PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Finanças pessoais

Prata é opção para investir com crise e juro baixo, e subiu menos que ouro

João José de Oliveira

Do UOL, em São Paulo

23/09/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Prata segue passos do ouro em movimento de ganhos para investidor
  • Prata ainda não bateu recordes históricos de preço, como aconteceu com o ouro
  • Profissionais de mercado apontam vantagens e desvantagens de se investir na prata neste momento
  • Veja opções para se investir em prata no Brasil

No mundo dos esportes, a prata é associada ao gosto amargo de quem quase foi campeão. Mas no mundo dos investimentos, esse metal desponta nesse semestre como opção de valorização até maior que a do ouro.

Segundo profissionais de mercado, a prata teve na última década uma valorização menor que a do ouro e, por isso, apresenta potencial de acelerar os ganhos. Veja abaixo as semelhanças e diferenças entre a prata e o ouro, e os prós e contras do metal como forma de aplicação.

Prata como ativo de segurança

A prata funciona no mundo dos investimentos da mesma forma que o ouro. É um ativo considerado como reserva de valor para momentos de incertezas ou instabilidades políticas ou econômicas. E o ano de 2020 tem sido marcado por um elevado grau de incerteza. O impacto da pandemia do novo coronavírus sobre a economia afetou o emprego e o consumo das famílias e as vendas e a produção das empresas.

Para enfrentar a crise, governos em todo o mundo reduziram os juros e lançaram programas de renda para as pessoas e de crédito para as companhias. Segundo o FMI (Fundo Monetário Internacional), mais de US$ 10 trilhões já foram utilizados nessas ações. No Brasil, a situação é a mesma, com o governo gastando mais de R$ 700 bilhões em programas de auxílio emergencial e a taxa básica de juros em 2% ao ano, fazendo com que aplicações em renda fixa, como poupança e fundos DI, rendam menos que a inflação.

"Esse aumento de dinheiro em circulação pode provocar inflação no futuro", afirma o estrategista internacional da XP Guilherme Giserman. "Ninguém sabe se vai vir uma consequência e quando vai vir, mas o melhor que se pode fazer é ter proteção contra possíveis eventos. E a prata é reserva de valor", diz, destacando que os juros baixos afetaram ganhos de aplicações em renda fixa.

No rastro do ouro

Essa combinação de incertezas sobre a economia, juros muito baixos, muito dinheiro em circulação e medo de inflação no futuro já vem alimentando a procura dos investidores pelos ativos considerados reserva de valor.

Mas enquanto o ouro já bateu este ano seu recorde histórico, ao superar os US$ 1.944 a onça troy (cerca de 31g), de setembro de 2011, e opera atualmente na casa dos US$ 1.900, a prata, cotada hoje na casa de US$ 25 a onça troy, está mais afastada do pico, de US$ 50, batido há nove anos.

Assim, dizem gestores de recursos, a prata está atrasada em relação ao ouro em termos de espaço para valorização. Esse é um dos motivos pelos quais profissionais de mercado que operam commodities avaliam que a prata tenha um potencial de valorização maior que o ouro. Veja abaixo outros motivos apontados.

Outras características da prata

Utilização industrial: Diferentemente do ouro, cuja utilização é praticamente dedicada à reserva de valor ou joalheria, a prata tem cerca de 50% de sua produção mundial —cerca de 27 mil toneladas por ano — destinada à indústria. Outros 25% vão para joalheira e o restante, para investimentos. A maior parte da utilização da prata na indústria ocorre em atividades econômicas que estão em crescimento, como por exemplo 45% para o setor de eletrônicos, desde aparelhos celulares a fornos micro-ondas, de acordo com o Silver Institute, e outros 20% para o setor de energia, como elemento condutor usado na geração eólica, em franca expansão no planeta.

Escassez: Estima-se que o esgotamento das reservas (560 mil toneladas) ocorra em aproximadamente 20 anos, caso não sejam encontradas novas fontes, segundo o USGS (United States Geological Survey, instituição de pesquisas dos Estados Unidos).

Modelo de extração: A extração da prata ocorre de forma associada à exploração de outros metais. Cerca de 60% de sua extração é subproduto do processamento de cobre, zinco e chumbo. Assim, uma menor procura por esses outros metais afeta diretamente a oferta da prata no mercado.

Como investir em prata

A prata pode ter hoje mais motivos para se valorizar que o ouro, como apontam profissionais do mercado de commodities, mas na hora de aplicar o dinheiro a situação muda. É que para o investidor brasileiro há mais opções para se investir em ouro que na prata. Veja abaixo as opções.

1. Ativo físico: É possível comprar a prata física, em estabelecimentos especializados, como bancos e corretores de metais preciosos. A aquisição usualmente é de barras conhecidas como prata 999 (por terem 99,9% de grau de pureza), mas há menos casas que trabalham com a prata na comparação com as que oferecem ouro.

Há investidores que também compram moedas de prata, que permitem a negociação de uma quantidade menor do ativo. Nos dois casos, é fundamental a checagem da reputação do vendedor. E, ainda, há a questão da segurança, pois é arriscado manter ativos valiosos sob a própria guarda.

2. Contratos em Bolsa: Diferentemente do ouro, a prata não tem negócios em Bolsa no Brasil. Para adquirir prata na Bolsa à vista ou contratos futuros, o investidor tem que ter conta em uma corretora no exterior que negocie esse ativo. É possível, mas implica custos e burocracia que dificultam a transação, especialmente para pequenos investidores.

3. Fundos de investimento: A valorização da prata e o maior interesse pelo metal levou gestores no Brasil a lançarem fundos de investimento que, de alguma forma, acompanham o preço da prata.

A gente tem o ouro como reserva de valor. Mas como todos compraram ouro, que chegou a um recorde dada a demanda, a gente começou a procurar quais seriam as alternativas. E vimos que a prata estava mais longe do topo dela.
Rodrigo Knudsen, gestor da Vitreo

A gestora Vitreo lançou o Fundo Vitreo Prata FIM, que compra ETFs (fundos de investimento que têm cotas negociadas em Bolsa como se fosse uma ação) que investem em contratos de prata no mercado internacional, como os negociados na Bolsa de Chicago. Até 20% dessa carteira está investida em contrato de prata, e o restante são contratos futuros de alguma forma atrelados às variações da prata. Esse fundo tem investimento mínimo inicial de R$ 1.000 e taxa de administração de 0,25% ao ano sobre o valor investido.

4. COE: Outra opção que apareceu no mercado brasileiro para investimento relacionado à prata é o COE (Certificado de Operações Estruturadas), aplicação que combina investimentos de renda fixa com renda variável, de tal forma que o investidor consegue apostar em ativos arriscados, como a prata, tendo a garantia de que não vai perder mais do que a aplicação inicial e, ainda, ter uma ideia prévia de quanto poderá faturar após um determinado período de tempo.

O COE permite acessar o retorno do metal lá no exterior sem ter que enviar dinheiro para fora, é uma aplicação com tíquete inicial baixo e tem capital protegido. Se tudo der errado, você não perde dinheiro.
Maria Tereza Kattar, especialista em COE da XP

O COE Prata do BTG Pactual tem aplicação inicial de R$ 5.000 e prazo de cinco anos e meio. O aplicador não pode sacar antes para ter as condições de retorno mantidas.

Pelas regras desse COE, o investidor terá um retorno conforma a variação da prata. No máximo, se a prata subir mais de 120% até 2026, o aplicador receberá um ganho de 100% do aplicado. Se a prata subir 30%, o COE vai dar ao aplicador 90% de ganho. Se a prata se desvalorizar até 2026, o investidor recebe de volta o que aplicou, mas sem correção.

Nesse tipo de produto, o investidor assume o risco de crédito do emissor do COE. Ou seja, se a instituição financeira emissora do COE quebrar, o aplicador fica sem o dinheiro investido.

Quanto investir em prata?

Gestores de recursos dizem que ativos de risco como ouro e prata devem compor uma parte pequena da carteira, como forma de diversificação. Nenhum dos profissionais ouvidos pelo UOL para essa matéria sugeriu mais de 10% nesse tipo de aplicação.

Para pessoas que já têm ativos semelhantes, como o ouro, a prata pode ser uma forma de diversificar as aplicações voltadas para proteção de valor.

Onde ver preços da prata

Por não ter contratos negociados na Bolsa aqui no Brasil, a forma mais fácil de acompanhar o valor da prata é por meio de sites, plataformas de investimento e de instituições financeiras que apresentam as cotações no mercado internacional para os negócios à vista (spot) e futuro da prata.

Um dos mercados mais movimentados da prata é o da Bolsa de Chicago. Uma onça de prata (cerca de 31g) custa cerca de US$ 26,50, enquanto o mesmo peso de ouro vale mais de US$ 1.900.

Finanças pessoais