PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Investimentos

Carteira Recomendada

Toda semana especialistas avaliam as carteiras de investimento recomendadas para seu perfil: conservador, moderado ou arrojado


XP e Itaú, o divórcio do ano: como você pode ganhar dinheiro com ele?

Foi o Itaú que pediu o divórcio para a XP; veja como ganhar dinheiro com isso - Divulgaçao/Itaú Unibanco
Foi o Itaú que pediu o divórcio para a XP; veja como ganhar dinheiro com isso Imagem: Divulgaçao/Itaú Unibanco
Conteúdo exclusivo para assinantes

Do UOL, em São Paulo

01/09/2021 04h00

Agosto foi um mês de muitas separações entre famosos. No mercado financeiro, o divórcio do ano já era esperado e, ao contrário das brigas entre casais, é possível ganhar dinheiro com a cisão entre XP e Itaú, segundo Felipe Bevilacqua, analista da Levante Ideias de Investimentos.

Em 2017, o Itaú (ITUB4) comprou uma participação relevante de 49,9% do capital social da corretora XP (NASDAQ: XP). Na época, a corretora valia pouco mais de R$ 12 bilhões. Hoje, o valor de mercado da corretora é de mais de R$ 140 bilhões. Em novembro de 2020, o Itaú anunciou a decisão de separar as empresas, alegando uma decisão estratégica para o banco. Entenda abaixo o caso, e veja como ganhar dinheiro com essa cisão.

A separação tem data

Após quase um ano da divulgação da separação, o processo de cisão já tem data para chegar ao fim. A XPart (companhia criada pelo Itaú, que detém a participação do total do banco na XP) divulgou que a cisão acontecerá no dia 01 de outubro de 2021.

O que o acionista precisa saber?

"A participação do banco na corretora será distribuída aos acionistas do banco, que terão direito a receber BDRs da corretora", explica Bevilacqua. Isso porque a XP não tem capital aberto na Bolsa brasileira, apenas na Bolsa eletrônica dos EUA, a Nasdaq. Então, o investidor vai receber BDRs —que são certificados que representam as ações da empresa na Bolsa norte-americana.

Isso acontecerá da seguinte maneira: para cada 43,3128 ações do Itaú, o acionista terá direito a um BDR da corretora XP.

Em uma simulação, considerando um lote de 1.000 ações do Itaú, o investidor do banco receberá 23,0879 BDRs da XP.

Quanto dá para ganhar nesse divórcio?

Para que entender quanto isso representa em dinheiro, Bevilacqua fez as contas, considerando 1.000 ações do Itaú e cotações do Itaú, XP e dólar do dia 30 de agosto deste ano.

Nesse caso, para cada ação do Itaú (ITUB4), o acionista terá um ganho financeiro de R$ 5,85 ou 19,2%.

O que a Itaúsa tem a ver com isso?

A Itaúsa detém 37,7% do capital social do Itaú, isso representará cerca de 15,1% de participação da XP. A holding já comunicou não ter intenção de se desfazer da sua participação na corretora, que será incorporada em seu portfólio de "investidas".

Nesse caso, os acionistas da Itaúsa não receberão, de forma direta, os BDRs da XP.

Na prática, a separação vai gerar um desconto nas ações de Itaúsa.

"Se levarmos em conta o incremento no valor do portfólio que a XP proporcionará para a Itaúsa, o desconto de holding, nos valores do último fechamento dos ativos, salta para mais de 30%. A ideia aqui é que, após a efetivação da transação, o mercado naturalmente realize o fechamento desta lacuna no desconto", afirma o analista.

"Assim, podemos estimar um potencial de valorização de 17,1%, sem considerar as projeções de valor justo das participações de Itaúsa daqui em diante. Diferentemente da má precificação da XP dentro do Banco Itaú, a Itaúsa já é precificada de acordo com a oscilação de suas participações, o que tende a anular as distorções que ocorreram com o Itaú no passado", afirma.

Quer ver todos os cálculos feitos pelo analista? Você pode acessá-los aqui.

"Diante desse cálculo, mantenho-me bastante otimista com a tese de investimento em Itaúsa. A volta do nível de capital regulatório permitirá ao Itaú distribuir dividendos acima dos 25% mínimos. A holding seguirá sendo uma excelente opção para o investidor com foco em dividendos, agora com um evento claro de potencial de ganhos com a valorização das ações (ITSA4)", diz.

O analista reforça as empresas recomendadas aos assinantes do UOL. Para quem ainda não pegou as recomendações de investimentos, elas estão aqui. O investidor deve considerar que Magalu sai das carteiras e é substituída pela Via —ex-Via Varejo. Além disso, agora, a Raízen entra na lista das indicações.

- Carteira quem não aceita risco algum;

- Carteira para quem tem perfil mais conservador, mas aceita um pouquinho de risco;

- Carteira para quem é mais moderado;

- Carteira para quem aceita mais risco;

- Carteira para quem aceita alto risco.

Queremos falar com você

Fique atento às notificações do seu e-mail, pois caso haja alguma modificação na sua carteira, você será avisado.

Acompanhe também os boletins diários preparados por Bevilacqua, com análises do cenário macroeconômico e do noticiário corporativo. Você recebe esse boletim todos os dias, antes da abertura do mercado, para começar o dia com as informações das quais precisa. Ainda não recebe os e-mails? Se inscreva aqui na newsletter de investimentos do UOL.

Tem alguma dúvida sobre algum investimento? Pode enviar para o Felipe: duvidasparceiro@uol.com.br

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

PUBLICIDADE
Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que informava o texto, o Cade já aprovou a separação entre as duas empresas. A matéria foi corrigida.