PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Mais de 7.000 km/h: avião dos anos 1950 é o mais rápido da história

North American X-15 foi o avião mais rápido da história ao atingir 7.272 km/h - Dilvugação/Nasa
North American X-15 foi o avião mais rápido da história ao atingir 7.272 km/h Imagem: Dilvugação/Nasa

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

20/03/2021 04h00

Um avião desenvolvido nos anos 1950 é o dono do recorde de velocidade em voo. O North American X-15 fez o seu primeiro voo em 1959, mas foi em outubro de 1967 que atingiu a sua velocidade máxima, chegando a 7.272 km/h. A marca equivale a 6,7 vezes a velocidade do som.

O North American X-15 é também o avião que chegou mais alto na história, atingindo a altitude de 107,9 quilômetros em relação ao nível do mar. A Força Aérea dos Estados Unidos considera que acima de 80 quilômetros o avião já entra no espaço.

Assim, os pilotos do North American X-15 que superaram essa marca receberam o título de astronautas. Doze pilotos comandaram em voo o avião mais rápido da história. Entre eles, está Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua. Ele fez sete voos a bordo do X-15 antes de sua histórica missão à Lua.

Primeiro homem a pisar na Lua, Neil Armstrong foi um dos 12 pilotos do North American X-15 - Smithsonian Institution - Smithsonian Institution
Primeiro homem a pisar na Lua, Neil Armstrong foi um dos 12 pilotos do North American X-15
Imagem: Smithsonian Institution

O North American X-15 auxiliou o projeto espacial dos Estados Unidos em diversos aspectos. Era um avião de pesquisa para voos hipersônicos que ajudou a desenvolver diversas tecnologias. As informações obtidas com o programa X-15 contribuíram para o desenvolvimento dos programas de voos espaciais das naves Mercury, Gemini e Apollo, além do programa do ônibus espacial.

Três unidades produzidas

Três aviões do modelo foram produzidos. Apesar das marcas superlativas, eles realizaram um total de apenas 199 voos entre 1959 e 1968. A primeira unidade voou sem nenhum incidente, enquanto a terceira foi destruída em uma queda após o piloto ficar desorientado na reentrada na atmosfera.

A aeronave responsável por atingir a maior velocidade da história foi a segunda a ser produzida. O avião teve de ser reconstruído após um acidente no pouso e teve sua capacidade de propulsão aumentada, o que permitiu que se tornasse o avião mais rápido da história. A aeronave recebeu a designação de X-15A2 e hoje está no Museu da Força Aérea da Base Aérea de Wright-Patterson, no estado de Ohio (EUA).

Lançado em voo pelo B-52

Por causa do grande consumo de combustível de seu motor de foguete, o X-15 era lançado no ar de uma aeronave B-52 em voo a cerca de 45.000 pés (13,7 quilômetros) de altitude e a velocidades superiores a 800 km/h. Dependendo da missão, o motor fornecia empuxo para os primeiros 80 a 120 segundos de voo, quando atingia a velocidade e altitude máximas.

O North American X-15 precisava ser lançado em voo por um avião B-52 - Smithsonian Institution - Smithsonian Institution
O North American X-15 precisava ser lançado em voo por um avião B-52
Imagem: Smithsonian Institution

O restante do voo, de oito a 12 minutos, era feito sem potência e terminava em um pouso planado com velocidade de aproximadamente 320 km/h. Como era um avião para testes e desenvolvimento de novas tecnologias, não havia a necessidade de percorrer grandes distâncias.

Desafios do projeto

Por causa de sua capacidade de alta velocidade, o North American X-15 teve que ser projetado para suportar temperaturas aerodinâmicas de mais de 650 graus Celsius. Para resistir ao calor, a aeronave foi fabricada com uma liga especial de níquel de alta resistência chamada Inconel X.

O avião também enfrentou diversos desafios em relação à aerodinâmica e ao controle de voo em altitudes elevadas, já que o ar extremamente rarefeito dificultava a atuação das superfícies de comando.

Para voar na região fora da atmosfera da Terra, o X-15 usou um sistema de controle de reação. Foguetes de impulso de peróxido de hidrogênio no nariz da aeronave forneciam controle de inclinação e guinada, enquanto os das asas forneciam controle de rotação.

O desenvolvimento do X-15 começou em 1954 em um programa de pesquisa conjunta patrocinado pela antiga Naca, antecessora da Nasa, pela Força Aérea e pela Marinha dos Estados Unidos, em conjunto com a iniciativa privada. A North American foi selecionada como contratante principal para o projeto.

O North American X-15 era um avião pequeno. Com capacidade para apenas um tripulante, a aeronave tinha 15,2 metros de comprimento, 3,9 metros de altura e 6,7 metros de envergadura.

PUBLICIDADE