PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Hering e MRV: duas ações que merecem atenção hoje

Hering: empresa de moda rejeitou oferta de compra de rival, o que levou as ações a dispararem - Divulgação
Hering: empresa de moda rejeitou oferta de compra de rival, o que levou as ações a dispararem Imagem: Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Bevilacqua

16/04/2021 08h46

Hoje analisamos as repercussões da tentativa de aquisição da Hering (HGTX3) pela Arezzo (ARZZ3) e a prévia operacional de uma gigante da construção civil: a MRV (MRVE3).

A negação da Hering fez com que suas ações disparassem e a MRV apresentou forte expansão, mas também queimou caixa.

O UOL Economia tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

Confira a seguir a análise de Felipe Bevilacqua, analista e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento. Todos os dias, Belivacqua traz notícias e análises de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimentos. Este conteúdo é exclusivo para os leitores de UOL Economia+. Conheça os recursos do serviço de orientação financeira UOL Economia+, para quem quer investir melhor.

HERING (HGTX3) rejeita proposta da AREZZO (ARZZ3)

A Hering (HGTX3) comunicou ao mercado, na última quarta-feira (14/04), que seu Conselho de Administração rejeitou uma proposta de combinação de negócios feita no dia 7 pela Arezzo & Co. (ARZZ3).

A oferta previa um pagamento em dinheiro de R$ 1,29 bilhão pela Arezzo e uma troca de ações, totalizando R$ 3,28 bilhões. Um prêmio de 18,3% em relação ao atual valor de mercado da Hering, que segue em patamares bem abaixo dos negociados em 2019.

Ao tornar pública a rejeição da oferta, a Hering sinaliza que pode haver interessados externos dispostos a pagar um prêmio maior. A empresa está em processo de melhoria e de integração total de suas operações com o e-commerce e lojas físicas e já começando a apresentar resultados relevantes.

A Arezzo, por sua vez, está em seu melhor momento desde o seu IPO. Incorporou recentemente a Reserva, marca de vestuário masculino, movimento que foi bem recebido pelo mercado, com forte alta nos preços das ações. A incorporação da Hering, com complementaridade sobretudo no segmento feminino, oferece a possibilidade de ampliar o alcance do público da Arezzo, que quer se transformar numa plataforma de marcas no setor de moda em geral.

Para a Hering, seria uma injeção de ânimo na gestão, com o complemento da disciplina já conhecida dos Birman, além de sinergias pelas operações em regiões próximas (no Sul). Como ambas teriam a ganhar, é possível que surja uma contraproposta para viabilizar a transação, mirando o longo prazo. As ações de ambas as empresas fecharam em forte alta ontem (28,13% no caso da HTX3 e 8,35% na ARZZ3), na esteira do otimismo em torno da possível.

MRV (MRVE3): prévia operacional

Os números da prévia operacional do primeiro trimestre do ano divulgados ontem (15) pela MRV vieram mistos, com resultados sólidos em lançamentos, porém maior queima de caixa no período.

A companhia apresentou queda de 3,2% de seu Valor Geral de Vendas (VGV) no ano contra ano, registrando R$ 1,6 bilhão. Quando analisado o preço médio por unidade vendida, a alta foi de 5,0%, contabilizando R$ 167 mil reais. No caso dos lançamentos, a MRV apresentou forte expansão, com alta de 58,0% no período, somando R$ 1,7 bilhão. Por unidade, essa alta foi de 6,2%, registrando R$ 171 mil. A companhia ainda ressaltou que este foi o maior volume de lançamentos em um primeiro trimestre na história do grupo.

O maior crescimento (56,9%) veio nos lançamentos do segmento de baixa renda, além de um acréscimo de R$ 12 milhões com a marca Urba. Ademais, a MRV ainda lançou seu primeiro empreendimento para segmento médio, com a marca Sensia, cujo valor foi de R$ 108 milhões, registrando 33% das unidades vendidas no trimestre.

Como ponto negativo, verificamos aumento no consumo de caixa somando R$ 360 milhões no trimestre. A razão é a antecipação de compra de materiais de construção para se antecipar a uma alta no custo da matéria-prima, além da expansão das operações da marca AHS.

Apesar de mais lançamentos, a MRV decepcionou no consumo de caixa, muito maior que o previsto. A expectativa é de impacto levemente negativo nas ações MRVE3 para o curto prazo.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL