PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Reinaldo Polito

Como vencer o desinteresse dos ouvintes

Desinteresse do ouvinte pode ser revertido com algumas estratégias para manter a atenção - fizkes/Getty Images/iStockphoto
Desinteresse do ouvinte pode ser revertido com algumas estratégias para manter a atenção Imagem: fizkes/Getty Images/iStockphoto
só para assinantes
Reinaldo Polito

Autor de 31 livros que venderam mais de 1 milhão de exemplares, dá dicas de expressão verbal para turbinar sua carreira.

Colunista do UOL

26/07/2022 04h00

Pois nós que vivemos para agradar temos que agradar para viver."
Samuel Johnson

As reclamações são recorrentes. Os professores dizem ser quase impossível manter os alunos concentrados na aula. Os palestrantes resmungam porque nos últimos anos surgiu um concorrente praticamente invencível, o celular. Muitos pais jogaram a toalha, pois falam, falam, falam, mas suas palavras entram por um ouvido dos filhos e saem pelo outro. Sem contar algumas esposas, que não aguentam mais a indiferença dos maridos.

Pois é, nesse mundo cada vez mais ligeiro e repleto de distrações fica difícil mesmo seduzir os ouvintes para que acompanhem um raciocínio completo desde o início até o final. E não adianta pedir um minutinho de atenção, já que, se atenderem à súplica, será por apenas um minutinho. Então, não tem jeito. Temos de desistir.

Não. O que precisamos é aplicar técnicas de comunicação que fisgam a atenção das pessoas e as mantêm ligadas à mensagem por tempo prolongado, e até durante o tempo todo. Portanto, fazer com que o público esteja conectado com o orador depende mais de quem fala do que de quem ouve.

Mostre o benefício

Nunca se esqueça de uma verdade — nós, ouvintes, somos egoístas e interesseiros. Só prestamos atenção se percebermos que a mensagem irá nos beneficiar de alguma maneira. Por isso, antes de falar, reflita: o que o público ou interlocutores irão ganhar com o meu discurso? E conte para eles logo no início qual será essa vantagem. Dinheiro, segurança, fama, poder?

Não importa se você vai falar para uma, dez, ou quinhentas pessoas, em todas as situações informe de maneira bastante clara qual o lucro que essa turma terá. E mais, se achar que não vão se beneficiar com suas informações, não dá para reclamar da desatenção. Cá entre nós, entretanto, sempre haverá um jeito de identificar essa vantagem.

Crie expectativa

Os ouvintes precisam imaginar que sempre haverá uma informação relevante mais à frente. Antes de passar um dado interessante, avise o público que logo irá discorrer sobre esse ponto. Lembre-se sempre de que ouvinte sem expectativa não se motiva a acompanhar o desenrolar do pensamento.

O segredo é este — não pegue as pessoas desprevenidas. Avise antes que elas receberão algo importante ao longo da apresentação. E faça assim o tempo todo, até encerrar sua exposição.

Dê espetáculo

Dar espetáculo? Mas, eu não sei contar piadas. Não sei cantar. Não sei contar histórias interessantes. Bem, a maioria sabe. Sabe, mas tem preguiça ou fica tímida para usar suas habilidades. Se for o seu caso, e desejar conquistar a atenção da tropa, seja ousado e ponha o bloco na rua. No início é mais difícil, mas com o tempo vai perdendo a vergonha e saboreando os resultados.

Comece nos ambientes mais íntimos, com os familiares e amigos mais próximos. Após conquistar os primeiros resultados, faça a experiência no ambiente de trabalho. Superado esse trajeto, ao perceber que a prática funcionou, estará em condições de se arriscar diante de pessoas estranhas e público mais numeroso.

Vamos imaginar que você não tenha mesmo essas habilidades. Nesse caso, precisa se dedicar com afinco a esse aprendizado. No início, conte histórias curtas. Repita esses casos em locais diferentes. Exclua as informações que julgar menos atrativas e inclua outras mais curiosas. Descubra um final que possa servir como fechamento impactante.

Depois de arredondar uma história, passe para outra, seguindo o mesmo processo. Em pouco tempo, terá meia dúzia de bons casos para contar. Quando se sentir mais confortável, introduza pitadas de humor. Teste o timing. As pausas são o ingrediente fundamental para uma fala bem-humorada. Essas histórias ajudam a dar o espetáculo necessário para motivar os ouvintes a acompanhar o conteúdo do discurso.

Novas experiências

A experiência mostra que depois de vencer essa primeira etapa, alguns se sentem motivados a contar piadas e até a entoar certas canções. Quando esses recursos são utilizados dentro do contexto adequado, formam um conjunto harmonioso e atraente.
Dessa forma, se achar que está difícil conquistar e manter a atenção dos ouvintes, tenha em mente que a solução está em suas mãos. Depende de vontade, disciplina e bastante esforço. Boa sorte.

Superdicas da semana

  • Quem fala de maneira desinteressante não pode exigir o interesse dos ouvintes
  • Mostre os benefícios da sua mensagem para os ouvintes
  • Crie expectativas o tempo todo
  • Dê espetáculo, pois conteúdo em voo solo quase nunca desperta interesse

Livros de minha autoria que ajudam a refletir sobre esse tema: "Como falar corretamente e sem inibições", "Os segredos da boa comunicação no mundo corporativo" e "Oratória para advogados", publicados pela Editora Saraiva. "29 minutos para falar bem em público", publicado pela Editora Sextante. "Oratória para líderes religiosos", publicado pela Editora Planeta.

Siga pelo Instagram: @polito

Siga pelo facebook.com/reinaldopolito

Pergunte para saber mais: contatos@polito.com.br