ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Finanças pessoais

Bancos zeram taxas para quem investe em Tesouro Direto e previdência

Getty Images
Imagem: Getty Images

Camila Mendonça

Colaboração para o UOL, em São Paulo

20/09/2018 04h00Atualizada em 20/09/2018 15h09

Grandes bancos começaram a isentar de taxas quem faz investimentos em títulos do Tesouro Direto e outras opções de renda fixa, como já acontece com corretoras há alguns anos.

Desde junho deste ano, a Bradesco Corretora não cobra taxas de custódia ou negociação para quem quiser investir em títulos públicos ou títulos de renda fixa públicos e privados, como CRAs, CRIs, debêntures negociadas no mercado secundário e também para COEs (certificados de operações estruturadas). O banco também reduziu pela metade a taxa de custódia para investimentos em renda variável.

O Itaú Unibanco zerou a taxa para quem investe em títulos públicos e a taxa de custódia de papéis de renda fixa. “Essa taxa não estava mais fazendo sentido para o cliente”, afirmou Cláudio Sanches, diretor de Produtos de Investimentos e Previdência do Itaú Unibanco.

    O Santander anunciou na quarta-feira (19) que vai estender a todos os clientes a isenção da taxa de corretagem para investimentos no Tesouro Direto. Os investidores cadastrados na Santander Corretora desde 12 de setembro já não pagam pelo serviço. Quem se cadastrou anteriormente a essa data terá a taxa zerada a partir de sexta-feira (21). 

    Nesta quinta-feira (20), o Banco do Brasil informou que também vai zerar as taxas de custódia para quem aplica no Tesouro Direto e em papéis de renda fixa. As novas condições começam a valer a partir de sexta-feira (21) e valem para todos os clientes que possuem esses produtos, segundo o banco.

    A Caixa foi consultada, mas não respondeu.

    Leia também:

    Educação financeira ajudou a questionar taxas

    O interesse das pessoas em investir cresceu com a renda, entre os anos 2003 e 2013, e também com a crise, quando os brasileiros empregados começaram e se preocupar com o futuro.

    Nesse período, muitas corretoras investiram em educação financeira e pautaram sua origem no tema para poder crescer, declarou Lucas Madaleno, planejador financeiro da LM Finanças Pessoais.

    “A educação financeira cresceu muito nos últimos anos, e talvez esse movimento dos bancos não tenha acontecido antes porque as pessoas não se incomodavam em pagar taxas, porque não sabiam que poderiam não pagar. Elas não sabiam nem sequer o que eram essas taxas”, afirmou.

    “Quando vem alguém dizendo que consegue não cobrar, há uma migração, e o banco começa a se movimentar para não perder recursos. E se a evasão é grande, ele tem de fazer algo para estancar isso”, disse Madaleno.

    Concorrência de corretoras pressiona bancos

    O crescimento das corretoras tem pressionado os grandes bancos, mas esse não foi o único motivo para as instituições zerarem taxas para alguns investimentos em renda fixa. A redução da taxa Selic, a taxa de juros básica da economia, que hoje está em 6,5%, é outro motivo.

    Muitos investimentos de renda fixa têm sua rentabilidade pautada nessa taxa. “Há dois anos, a Selic era mais do que o dobro do que é hoje. Se eu cobro taxa para um investimento, a rentabilidade fica mais limitada. E quanto menor for a Selic, maior é a diferença dessa taxa na rentabilidade”, afirmou Madaleno.

    Leia também:

    Previdência privada também com menos taxa

    Além das taxas para investimentos em renda fixa, as instituições estão mexendo nos custos de seus produtos de previdência privada.

    O Itaú Unibanco zerou as taxas de carregamento na entrada, que ficava em torno de 0,4%. O banco já não cobrava taxa de saída.

    O Santander tem feito uma grande campanha para anunciar a isenção do carregamento. O banco já não cobrava taxa de carregamento dos clientes do segmento Private Banking. Agora, a isenção é para todos os clientes.

    Nesta quinta-feira, o Banco do Brasil informou que a taxa de carregamento para os clientes que investem em planos de previdência PGBL e VGBL também será zerada a partir de sexta (21), tanto para aplicações quanto para resgates. 

    Em agosto, a Brasilprev, do Banco do Brasil, já havia lançado o Brasilprev Fácil, um plano sem taxa de carregamento na entrada e com taxa de administração mais competitiva do que o plano normal.

    A Caixa Econômica Federal não cobra taxa de carregamento na entrada desde 2012. Na saída, a cobrança é feita para investimentos retirados até o 36° mês. Depois, não há cobrança.

    Com isenções, bancos podem reter investidores

    Segundo Madaleno, as iniciativas das instituições podem garantir uma retenção dos investimentos. “A expectativa para quem investe é boa, porque, se há vários players querendo meus recursos, eu tenho um poder de escolha maior”, disse.

    “Mas as pessoas tendem a ser mais práticas. Parte dos recursos que estava indo para as corretoras vai ficar retida nos bancos onde as pessoas já têm conta. E quem estava com dúvidas sobre ir para uma corretora vai ficar no banco”, afirmou.

    Se não sabe responder a estas 5 questões, será muito difícil ficar rico

    UOL Notícias

    Newsletters

    Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

    Quero receber

    Mais Finanças pessoais