ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Empreendedorismo

Lanchonete com receitas de carne de jacaré e avestruz quer virar franquia

Afonso Ferreira

Do UOL, em São Paulo (SP)

11/02/2014 06h00

Com sanduíches de carne de jacaré e de avestruz, três empresários de Campo Grande (MS) resolveram incrementar o cardápio da Safari Hamburgueria, que também serve hambúrgueres de carne seca, de ponta de costela, de picanha e de proteína de soja.

Atualmente, a Safari Hamburgueria, aberta em 2010, tem duas unidades próprias e fatura R$ 300 mil por mês. A empresa quer virar franquia no segundo semestre deste ano.

A partir de março, o empresário Diogo Saad, 29, e os sócios Rafael Petinari, 28, Renato Pasolini, 27, planejam fazer um curso para se tornarem franqueadores. “Não calculamos os valores de investimento e faturamento dos franqueados ainda, mas devemos começar a expansão pela região Centro-Oeste”, afirma Saad.

Por mês, a empresa produz 1,5 tonelada de hambúrgueres com carne seca, de ponta de costela e de picanha. As carnes de avestruz e jacaré são cortadas aos pedaços e preparadas na chapa. São utilizados de 55 kg a 60 kg de carne de jacaré e 45 kg de carne de avestruz. As carnes exóticas representam 10% das vendas da lanchonete.

Ao todo, a  lanchonete oferece 20 opções de sanduíches que custam de R$ 15,80 a R$ 21,90. O preço pode subir se vier acompanhado de batata frita (R$ 8) e refrigerante (R$ 4). Por mês, são atendidos aproximadamente 12 mil clientes, de acordo com Saad. O gasto médio do público é de R$ 25.

As carnes de jacaré e de avestruz são servidas dentro de um pão francês ou em porções, acompanhadas de cebola e molho. Segundo Saad, elas são compradas de criadores nacionais autorizados pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis) a comercializar o produto.

Investimento inicial foi de R$ 90 mil

Para abrir o negócio, o trio investiu R$ 90 mil do próprio bolso na reforma do ponto e em mobiliário. Um ano depois, já com a receita da empresa, os sócios injetaram mais R$ 200 mil na modernização da cozinha, de acordo com Saad.

Em 2012, quando foi aberta a segunda unidade, foram aplicados mais R$ 200 mil no negócio, segundo o empresário. “O custo foi alto porque criamos uma identidade visual forte, que remete à savana africana. É esse padrão que vamos passar aos futuros franqueados”, declara.

Concorrência com redes internacionais dificulta entrada no mercado

Segundo a gestora de projetos do Sebrae-MS (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Mato Grosso do Sul) Lucielle Lima, o segmento de hambúrgueres e lanches já conta com grandes redes como McDonald’s e Burger King, o que dificulta a entrada do pequeno empresário.

Lima diz que, para atrair a atenção da clientela, uma lanchonete precisa ter uma identidade visual forte e um cardápio diferenciado.

“Se o cardápio ou o ambiente têm o apelo regional, as chances de atrair o público são maiores. No caso da Safari, foi usada a carne de jacaré, que é uma comida típica da região, e a de avestruz, que é diferente”, afirma.

No entanto, a gestora do Sebrae diz que o regionalismo também pode ser um limitador para o negócio. “Um cardápio pode dar muito certo em Campo Grande, mas não ter a mesma aceitação em São Paulo porque os gostos são diferentes.”

Consumo de carne exótica estimula crueldade, diz ativista

Para a presidente da Anda (Agência de Notícias de Direitos Animais), Silvana Andrade, o consumo de carnes exóticas, como a de jacaré e avestruz, em estabelecimentos comerciais estimula hábitos cruéis contra os animais.

“Já não basta matar bois, galinhas e porcos para comer a carne? É possível ganhar dinheiro com produtos nutritivos que não estimulem a crueldade de sacrificar um animal”, declara.

Segundo Andrade, existem hambúrgueres feitos com matéria-prima vegetal que são saborosos e poderiam substituir a carne. “O sabor está no tempero e não na carne. Por que não induzir hábitos saudáveis sem ferir a ética e o direito à vida do animal?”, diz.

Onde encontrar:

Safari Hamburgueria: Rua José Antônio, 1.870, Campo Grande (MS). Fone: (67) 3044-0010. Facebook: www.facebook.com/safarihamburgueria

Cuidados ao escolher uma franquia

Tempo de mercadoVerifique há quanto tempo a rede atua no mercado. Se a franquia for nova, veja o número de unidades próprias. É por meio delas que a franqueadora adquire experiência e conhecimento da área que irá transmitir aos franqueados
Pesquisa com franqueadosAs redes são obrigadas a apresentar a COF (Circular de Oferta de Franquia) para os interessados. O documento deve indicar endereço, nome e telefone de franqueados e ex-franqueados. É importante ligar para o maior número possível para saber sobre investimento, faturamento, tempo de retorno e lucro
FaturamentoDesconfie de número fantásticos. O ideal é avaliar mais de uma franquia do setor que deseja ingressar para ver se os números são similares. Segundo a ABF, o lucro varia de 10% a 15% sobre o faturamento
Prazo de retornoA ABF trabalha com o prazo de retorno de 18 a 24 meses para microfranquias, que exigem um investimento mais baixo, e de 36 meses para franquias, que necessitam de investimento maior
Assinatura de contratoO negócio só pode ser fechado após o prazo de 10 dias da entrega da COF. O objetivo é evitar a assinatura por impulso. A COF informa o número de franqueados ativos e inativos (nos últimos 12 meses), com telefone, ações judiciais contra a empresa e estimativa de investimento, faturamento etc.

Mais Empreendedorismo