Topo

Finanças pessoais


Bancos entram na moda de cashback e devolvem parte do dinheiro a clientes

Colaboração para o UOL, em São Paulo

2019-03-25T04:00:00

25/03/2019 04h00

Programas que devolvem parte do dinheiro que você gastou, chamados de cashbacks, já existem há um bom tempo. A novidade agora é que grandes bancos e fintechs aderiram ao sistema com cartões.

O Banco Pan anunciou seu cartão com cashback em parceria com o Méliuz, portal de vantagens especializado no programa. Sem anuidade, o cartão tem bandeira Mastercard e dará o retorno de 0,8% em todas as compras. Além disso, haverá a restituição acumulada com os estabelecimentos cadastrados na startup.

"O Méliuz tem atualmente cerca de 1.600 locais cadastrados, cada um com sua taxa de retorno. O usuário do cartão terá 0,8% mais o cashback estabelecido pelo estabelecimento, e pode chegar a 15%", disse Luiz Francisco Monteiro, CEO do Banco Pan.

O Itaú é outro banco com programa do tipo. Em parceria com a Ipiranga, o banco lançou um cartão que promete retorno de 3,5% em compras nas unidades da marca e 1% nas outras compras.

Em postos Ipiranga, o dono do cartão tem 5% de desconto na hora de abastecer o carro, mediante uso do aplicativo da marca. Além disso, os clientes deste cartão não têm retorno se usarem concorrentes do Ipiranga. Um reforça o outro.

O Original, banco de plataforma digital, já oferece o serviço desde o ano passado. Suas opções de cashback mudam de acordo com o cartão de crédito utilizado e podem ir de 0,15% na opção mais simples a 1,5%, na opção premium.

Conheça os principais serviços de cashback de bancos:

Bradesco

  • Produto: Cartão Visa Internacional Banco Next
  • Anuidade: gratuito com o Next Na Faixa
  • Benefícios: devolução automática de até 25% das compras feitas em mais de 250 sites cadastrados na rede Next, como Avon, Centauro, Sephora, Boticário e Walmart. O valor a ser restituído varia de acordo com o parceiro.

Itaú

  • Produto: Cartão Itaucard Ipiranga Platinum
  • Anuidade: R$ 360
  • Benefícios: 1% de devolução em todas as compras fora da rede Ipiranga (exceto concorrentes); 3,5% em unidades da empresa, sejam postos ou lojas de conveniência; desconto de 5% no abastecimento do carro

Original

  • Produto: Quatro opções de cartões (crédito e débito)
  • Débito: Devolução de 0,15%
  • Crédito: Cartão internacional (opção mais simples): devolução de 0,15%, com gastos até R$ 999,99, e de 0,3%, com gastos a partir de R$ 2.000; cartão Black (opção premium): devolução de 0,95%, com gastos até R$ 3.999,99, e de 1,5% com gastos a partir de R$ 12 mil
  • Anuidade: Não informada

Pan

  • Benefícios: Devolução de 0,8% em todas as compras; cashback acumulado em compras nos mais de 1.600 estabelecimentos cadastrados na Méliuz. Nesse caso, a porcentagem de devolução varia de acordo com a loja; valor pode ser sacado da conta no banco após acúmulo de R$ 20
  • Anuidade: Grátis

Outros serviços

Bancos e fintechs também têm oferecido serviços semelhantes ao cashback, que dão isenção de taxas e certos pagamentos, mas não devolvem dinheiro diretamente:

Nubank

  • Benefícios: A cada 80 pontos adquiridos, é descontado R$ 1 em passagens aéreas; cem pontos pagam despesas de parceiros como Airbnb, Evino, iFood, Liv Up, Netflix e Uber

Santander

  • Produto: Pi, uma plataforma aberta de investimentos
  • Benefícios: Devolve parte da remuneração paga a intermediários do mercado, com pontos conversíveis em reais, que poderão ser resgatados ou reinvestidos. Cada ponto equivale a R$ 0,01

Preste atenção se vale a pena

Como saber se essa opção de cartão de crédito com cashback vale a pena para você? "É preciso pesar o custo-benefício", disse Cesar Caselani, professor de Finanças da FGV-SP (Fundação Getulio Vargas de São Paulo).

"Quanto é a anuidade do cartão? Ele tem um valor mínimo de faturamento? Vou ter de me endividar para alcançar esse patamar? É preciso responder a diversas perguntas para ver se o modelo combina com o seu perfil", afirmou o professor. "Não basta levar em consideração o cashback oferecido."

Acompanhe sempre o desenvolvimento do contrato porque pode deixar de ser vantajoso.

"Quando os bancos têm um produto, querem atrair o cliente e fazem uma oferta, mas não significa necessariamente que vão mantê-la. O cliente que não acompanha a situação acaba perdendo", disse o especialista.

(Reportagem: Lucas Borges Teixeira; edição: Armando Pereira Filho)

Banco Central orienta sobre tipos de cartão

UOL Notícias

Mais Finanças pessoais