, na expectativa de que a medida incentive o consumo e ajude a acelerar a inflação, hoje em 1% —a meta é de quase 2%. Além disso, o órgão vai injetar dinheiro na economia com um programa de compra de ativos.

Após o anúncio, as Bolsas da Europa fecharam em alta nesta quinta-feira.

Taxa de juros mais negativa

As taxas de juros já eram negativas na zona do euro e vão ficar ainda mais. A taxa de depósitos, que era de -0,4%, vai para -0,5%. Já a taxa de refinanciamento foi mantida em 0%.O objetivo do juro negativo é evitar que o dinheiro fique parado nos bancos e incentivar as pessoas a gastar para aquecer a economia.

Se um título europeu oferece, por exemplo, rendimento de -0,5% ao ano, então, a cada 100 euros aplicados, o investidor perde 50 centavos de euro por ano.

Injeção de euros na economia

Outra ação anunciada foi a retomada de um programa de compra de ativos que estava parado desde dezembro de 2018. Segundo o presidente do BCE, Mario Draghi, o banco vai comprar títulos de dívida pública e bônus corporativos a partir de novembro, injetando 20 bilhões de euros por mês na economia.

Draghi afirmou que a política de estímulo não tem prazo para acabar. Vai continuar até que a aceleração da inflação indique aquecimento da economia europeia.

Mesmo com as medidas adotadas, o BCE passou a prever crescimento menor do PIB (Produto Interno Bruno). A projeção para 2019 caiu de 1,2% para 1,1%, e para 2020, de 1,4% para 1,2%.

Juros negativos são tendência no mundo

A estratégia de baixar os juros para tentar aquecer a economia é tendência no cenário global atual.

Os cortes têm sido adotados desde a crise financeira de 2008, que freou a atividade econômica global e forçou os principais bancos centrais —dos EUA, Europa e Japão— a reduzir drasticamente os juros básicos de suas economias para minimizar os efeitos da crise.

Os EUA superaram a crise e voltaram a crescer, enquanto as economias do Japão e de vários países da Europa seguiram patinando nos últimos anos.

Agora, fatores como o início da guerra comercial entre os norte-americanos e os chineses acenderam o alerta para o risco de uma nova onda de recessão global.

Antes do BCE, o Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) decidiu cortar a taxa de juros, no final de julho, pela primeira vez desde a crise de 2008, levando as taxas à faixa de 2% a 2,25%.

O Banco Central do Japão tem praticado taxas de juros muito baixas, algumas negativas, e garantiu que vai manter essa política pelo menos até 2020.

BC brasileiro também reduziu juros

O Brasil também reduziu os juros recentemente. Em julho, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central cortou a taxa básica, a Selic, de 6,5% para 6%, a menor da série histórica. Foi o primeiro corte após dez reuniões de manutenção da Selic.

O comitê não descartou novos cortes ainda neste ano, na medida em que o governo estima inflação de 3,6% neste ano, abaixo da meta de 4,25%. A projeção de alta do PIB foi caindo ao longo do ano, até chegar a 0,85%.

Analistas ouvidos pelo Banco Central no boletim Focus projetam mais cortes na Selic e veem a taxa a 5% no final do ano.

Novas cédulas de 100 e 200 euros entram em circulação

AFP

Mais Economia