ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Empreendedorismo

Sepultura não vende só música: cerveja, vinho, cachaça, pimenta e vodca

Claudia Varella

Colaboração para o UOL, em São Paulo

29/01/2018 04h00

Nem só de shows, músicas e merchandising oficial vive uma banda de rock ou heavy metal. Desde 2009, a banda Sepultura já lançou produtos em outros segmentos: pimenta, cervejas, vinhos e agora cachaça. E ainda está nos planos uma marca de vodca. A ideia diz a banda, é fortalecer o nome da banda junto aos fãs.

O Sepultura diz não ter feito investimento no negócio nem informa os percentuais dos royalties sobre as vendas desses produtos.

Leia também:

Criado em Belo Horizonte em 1984, o Sepultura é formado hoje por Derrick Green (vocal), Andreas Kisser (guitarra), Eloy Casagrande (bateria) e Paulo Xisto (baixo).

A cachaça Sepultura é o mais novo produto do grupo: foi lançada há dois meses, em novembro de 2017 pela Seleta, fabricante de cachaça artesanal em Salinas (MG).

Segundo a empresa, a cachaça Sepultura é envelhecida por dois anos em tonéis de umburana (madeira brasileira nativa do norte de Minas) e tem 42% de teor alcoólico. No Sepulstore, site da banda, a cachaça (de 670 ml) é vendida a R$ 37.

Cervejas custam R$ 20 no site da banda

A primeira bebida lançada pela banda foi uma cerveja, em 2009.

O Sepultura tinha vontade de ter uma cerveja própria. A banda Velhas Virgens e Nenhum de Nós já tinham as suas, e queríamos também ter a nossa.

Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura

Segundo ele, a banda fez parceria com uma cervejaria pequena em São Paulo, mas depois mudou para a Cervejaria Bamberg, de Votorantim (105 km a oeste de São Paulo).

A Bamberg produz as cervejas Sepultura Weizen (com aroma e sabores de banana e cravo e 5% de teor alcoólico) e Sepultura Ale (com sabor trufado e 4,8% de teor alcoólico), criadas pelo mestre-cervejeiro e sommelier Alexandre Bazzo, dono da empresa. A Sepultura Weizen foi lançada em 2009, e a Ale, em 2014.

No Sepulstore, as cervejas são vendidas a R$ 20 cada (garrafa de 600 ml).

“A Bamberg sempre seguiu a ideologia punk, do faça você mesmo, de contestar a mesmice, de fazer o diferente. Para fazer a cerveja, converso bastante com os integrantes da banda, o que eles querem passar para o público. Daí tento encaixar essa história em algum estilo de cerveja. Mas todas bandas estão totalmente envolvidas com o processo de escolha do estilo, rótulo, divulgação”, relata Bazzo.

A cervejaria também produz as cervejas das bandas Nenhum de Nós, Raimundos, CPM 22 e Os Paralamas do Sucesso.

Ter cerveja própria não é novidade no meio da música. Outros grupos nacionais e internacionais também têm, como as bandas AC/DC, Kiss, Motörhead, Iron Maiden, Pearl Jam, Megadeth, Skank, Matanza, Titãs, Plebe Rude e Ratos do Porão, entre outros.

Por isso o Sepultura foi mais além.

Banda tem planos de produzir vodca

Desde 2013, a vinícola Don Laurindo, em Garibaldi (RS), produz dois vinhos para o Sepultura: o tinto Sepultura Merlot e o branco Sepultura Chardonnay. Os vinhos são vendidos a R$ 53 (cada) no Sepulstore.

“A banda fez a proposta de desenvolvermos os vinhos com rótulo e marca deles. Topei na hora! E fiquei muito feliz por estar fazendo parte disso”, relata Moisés Brandelli, que diz ser roqueiro desde criança. Ele é diretor e enólogo da Don Laurindo.

Segundo Moisés, o Sepultura desenvolveu os rótulos e degustou os vinhos para aprová-los.

O Sepultura planeja expandir o negócio das bebidas alcoólicas para a Europa. Na Suécia, diz Andreas Nisser, a banda estuda a possibilidade de produzir uma vodca, mas ainda sem data de lançamento.

Pimenta é produzida pela empresa suíça Alpepper

A Premium Pepper Sauce é o molho de pimenta oficial do Sepultura. Lançada em 2014, a pimenta (de 60 ml) é vendida no site da banda por R$ 15 e foi desenvolvida pela empresa Alpepper na Suíça e produzida no Brasil, com pimentas malagueta e de cheiro.

“Sepultura é uma marca muito forte, conhecida em todo o mundo. Quando tive a ideia de fazer pimentas para bandas (e por ser a pimenta um produto forte por natureza), a primeira que veio em minha mente foi o Sepultura”, declara Fernando Victor, dono da Alpepper.

Pimenta é popular no mundo da música, diz Andreas Kisser.

Além das bebidas alcoólicas, as pimentas se tornaram muito populares dentro do mundo da música. Muitas bandas já têm a sua.

Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura

A Alpepper também produz pimentas para as bandas Raimundos, Tianastácia e Matanza.

Segundo Andreas Kisser, a banda não lança os produtos por dinheiro. “O mercado para esses produtos é muito limitado. É uma verba que a gente investe na melhoria da estrutura da banda. Não convém falar de valores", afirma.

É preciso analisar o público-alvo antes

Flávio Augusto da Silva, analista de negócios do Sebrae-SP, diz que a estratégia da banda Sepultura em lançar uma cachaça no mercado foi “diferente e inusitada”.

“A banda é nacional com expressão internacional e lança no mercado um produto também nacional, que é a cachaça, usada como base para a caipirinha, bebida mundialmente identificada com o Brasil”, diz.

Para ele, a banda fez parcerias estratégicas e terá novos ganhos com outras fontes de receita, além da música, mesmo sem ter investido nos produtos (cervejas, vinho, pimenta e cachaça).

Chamamos essa estratégia de ‘cauda longa’, quando a empresa amplia seu leque de produtos.

Flávio Augusto da Silva, analista de negócios do Sebrae-SP

Silva afirma, no entanto, que a empresa precisa analisar a necessidade de seu público-alvo e deve procurar realizar parcerias, antes de lançar algum produto fora do seu nicho de atuação.

“As parcerias são necessárias porque o negócio da banda não é fazer cachaça, daí a relevância de um bom parceiro para viabilizar o lançamento do novo produto”, diz.

Onde encontrar:

Sepulstore - http://www.sepulstore.com.br/alimentacao-ct-17e718

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Empreendedorismo