PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

5 investimentos que rendem mais que a poupança e podem ser mais seguros

Conheça aplicações que rendem até 4% mais do que a poupança hoje e têm menos riscos - IltonRogerio/iStock
Conheça aplicações que rendem até 4% mais do que a poupança hoje e têm menos riscos Imagem: IltonRogerio/iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Sílvio Crespo

Sílvio Crespo é sócio do Grana, aplicativo que automatiza o IR de investimentos na Bolsa. Como jornalista de economia, ganhou diversos prêmios, inclusive o de melhor blog de economia do Brasil, concedido pela Case New Holland, pelo antigo blog Achados Econômicos, no UOL. Paralelamente, hoje cursa psicologia na USP.

22/04/2022 04h00

Quer sair da poupança, mas não sabe onde investir? Pensando justamente nessa questão e em algumas outras perguntas que recebi na minha conta do Instagram, apresento abaixo cinco opções para quem quer sair da caderneta.

Vale lembrar que o rendimento da caderneta de poupança está atualmente em 6,17% ao ano. Porém, outras aplicações —em alguns casos com risco até mais baixo do que a queridinha dos brasileiros— oferecem um retorno de até 10,4% ao ano.

Confira abaixo uma lista com apenas investimentos de risco baixo e fáceis de aplicar. Você já pode começar hoje mesmo, literalmente.

1. Fundos DI: a partir de 8,6% ao ano

Para quem tem conta apenas em bancos tradicionais, a forma mais fácil de sair da poupança é aplicando em um tipo de investimento chamado fundo DI.

Por curiosidade, DI é a sigla de Depósito Interfinanceiro, mas não recomendo tentar entender pelo nome —ao menos por enquanto. O importante é saber que os fundos DI têm um rendimento bruto muito próximo ao da taxa básica de juros, a Selic, que está hoje em 11,75% ao ano.

Nos bancos Itaú, Banco do Brasil, Bradesco e Santander há fundos com taxa de administração abaixo de 0,7% ao ano e investimento inicial mínimo de menos de R$ 10. Com isso, você consegue um rendimento a partir de 8,6% ao ano.

Já na Caixa Econômica Federal, nesse nível de investimento inicial mínimo, a taxa de administração mais baixa que encontrei foi de 1,5% ao ano. Mesmo assim, o retorno líquido do fundo ficaria em 7,9% ao ano, acima dos 6,17% da poupança.

Se você tem conta na Caixa, sugiro que pergunte ao gerente se ele consegue uma taxa de administração menor para você. Atualmente, não há justificativa para uma taxa tão alta —a não ser o fato de o cliente não pechinchar.

Portanto, se você quer uma rentabilidade maior que a da poupança, em uma aplicação de risco baixíssimo e com liquidez diária (possibilidade de resgate parcial ou total a qualquer dia), basta verificar qual é o fundo DI com menor taxa de administração do seu banco.

Os fundos DI sempre têm essa sigla no próprio nome. Além disso, eles podem ter no nome a palavra "Referenciado" ou a abreviatura "Ref".

2. Tesouro Selic: a partir de 9% ao ano

O Tesouro Selic tem um risco ainda mais baixo do que a poupança e rende mais. Rende mais, inclusive, do que os fundos DI, pois não há taxa de administração sobre esse ativo na maioria das instituições financeiras.

Atualmente, o Tesouro Selic está com uma rentabilidade a partir de 9% ao ano, já descontado o Imposto de Renda (IR).

Esse tipo de investimento também pode ser resgatado a qualquer momento, sem risco de prejuízo. Porém, quanto mais tempo o dinheiro ficar aplicado, menor será o imposto e, consequentemente, maior será o rendimento líquido.

Em relação aos fundos DI, o Tesouro Selic é um pouco menos prático. Em alguns casos, pode-se exigir do cliente alguma burocracia ao aplicar pela primeira vez. Além disso, se você solicitar um resgate após às 13h, só conseguirá receber o dinheiro no dia seguinte.

3. Conta corrente remunerada: em torno de 9% ao ano

Existem hoje contas digitais que são remuneradas sem você precisar fazer nada. É o caso do PagBank e o Nubank, por exemplo.

Em ambos os casos, o rendimento bruto é próximo da taxa Selic, assim como ocorre com o Tesouro Selic. Portanto, o seu retorno tende a ficar em torno de 9% ao ano.

4. Tesouro IPCA+: o rendimento varia

Até agora falei apenas de aplicações que permitem o resgate a qualquer momento sem risco de prejuízo. Esse tipo de investimento é ideal para guardar a sua reserva de emergência e o dinheiro do dia a dia.

Porém, se você quer investir a longo prazo, tende a valer mais a pena uma aplicação como o Tesouro IPCA+. Trata-se de um título do Tesouro Direto que rende a inflação e mais uma taxa.

Por exemplo, o Tesouro IPCA+ 2026 rende o IPCA (principal índice de inflação do país) mais 5,34%. Caso o IPCA fique, por exemplo, em 7% ao ano, o rendimento bruto ficará em 12,7% ao ano, e o líquido (descontado o IR), em 10,8%.

Talvez você esteja se perguntando: "Mas e se a inflação for mais alta que isso? E se ela for mais baixa? Quanto vou ganhar?". Sinceramente, não vale a pena ficar tentando adivinhar quanto vai ser a inflação. O Tesouro IPCA+ é para quem quer aumentar as chances de não perder para a inflação, seja ela qual for.

Se você estiver preocupado em prever a inflação, para saber qual será o seu rendimento exato, existe uma opção mais indicada, que é o Tesouro Prefixado (veja mais abaixo).

Mas guarde esta informação importante: no Tesouro IPCA+, você pode ter prejuízo se resgatar o dinheiro antes da data de vencimento do título. Antes de investir, pergunte na sua corretora qual é o prazo do título.

5. Tesouro Prefixado: a partir de 10,3% ao ano

O Tesouro Prefixado, como sugere o nome, é um título do Tesouro Direto cujo rendimento exato você já conhece antes mesmo de investir. Atualmente, esse ativo está com um rendimento líquido a partir de 10,3% ao ano.

Aqui, vale a mesma observação que fiz sobre o Tesouro IPCA+: se você resgatar antes do prazo, pode perder parte do valor investido.

Para garantir que não terá prejuízo, pergunte na sua corretora qual é a data de vencimento do ativo. Trata-se de um investimento de longo prazo.

Resumindo

Para ficar mais fácil a sua decisão, veja esse resumo das principais características de cada investimento citado:

  • Fundos DI: rendem hoje a partir de 8,6% ao ano (ou 7,9% na Caixa) e podem ser resgatados a qualquer momento, sem chance de prejuízo;
  • Tesouro Selic: rende hoje a partir de 10,81% ao ano (líquido) e pode ser resgatado em até um dia útil, sem chance de prejuízo;
  • Conta remunerada: rende uma taxa próxima à do Tesouro Selic e pode ser resgatado a qualquer momento, sem chance de prejuízo;
  • Tesouro IPCA+: rende hoje a partir de inflação mais 5,34%, mas pode dar prejuízo se resgatado antes do vencimento;
  • Tesouro Prefixado: rende hoje a partir de 10,3% ao ano, mas pode dar prejuízo se resgatado antes do vencimento.

Alguma dúvida?

Ficou alguma dúvida sobre este texto ou sobre investimentos em geral? Envie pela caixinha de perguntas da minha conta no Instagram. Sua questão pode se tornar tema desta coluna no futuro.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.