PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Descomplique

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Festa de casamento: para que gastar tanto?

Conteúdo exclusivo para assinantes
Júlia Mendonça

Júlia Mendonça é formada em comércio exterior pela Universidade Positivo. Atuou como planejadora financeira entre 2015 e 2018. Especialista em orientação e planejamento financeiro pessoal, é coach e consultora de finanças, pós-graduada em investimentos, finanças e banking. É influenciadora digital no nicho de finanças e investimentos em um dos maiores canais do assunto na área do Brasil.

24/02/2022 04h00

Sem dúvida um dos momentos mais estressantes da vida de um casal é o noivado. Além de todo o envolvimento emocional relacionado ao casamento, também surgem diversas cobranças impostas pela sociedade.

Em alguns casos isso se traduz na compra de um imóvel (mesmo sem ter as condições financeiras necessárias), na cobrança para ter o primeiro filho e quase sempre na realização de uma festa de casamento enorme.

Não é difícil perceber que para realizar todos esses marcos é preciso muito dinheiro. Mesmo assim, em alguns casos a cobrança das pessoas próximas ao casal é implacável. Esperar que os noivos com todas essas obrigações financeiras banquem uma festa de casamento, muitas vezes gastando mais de R$ 50 mil, chega a ser irresponsável.

Eu sei que para muitos casais a festa de casamento é um sonho que por anos foi cultivado e que os momentos proporcionados pelo evento não têm preço, mas até onde devemos ir com esse gasto? Será que é errado usar tanto dinheiro em um momento que dura poucas horas?

É impossível julgar as decisões financeiras de outras pessoas, principalmente quando se trata de algo tão emocional quanto o casamento, porém a reflexão é válida. Quanto seria saudável financeiramente um casal gastar na festa?

Quando me casei, passei um tempo pensando nisto: até onde iria para realizar uma festa incrível sem comprometer meu futuro? Elenquei algumas prioridades que me ajudaram a fechar minha decisão.

A primeira delas foi que não gostaria de fazer uma festa para muitas pessoas. Percebi que durante a vida muitas amizades entram e saem, poucas duram por anos. Fiz uma lista de pessoas que ficaram próximas durante grande parte da minha vida e convidei somente essas.

Mesma coisa com parentes. Convidei somente aqueles com os quais mantenho contato direto. Primos e tios distantes ficaram de fora. Fazendo dessa forma, a lista de convidados ficou restrita a 30 pessoas.

Arrumar um espaço para celebrar uma cerimônia com um número menor de pessoas fez com que eu economizasse muito nesse quesito. Como era um espaço menor, também foi possível gastar menos com a música ao vivo, já que não foi necessário um sistema de som complexo para animar a festa.

Economizei muito dinheiro comprando materiais diretamente com os fornecedores e negociando com diversas empresas. Mesmo com todos esses esforços, gastei R$ 25 mil com a minha festa.

Não vou dizer que foi barato, mas com certeza se não tivesse todos esses cuidados a conta seria ainda maior. Tive de apertar muito o orçamento porque nessa mesma época estava terminando de pagar e mobiliar meu apartamento.

Se houvesse qualquer descuido em relação a esses dois gastos, com certeza a chance de entrar em dívidas e ficar nisso por anos seria enorme. O impacto de prejudicar a vida financeira neste momento é grande, já que isso diminui a chance de dedicação e crescimento no emprego, além de trazer um estresse desnecessário à nova vida de casal.