PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Todos a Bordo

Primeiro voo comercial do Concorde completa 45 anos; viagem foi para o Rio

Concorde teve 20 unidades produzidas e voos somente pela Air France e British Airways - Divulgação
Concorde teve 20 unidades produzidas e voos somente pela Air France e British Airways Imagem: Divulgação

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

21/01/2021 04h00

Há 45 anos, o Rio de Janeiro entrava para a história da aviação mundial ao receber o primeiro voo comercial do lendário jato supersônico Concorde. No dia 21 de janeiro de 1976, pela primeira vez na história um avião de passageiros voava em linha regular acima da velocidade do som. O supersônico da Air France decolou de Paris (França) com destino ao Rio de Janeiro, com escala em Dakar (Senegal). Na mesma data e no mesmo horário, um Concorde da British Airways decolou de Londres com destino ao Bahrein.

Avião de fabricação franco-britânica, o Concorde foi apresentado em dezembro de 1967, mas realizou seu primeiro voo de testes somente em março de 1969. Foram mais sete anos de testes até que o supersônico finalmente realizasse seu primeiro voo comercial em janeiro de 1976.

Apesar da promessa de revolucionar o mercado da aviação, apenas 20 unidades do supersônico foram construídas. A Air France e a British Airways foram as únicas companhias aéreas a ter voos comerciais com o Concorde.

Voos para o Rio duraram seis anos

Rota inaugural do Concorde pela Air France, os voos para o Rio de Janeiro ficaram em operação por apenas seis anos. A rota foi extinta em 1982 por causa do seu alto custo.

Concorde rio - Divulgação - Divulgação
Concorde operou no Rio de Janeiro entre 1976 e 1982
Imagem: Divulgação

Para compensar financeiramente, cada voo precisava decolar com pelo menos 90% de sua capacidade. A ocupação média dos voos no último ano de operação do Concorde para o Rio não chegava a 50%, segundo reportagem da "Folha de S.Paulo" da época.

Mesmo com a parada para reabastecimento em Dakar, a viagem entre Rio de Janeiro e Paris durava a metade do tempo em relação aos demais aviões que faziam a mesma rota sem parada. O tempo total da viagem era de apenas seis horas.

Uma das rotas mais famosas do Concorde era entre Londres e Nova York (EUA), com duração média de três horas e meia. Com as cinco horas de diferença do fuso horário, os passageiros chegavam a Nova York mais cedo do que haviam deixado Londres. Nos jatos atuais, o mesmo percurso demora cerca de oito horas na ida e seis horas e meia na volta.

Concorde - Divulgação/Air France - Divulgação/Air France
Serviço de bordo do Concorde era bastante sofisticado
Imagem: Divulgação/Air France

Clube seleto de passageiros

Com passagens que ultrapassavam os US$ 10 mil, o Concorde era um avião para poucos e exigentes passageiros.

"Os passageiros adoravam voar no Concorde, e era quase sempre o mesmo clube seleto de sortudos, com seus hábitos, os mesmos assentos, a mesma refeição especial e a mesma bebida. Eles não precisavam perguntar, sabíamos de antemão, e eles se sentiam em casa, como se estivessem em seu jato particular", relembra comissário de bordo da Air France Alain Verschuere, que foi um dos 150 tripulantes treinados para voar no Concorde e fez diversas viagens ao Brasil a bordo do supersônico.

O público que voava no jato supersônico era formado por estrelas de cinema, políticos, modelos, diretores, autoridades, ministros e presidentes de empresas. Até mesmo o Papa João Paulo chegou a viajar no Concorde.

Caviar e champanhe Don Pérignon

Verschuere conta que os comissários da Air France anotavam as preferências de cada passageiro e informavam para a tripulação do próximo voo. Assim, antes mesmo de os passageiros embarcarem, os comissários já sabiam os gostos individuais. "Nosso briefing era muito completo, com o objetivo de satisfazer suas necessidades e vontades."

O serviço de bordo do Concorde era luxuoso e assinado pelos mais premiados chefs de cozinha franceses, como Alain Ducasse. "A comida era a melhor, servida em três etapas, como em um restaurante francês. Tínhamos opções diferentes de pratos quentes, servíamos caviar com vodca e blinis, lagosta e foie gras, finalizado com queijo e sobremesa, com café e o melhor champanhe Don Pérignon ou equivalente", disse Verschuere.

Concorde último - Divulgação/Air France - Divulgação/Air France
Último voo do Concorde foi no dia 31 de maio de 2003
Imagem: Divulgação/Air France

O acidente e a aposentadoria

Durante toda a sua vida, o Concorde sofreu um único acidente. Em julho de 2000, após decolar de Paris, o jato supersônico explodiu no ar a poucos metros do aeroporto. O acidente foi causado por uma peça que havia caído de um DC-10 que acabara de decolar.

O fim dos voos comerciais ocorreu três anos mais tarde, mas por conta do aumento dos custos de manutenção e do insuficiente número de passageiros em seus voos. Uma viagem transatlântica de ida e volta entre a Europa e os EUA custava na época mais de US$ 10 mil, bem acima do preço de uma passagem em primeira classe de um Boeing 747.

A Air France foi a primeira a encerrar as operações de voos comerciais com o Concorde no dia 31 de maio de 2003. Cinco meses depois, foi a vez de a British Airways aposentar definitivamente um dos aviões mais emblemáticos da história da aviação.

PUBLICIDADE