IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Finanças pessoais


Em que fundo investir? Veja quais tiveram melhor desempenho no 1º semestre

Vinicius Pereira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/07/2019 08h56

Como escolher um fundo de investimento para colocar seu dinheiro? Segundo a Anbima, associação das empresas do mercado financeiro, são mais de 17 mil fundos listados por bancos e instituições registrados no Brasil.

Para ajudar nessa busca, a pedido do UOL, a empresa fornecedora de informações financeiras Economatica elaborou um ranking com os fundos que tiveram melhor desempenho no primeiro semestre deste ano. Foram analisadas as três principais categorias: renda fixa, multimercados e ações. Clique aqui para baixar a tabela com os 20 melhores fundos de cada categoria.

É importante frisar que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura, mas os resultados são uma base para a escolha. Além do desempenho, especialistas afirmam que o investidor deve observar, se possível, os rendimentos desde o início do fundo, além dos riscos que cada um traz.

De acordo com a Economatica, de forma geral, os fundos de renda fixa e multimercados são melhores a curto prazo e os fundos de ações, a longo prazo.

Renda fixa tem bom resultado com títulos públicos

Os fundos de renda fixa buscam rentabilidade investindo em títulos públicos, CBDs, LCI/LCA e debêntures. É vetada a exposição em renda variável, como ações, por exemplo.

  1. O melhor desempenho do semestre entre os fundos analisados foi do BTG Pactual Tesouro IPCA Longo FI RF, com rendimento de 20,90% no período, o equivalente a 679,79% do CDI
  2. O segundo lugar foi para o Icatu Vanguarda FC FI Inflação Longa RF, com 20,49%
  3. A terceira posição ficou com o Itaú RF Juros Reais B5+ Fc FI, com 20,48% nos seis primeiros meses do ano

Os três fundos têm, como estratégia principal, investir em títulos públicos de longo prazo indexados à inflação, conhecidos como Tesouro IPCA+, segundo a Economatica.

O resultado refletiu o otimismo dos investidores com o governo de Jair Bolsonaro (PSL), ao lado da expectativa de aprovação da reforma da Previdência e, dessa forma, a possibilidade de nova redução da taxa básica de juros, a Selic.

Alta das ações auxilia fundos multimercados

Os multimercados são fundos que podem investir tanto em renda fixa (títulos públicos do Tesouro Direto, por exemplo) quanto em renda variável (ações), além de em moedas (como dólar) e até investimento no exterior.

  1. Nessa categoria, a liderança ficou com o Logos FICFI Mult, que rendeu 55,98% nos primeiros seis meses do ano, percentual que representou 1.821% do CDI
  2. Ele foi seguido pelo Tavola Absoluto FI Mult, com 20,72%
  3. Em terceiro, ficou o Itau Private Mult S&P500 Brl FICFI, com 18,99%

O ranking mostra que os primeiros lugares dos fundos multimercado tiveram grande parte de seus recursos alocados em ações brasileiras e índices norte-americanos, aliado a operações compromissadas com títulos do Tesouro Direto prefixados. Dessa forma, a alta recente dos índices acionários ajudou a terem resultado positivo.

Construção e energia impulsionam fundos acionários

Os fundos de ações são, basicamente, grupos que reúnem o dinheiro de diversos investidores e compram papéis de empresas listadas na Bolsa. Eles são comandados por um gestor profissional, que atua com auxílio de uma equipe de analistas e estuda as empresas com ações no mercado para decidir onde colocar os recursos captados.

  1. Neste primeiro semestre, de acordo com a Economatica, o fundo BB Ações Energia FI liderou o ranking, e rendeu 27,34% no período, 12 pontos percentuais acima da variação do Ibovespa, o principal índice acionário brasileiro
  2. A segunda colocação foi do BB Ações Construção Civil Fc FI, com rendimento de 25,02%
  3. Em terceiro, ficou o Dynamo Cougar FIA, que rendeu 24,72%

Os dois primeiros fundos são classificados como setoriais, ou seja, investem em empresas pertencentes a um mesmo setor da economia. No caso dos líderes, os papéis comprados pelos fundos são, na grande maioria, da distribuidora Energisa e da BR Malls.

O terceiro colocado é classificado como livre, podendo alocar seus recursos sem uma estratégia específica. Neste caso, os gestores optam por comprar ações nos EUA e, também, da construção civil no Brasil.

Metodologia

O ranking elaborado pela Economatica utilizou alguns critérios para a seleção dos fundos. Foram considerados aqueles que apresentam, no mínimo, 500 cotistas.

Foram excluídos os fundos fechados (restritos a um grupo de investidores) e também produtos com características específicas, como fundos de Previdência, FIDCs (Direitos Creditórios), imobiliários, FGTS e fundos que investem em apenas uma ação.

Em geral, os fundos dos bancos são encontrados apenas nas plataformas de investimento dessas instituições e podem não ser oferecidos para todos os clientes. Porém, você pode utilizar os dados do ranking com os melhores fundos do país para comparar o desempenho com os produtos que o banco lhe oferece.

Os fundos de gestoras independentes costumam estar disponíveis para qualquer investidor nas plataformas de investimento online das corretoras. Se você ficou interessado em algum dos produtos do ranking, pesquise na corretora onde você possui conta se o produto é oferecido.

Iniciantes na Bolsa aprendem a lidar com mercado de ações

redetv
Errata: o texto foi atualizado
Uma versão anterior deste texto informava incorretamente que o nome da gestora do fundo Logos FICFI Multi é Indie Macro Capital Ltda. O erro se encontrava na tabela disponível no link do segundo parágrafo. Na verdade, o nome da gestora mudou para Logos Gestão de Recursos Ltda. A tabela foi corrigida.

Finanças pessoais