PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Previdência privada perde até 41% no ano com coronavírus; o que fazer?

João José Oliveira

do UOL, de São Paulo

13/04/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Perdas na Bolsa e em títulos de renda fixa afetam carteiras de previdência privada em 2020
  • Tombo maior na Bolsa atinge mais quem buscou ativos de maior risco, como fundos de ações e multimercados
  • Profissionais de mercado dizem que aplicador deve aguardar poeira baixar antes de decidir por mudanças no plano

As perdas que as Bolsas e mesmo os títulos de renda fixa apresentam no primeiro trimestre deste ano assustam investidores que têm dinheiro da aposentadoria aplicado em planos de previdência privada. Em algumas modalidades, o prejuízo chega a 41% só neste ano. Embora esse tipo de investimento seja de longo prazo, o receio dos participantes é que o futuro seja comprometido de alguma forma. O UOL falou com especialistas, que dizem o que fazer agora e depois que passar a crise.

Gestores de recursos e consultores dizem que esses planos podem ter o desempenho comprometido em 2020, mas destacam que esse tipo de produto tem horizonte de resgate no longo prazo. Por isso, afirmam, o mais recomendado é manter o dinheiro nas carteiras para dar tempo para uma recuperação. E, passada a turbulência, fazer ajustes pontuais depois, se necessário.

Entre os 27 tipos de fundos de previdência, segundo a classificação Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), 18 deles estão com variação negativa em 2020, até o dia 25. Mas no acumulado em 12 meses, o número dos fundos com perdas diminui: cai para oito. Veja abaixo o desempenho de alguns dos produtos que têm mais recursos nesse segmento.

Menos dinheiro para renda variável

Para gestores, a migração de recursos dos aplicadores da renda fixa para a renda variável, que vinha ocorrendo desde 2019, deve perder força este ano por causa das perdas registradas na Bolsa, principalmente. "Acredito que no curtíssimo prazo o fluxo para ativos de risco deve diminuir. Estamos talvez no ápice da aversão ao risco, com o investidor procurando ativos mais seguros", afirma o diretor financeiro da Brasilprev, Jorge Ricca, que responde pela maior empresa de previdência privada do país, com R$ 295,5 bilhões de ativos sob gestão, de 2,2 milhões de clientes.

De fato, os fundos de previdência registram em março um resgate líquido (aplicações menos resgates) de R$ 78,5 milhões. Em março, o patrimônio dessas carteiras diminuiu em 3%, para R$ 937,5 bilhões. A maior retração proporcional ocorreu nos fundos de ações - indexados e ativos -, cujo patrimônio recuou 26%, de R$ 26,1 bilhões para R$ 19,3 bilhões.

Investidor deve evitar sacar agora

"A gente teve em 2019 um pouco de efeito manada, com muitos investidores que estavam em renda fixa buscando um ganho rápido na Bolsa. O que a gente vê agora é que alguns clientes ficaram decepcionados com a decisão que tomaram", afirma o sócio diretor da Prevue Consultoria, Geraldo Magela.

Segundo ele, o desafio dos gestores neste momento é acalmar os aplicadores para quem não saiam mudando a aplicação no pior momento de nervosismo. "A recomendação é esperar e não realizar o prejuízo", afirma o profissional que atua nesse mercado há mais de trinta anos.

O gestor de fundos de investimentos da Daycoval Asset, Anad Kishore, vai na mesma linha. Para ele, em momentos de turbulência, a melhor atitude é esperar para poder observar como o cenário macroeconômico será estabilizado e, a partir daí, reformular a carteira de previdência.

O que fazer após a poeira baixar

A planejadora financeira da Planejar, Mariestela Gorayb, diz que os investidores podem rever suas aplicações, mas com atenção a eventuais custos que esse tipo de ajuste pode ter. "O primeiro passo que o participante de um plano de previdência privada deve ter antes de qualquer mudança é analisar o desempenho de cada fundo em que seus recursos estão aplicados", afirma ela.

Os planos de previdência privada investem os recursos de cada participante em mais de um produto - fundos de renda fixa, de ações ou multimercados, ou ainda de moedas - conforme o perfil de cada pessoa. "O investidor deve olhar qual é o fundo que está atrapalhando o desempenho da carteira no total", afirma Mariestela Gorayb.

Mudanças que podem ser feitas

Mudança de fundos dentro do próprio plano: O participante pode alterar os fundos, dentro de um mesmo plano, nos quais o dinheiro está aplicado, sem nenhuma penalidade, conforme explica o diretor financeiro da Brasilprev, Jorge Ricca. Basta conversar com o gestor e ver qual produto faria mais sentido para ele naquele novo momento.

Portabilidade: Se o investidor estiver insatisfeito com o desempenho de sua carteira como um todo, pode pedir a portabilidade de seu plano de previdência, transferindo os recursos para outra empresa gestora. Essa é uma mudança que requer do investidor uma pesquisa de mercado para comparar o desempenho de seu produto com os demais que existem disponíveis.

Adiar o resgate: Para quem está próximo de usufruir dos recursos de aposentadoria, o resgate pode ser adiado, caso o participante queira dar mais tempo para que a poupança dele possa recuperar parte das perdas que foram apuradas neste primeiro trimestre. Esse tipo de mudança pode ser realizado sem custos para o participante.

Antecipar o resgate: O participante pode optar por retirar os recursos de um plano de previdência antes do prazo acordado no contrato com a gestora. Mas nesse caso a possibilidade de que haja um custo extra é maior, especialmente por causa da tributação. Isso porque a alíquota do Imposto de Renda é decrescente conforme o prazo de aplicação.

Além disso, nos planos de previdência é comum a aplicação dos recursos em ativos que têm vencimento no longo prazo, como títulos do Tesouro, alguns com resgate marcado para daqui a 35 anos. Sacar recursos antes do vencimento desses ativos significa abrir mão de uma parte do rendimento.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Finanças pessoais