PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Econoweek

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Com R$ 1.000 por mês, é possível ficar milionário?

Conteúdo exclusivo para assinantes
Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone é economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

22/02/2022 04h00

A coluna do Econoweek já fez diversos cálculos de quanto rende aplicar R$ 100 por mês, R$ 200 por mês e outros valores. Mas será que ao aplicar uma quantia mais alta o investidor conseguirá ficar milionário —e em um período mais breve?

A resposta é sim. No vídeo e na coluna abaixo, contamos como atingir a meta de R$ 1 milhão ao investir R$ 1.000 por mês.

Muitas pessoas chegam ao Econoweek e dizem que estão perto dos 30 anos. A dúvida é: será que vale a pena investir nessa idade? Com o cálculo abaixo queremos mostrar que sim. Mesmo que você comece aos 30 (ou até depois) conseguirá juntar um bom patrimônio para ter tranquilidade no futuro.

No cálculo usamos uma planilha que considera uma rentabilidade média de 7% ao ano. Se você está se perguntando por que não usamos uma taxa maior, já que a Selic (taxa básica de juros) está acima de 10% ao ano, temos de te lembrar de duas coisas.

Primeiramente, o juro está alto hoje, mas amanhã poderá estar em um patamar menor. Não só pode mudar, como deve. A expectativa dos analistas do Focus é que em 2023 a Selic esteja em 8% ao ano.

Além disso, 7% ao ano já é a rentabilidade líquida do cálculo, ou seja, já descontados custos, taxas, impostos etc. Sempre vale reforçar que há Imposto de Renda em investimentos como CDBs (Certificados de Depósito Bancário) e Tesouro Direto, o que dá uma "garfada" nos rendimentos.

Em todo caso, se você quiser trocar para uma taxa maior, ou então quiser ser mais conservador e colocar algo mais baixo como 4% ao ano, a planilha permite a troca.

Quanto aplicar para ficar um milionário?

Hoje vamos fazer a conta considerando a idade atual de 30 anos e a de saque aos 60 anos. Assim, são 360 meses de investimentos regulares.

Também consideramos que a pessoa não tem nada investido. Em outras palavras, vai começar a guardar dinheiro a partir dali.

Se investir R$ 200 por mês durante 30 anos, o valor final será de R$ 235 mil, ainda distante do primeiro milhão. Se aplicar R$ 500 por mês, o valor sobe para R$ 588 mil.

Ao elevar para R$ 1 mil por mês, o valor final chega ao R$ 1 milhão e até passa disso. A quantia final fica em R$ 1.176.064.

É importante lembrar que o valor poupado todo mês tem de ser atualizado pela inflação. Não pode ficar sempre em R$ 1.000. Dessa forma, depois de 30 anos, a quantia final acumulada será também atualizada e teria o mesmo poder de compra que tem R$ 1 milhão hoje.

Investir por 30 anos é muito tempo

Não vamos negar que um plano assim exige resiliência. Mas já parou para pensar que muitas pessoas entram em um financiamento por esse período e, assim, pagam juros por esse tempo e não têm medo nenhum disso? Por que, então, ter medo de investir e receber juros por 30 anos?

Em todo caso, há três dicas para não desanimar:

Dica nº 1: deixe agendado o investimento ou se policie para investir assim que cair o salário e não correr o risco de gastar o dinheiro ao longo do mês.

Dica nº 2: olhe o quanto conseguiu juntar todo mês ou, ao menos, uma vez por trimestre. Conforme o patrimônio crescer, você vai ficar empolgado para seguir com o plano.

Dica nº 3: envolva a família nesse objetivo, se você for casado ou casada. A gente está falando de um investimento de longo prazo, que vai durar 30 anos. Se não envolver a família, alguém pode sabotar o plano querendo inventar viagens e outros custos que fujam do orçamento.

Você acha possível juntar R$ 1 mil por mês atualmente? Comente abaixo qual é a quantia possível para o seu caso ou deixe sua mensagem nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube).