PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Lucro da CPFL cresce com aumento de tarifas na conta de luz

Conteúdo exclusivo para assinantes

Rafael Bevilacqua

16/05/2022 08h36

Hoje comentaremos os resultados do CPFL Energia referentes ao primeiro trimestre de 2022, quando a receita da companhia foi favorecida pela adoção da bandeira de escassez hídrica, uma taxa extra na na conta de luz.

Confira a seguir o comentário de Rafael Bevilacqua, estrategista-chefe e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento, sobre o tema. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e avaliações de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimento. Este conteúdo é acessível para os assinantes do UOL. O UOL tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

CPFL tem lucro 20,9% maior com bandeira de escassez hídrica

A CPFL Energia (CPFE3) divulgou seus resultados referentes ao primeiro trimestre de 2022 na última quinta-feira (12).

A empresa reportou números robustos, com as principais linhas de seu demonstrativo vindo acima das expectativas.

A receita operacional líquida consolidada da companhia totalizou R$ 8,3 bilhões, crescendo 7,6% na comparação com o primeiro trimestre de 2021. A alta foi motivada, principalmente, pelo avanço de 19,1% no segmento de distribuição de energia, favorecido pela adoção da bandeira de escassez hídrica no trimestre.

A receita obtida no segmento de geração, por sua vez, cresceu 8,2%. O aumento é explicado pelos reajustes contratuais ligados à inflação, assim como pela melhora da hidrologia no período. No segmento de transmissão, temos ainda a contribuição da consolidação da CPFL Transmissão, antiga CEEE-T, adquirida pela companhia em julho de 2021.

No que se refere às despesas operacionais do trimestre, a CPFL reportou um aumento no seu PMSO (Custos com pessoal, material, serviços e outros) de 12,6%, totalizando R$ 856 milhões. O aumento das despesas decorre, essencialmente, dos aumentos de 13,2% do custo de pessoal e de 66,8% da provisão para devedores duvidosos, em função da intensa deterioração do cenário macroeconômico.

Como consequência dos resultados, a companhia reportou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 2,6 bilhões no período, número 34,4% superior ao reportado no mesmo intervalo no ano anterior.

Por fim, o lucro líquido da empresa ficou acima do esperado, somando R$ 1,2 bilhão, o que corresponde a um crescimento de 20,9% com relação ao primeiro trimestre de 2021.

Cabe ressaltar a aprovação do pagamento adicional de dividendos no valor de R$ 3,7 bilhões, anunciado pela companhia em 29 de abril. Tal montante equivale a R$ 3,24 por ação. O pagamento foi dividido em três parcelas, com a primeira delas já tendo ocorrido em 11 de maio, no valor de R$ 1,1 bilhão.

Na sexta-feira (13), as ações da CPFL fecharam em alta de 3,77%, cotadas a R$ 35,20.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.