PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Descomplique

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Abandonei a CLT e comecei um negócio; será que vale a pena?

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto
Conteúdo exclusivo para assinantes
Júlia Mendonça

Júlia Mendonça é formada em comércio exterior pela Universidade Positivo. Atuou como planejadora financeira entre 2015 e 2018. Especialista em orientação e planejamento financeiro pessoal, é coach e consultora de finanças, pós-graduada em investimentos, finanças e banking. É influenciadora digital no nicho de finanças e investimentos em um dos maiores canais do assunto na área do Brasil.

15/11/2021 04h00

Abandonar o emprego e abrir o próprio negócio. Este é o sonho de milhares de brasileiros e já foi meu sonho também. Alguns anos atrás, reuni a coragem necessária para dar esse passo importante e abri meu negócio. Será que valeu a pena? Quais são as maiores dificuldades no início? O que esperar desse momento de transição?

Quando é hora de dar o primeiro passo

Sempre fui muito dedicada na minha profissão. Não eram raras as vezes em que levava trabalho para fazer em casa, mesmo sem que meu chefe pedisse por isso. Eu simplesmente gostava do que fazia e me sentia útil fazendo algo que poderia ajudar outras pessoas.

Porém, o tempo foi passando e comecei a me sentir presa pela rotina, pelos processos, por depender de outras pessoas para fazer algo que fugia da minha área. Aos poucos isso foi crescendo e aí resolvi sair da bolha da CLT aos poucos.

O começo

Fiz um curso de planejamento financeiro e comecei a atender a clientes no meu tempo livre. O número de clientes aumentou, a demanda cresceu e logo não estava mais dando conta de bater ponto e tocar meu negócio. Decidi pedir demissão para focar 100% nos meus clientes de consultoria financeira.

Apesar de um início próspero do meu negócio, o lucro demorou a aparecer. Tudo o que ganhava com meus clientes eu precisava gastar para investir no negócio, desde coisas simples, como cartões de visitas, à construção de um site e cursos nas áreas mais diversas, de administração de empresas a Photoshop.

Primeiro perigo

É nesse momento em que muitos negócios vão à falência. Os novos empreendedores subestimam os gastos iniciais com a abertura de uma empresa e quando percebem estão atolados em dívidas.

A sorte é que durante esse tempo ainda contava com os ganhos do meu marido, pois se não fosse por isso teria de fechar o negócio para voltar ao meu antigo emprego. Tivemos de ajustar muito nosso orçamento e fazer diversos cortes para nosso sustento durante esse momento.

Nem sempre é fácil

Por 2 anos trabalhei no meu negócio sem ter lucro e mesmo quando comecei a fazer minhas retiradas elas não eram tão grandes assim. Essa é a minha maior dica para quem deseja começar o empreendimento próprio: tenha uma boa reserva financeira e esteja preparado para passar por momentos bastante complicados no início.

Planeje, pesquise, invista muito no negócio e na sua formação como empreendedor. Nada é fácil no começo e você com certeza vai trabalhar muito sem ver a cor do dinheiro. Essa é a realidade nua e crua.

E agora?

Hoje trabalho muito mais do que trabalhava no meu emprego, tenho muito mais preocupações, muito mais responsabilidades e o estresse do negócio já chegou a afetar minha saúde. Porém, não troco essa vida por nada.

Não é uma vida que imaginava quando dei o primeiro passo na abertura do meu negócio, porém, a flexibilidade, os ganhos e a realização de construir um empreendimento fazem tudo valer a pena.

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL