Topo

Finanças pessoais


Você pode perder dinheiro investindo sozinho na internet; veja cuidados

Mathias Pape/UOL
Imagem: Mathias Pape/UOL

Téo Takar

Do UOL, em São Paulo

2019-04-18T04:00:00

18/04/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Crescimento das plataformas de investimento na internet popularizou o acesso a produtos que antes eram restritos a pouco investidores
  • Modelo self-service -- em que o próprio cliente escolhe em que vai aplicar -- pode representar um risco para investidor inexperiente
  • Contar com a ajuda de um profissional especializado exige ter pelo menos R$ 100 mil disponíveis para investir
  • Plataformas que dispõem de curadoria para fazer seleção prévia dos investimentos oferecidos são opção interessante para investidor
  • Robô de investimento permite pequeno investidor ter acesso ao serviço de consultoria financeira com baixo custo

O pequeno investidor tem mais opções para aplicar seu dinheiro, devido à profusão de plataformas de investimento na internet. A grande oferta de produtos tem ajudado o brasileiro a se libertar da poupança e dos investimentos pouco rentáveis oferecidos pelos grandes bancos.

Entretanto, o modelo self-service -- em que o próprio cliente escolhe em que vai aplicar -- adotado pelas plataformas pode representar um risco para o investidor inexperiente ou desatento. Por essa razão, alguns especialistas defendem que as plataformas adotem filtros mais rígidos na oferta de produtos muito arriscados para evitar que o investidor assuma riscos inadvertidamente.

Opções em que se pode perder dinheiro

Nas plataformas, há opções de renda fixa mais conservadoras e de baixíssimo risco, como CDBs, e outras bem mais arriscadas, como fundos de ações alavancados, entre outros produtos de altíssimo risco, em que se pode perder dinheiro.

Analistas falam dos riscos

"A maior concorrência de plataformas é positiva para o pequeno investidor. Ela leva a uma melhor remuneração dos investimentos. Mas buscar produtos apenas pela rentabilidade sem avaliar se ele é adequado às necessidades do investidor é muito perigoso", disse Jayme Paulo Carvalho Junior, diretor da Planejar (Associação Brasileira de Planejadores Financeiros).

"Sem orientação, o investidor corre o risco de aplicar em um produto com um risco maior do que ele é capaz de suportar. Outro problema pode ser a baixa liquidez, como aplicar em um fundo que só permite sacar depois de 60 dias", afirmou Carvalho Junior.

"O número de plataformas cresceu por causa do ambiente de juros baixos em que estamos vivendo. O investidor não consegue mais ganhar 1% ao mês em uma aplicação de baixo risco, como um CDB. Ele precisa buscar novos produtos para ganhar mais. O problema é que a maioria das pessoas não conhece o mercado financeiro e pode ter prejuízos", disse Marcello Popoff, presidente da Associação Brasileira dos Agentes Autônomos de Investimentos.

"Para o pequeno investidor, que está começando a investir e não tem acesso a assessorias especializadas, as plataformas online são uma opção interessante. Porém, é preciso ter um conhecimento básico. A grande variedade de produtos disponíveis acaba confundindo o investidor e pode levá-lo a aplicar em algo aparentemente muito rentável, mas muito arriscado, que talvez não seja adequado ao seu perfil", afirmou Popoff.

Inexperiente deve procurar ajuda profissional

Especialistas recomendam ajuda profissional para investir. O problema é que, para contratar um consultor personalizado em geral precisa ter, no mínimo, R$ 100 mil para investir. Em grandes bancos, é preciso ter pelo menos R$ 1 milhão.

quatro especialistas no mercado que podem orientar investimentos: o agente autônomo de investimentos, o planejador financeiro, o consultor financeiro e o analista de investimentos. Há limitações legais nos papéis que eles exercem e nas responsabilidades que podem assumir junto ao cliente.

Plataforma com curadoria é alternativa

O modelo de "supermercado de investimentos", lançado nos anos 2000 pela XP Investimentos, tem sofrido ajustes recentemente em outros concorrentes da corretora. Embora o modelo continue fazendo sucesso, a ideia que tem prevalecido nas plataformas criadas nos últimos meses é a da curadoria de investimentos.

"A curadoria consiste em selecionar previamente os produtos que estarão disponíveis aos clientes. A instituição responsável pela plataforma estabelece filtros. Por exemplo: incluir apenas fundos cujos gestores sejam bastante conhecidos e tenham reputação ilibada", disse Adalbero Cavalcanti, diretor da plataforma RB Investimentos.

"As plataformas democratizaram o acesso aos investimentos. Com apenas R$ 100, você já pode investir em diversos produtos. O problema é que esse pequeno investidor nem sempre percebe os riscos envolvidos. A curadoria procura direcionar esse investidor.

Plataforma pode emitir alerta de risco

Uma prática que vem sendo adotada pelas plataformas é emitir uma mensagem de alerta ao investidor quando ele escolhe um produto que não é adequado para o seu perfil de risco.

"Quando isso acontece, a plataforma dá a opção ao investidor de refazer a API [Análise de Perfil de Investidor] e verificar se seus conhecimentos sobre o mercado aumentaram ou seus objetivos mudaram. Se, mesmo após refazer o teste, o produto escolhido estiver desenquadrado, o cliente ainda poderá adquiri-lo, mas terá que aceitar um termo de ciência de risco", disse Cavalcanti.

Getty Images
Imagem: Getty Images

Robô de investimento dá consultoria barata

Se o pequeno investidor ainda se sentir inseguro em aplicar por conta própria nas plataformas "self-service", um caminho é buscar a ajuda de um "robô" de investimentos. Trata-se de um sistema automatizado que exerce o mesmo papel do consultor financeiro e ainda fica responsável por aplicar os recursos.

O cliente que busca esse tipo de assessoria cibernética preenche um questionário, informando quanto dispõe para investir, se fará novas aplicações mensais, quanto tempo pretende deixar o dinheiro aplicado e quais os planos para uso dele, como uma viagem ou a aposentadoria.

A partir das respostas dadas, um programa define como os recursos devem ser investidos e cuida de toda a parte operacional, realizando as aplicações e resgates nas datas previstas. É possível aplicar a partir de R$ 1.000 por esse modelo. Há cobrança de uma taxa pelo serviço, que varia de 0,4% a 1,0% ao ano sobre o montante investido.

Se não sabe responder a estas 5 questões, será muito difícil ficar rico

UOL Notícias

Mais Finanças pessoais