IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Cotações


Até onde vai o dólar? Tendência é desacelerar, mas sem cair abaixo de R$ 4

João José Oliveira

do UOL, em São Paulo

26/11/2019 16h03

Resumo da notícia

  • Juros baixos e economia fraca justificam dólar acima de R$ 4,00, mas pico desta semana foi exagerado
  • Tem menos aplicador estrangeiro vindo investir no Brasil por causa de juros baixos que pagam rendimento menor
  • Se economia brasileira ganhar força, produção vai atrair investimentos estrangeiros, aumentar oferta de dólares e favorecer real

O dólar vem atingindo valores recordes e chegou a encostar em R$ 4,28. Será que esta tendência de alta deve continuar? Ou o dólar deve cair nos próximos dias?

Segundo especialistas de mercado ouvidos pelo UOL, o dólar vai desacelerar e recuar para perto da faixa entre R$ 4,10 e R$ 4,20 nos próximos dias.

Para eles, até existem fatores a favor de uma moeda americana valorizada, acima dos R$ 4, mas a fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, acabou detonando uma situação de estresse exagerada. Guedes afirmou que o país deve se acostumar com dólar alto e juros baixos e que um equilíbrio do câmbio seria "mais para cima".

Tema é sensível

Para o economista-chefe do banco digital Modalmais, Alvaro Bandeira, o ministro respondeu de forma seca às preocupações do mercado com a piora das contas externas.

Ontem, o Banco Central informou que o déficit em transações correntes —saldo do que entra e sai de moeda estrangeira no país— atingiu US$ 7,8 bilhões em outubro, pior resultado para o mês desde 2014. No ano, o déficit já atinge US$ 45,6 bilhões, rombo 41% maior que no mesmo período do ano passado.

"O que ministro quis dizer é que o câmbio não assusta, porque o Brasil está numa fase de recuperação e, portanto, logo mais vai ter mais exportação, e também vai haver mais investimentos diretos", afirmou Bandeira. "O problema é que ministro de Economia não deve falar sobre câmbio, porque é um tema sensível", disse.

Para ele, o dólar não deve chegar a R$ 4,30 e tende a recuar depois que passar o estresse desta semana. "O Banco Central não vai deixar", disse Bandeira. De fato, o BC atuou hoje, ofertando moeda americana no mercado para tentar conter a alta do dólar.

Dólar abaixo de R$ 4?

Porém, não espere dólar abaixo de R$ 4, segundo os profissionais de mercado. Os juros baixos e a economia ainda fraca devem manter fraco o fluxo de recursos estrangeiros para o Brasil por algum tempo.

O responsável pela mesa institucional da Genial Investimentos, Roberto Motta, disse que os juros em níveis historicamente baixos, a atividade econômica no Brasil ainda frágil, além de incertezas na economia global por causa da guerra comercial entre Estados Unidos e China estão diminuindo a entrada de dólares no Brasil, o que encarece o preço da moeda americana ante o real.

"No mundo dos mercados financeiros, os investidores estrangeiros que estavam acostumados a aplicar no Brasil já não veem mais tanta vantagem em aplicar na nossa renda fixa", afirmou. Assim, entram menos dólares, que antes vinham para cá atrás das aplicações em títulos do governo, por exemplo.

Além disso, disse Motta, as empresas brasileiras estão tomando mais crédito em reais, no mercado doméstico, com emissão de debêntures, por exemplo, em vez de pegar financiamento em dólares no exterior.

Dólar ajuda exportadores

Para o professor de Economia do Ibmec-SP Walter Franco, o dólar em patamares ao redor de R$ 4,20 é, de certa forma, conveniente para o Brasil porque favorece as exportações. Com a moeda americana valorizada, os produtos brasileiros têm mais condições de ganhar mercado no exterior.

"O problema maior é o desempenho da balança comercial, mais fraco que o esperado", disse o economista, destacando o saldo da balança comercial em outubro, o pior em cinco anos.

Para Franco, um problema do dólar alto e acima de R$ 4,20 por muito tempo seria a inflação. A moeda americana pode encarecer matérias-primas e insumos usados na indústria e, assim, levar a uma alta nos preços. "Mas a inflação está abaixo do centro da meta, então, não é um problema neste momento", afirmou.

O economista disse que os juros baixos vão estimular a retomada da economia, e isso vai atrair investimentos estrangeiros nos próximos meses. Isso vai representar maior entrada de dólares, o que vai levar a um novo equilíbrio do câmbio no país, disse Franco. "Por isso, vejo como positivo se o Banco Central deixar o câmbio se ajustar de forma natural", afirmou o professor do Ibmec-SP.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Cotações