PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Padrão de vida: como saber se estou dentro ou fora do meu?

Muitas pessoas vivem fora da própria capacidade e ignoram seus limites de orçamento, prejudicando sua saúde financeira - Getty Images
Muitas pessoas vivem fora da própria capacidade e ignoram seus limites de orçamento, prejudicando sua saúde financeira Imagem: Getty Images

Gabriel Riva

25/05/2022 04h00

O padrão de vida é aquilo que define quais são nossas prioridades e como gerenciamos nosso dinheiro de acordo com as necessidades.

Apesar de a maioria de nós saber que o que ganhamos deve pagar o que consumimos (sem dificuldades), muitos vivem fora da própria capacidade e ignoram seus limites de orçamento, prejudicando sua saúde financeira.

Como educador financeiro, posso assegurar que essa tendência ao consumo é a possível causa do endividamento. Mais do que isso, é a origem de toda a insegurança financeira e a relação estressante com o dinheiro.

Mesmo assim, um em cada quatro brasileiros vive acima do que o seu padrão de renda permite (pesquisa feita pela SPC Brasil/2017).

E você? Está dentro ou acima de seu padrão de vida?

Abaixo destaco alguns sinais que podem te ajudar a responder a essa pergunta. E, na sequência, três dicas para evitar que isso aconteça.

1. Você usa crédito para despesas básicas

Saiba que não é normal ficar no vermelho e recorrer ao cheque especial, empréstimos ou cartão de crédito para cobrir as contas do mês.

2. Você deve mais do que tem

Se a soma de todos os seus bens resulta em um valor menor do que as dívidas, é hora de se preocupar.

3. Não consegue poupar nem investir

Se você termina o mês no zero a zero e não sobra nada para poupar e investir, também é sinal de que seu padrão de vida está divergente. Afinal, a saúde financeira também depende de reservas e investimentos.

4. Gasta para manter as aparências

Gastar e se endividar só para acompanhar o padrão de vida de amigos, conhecidos e da sociedade como um todo é um problema financeiro e comportamental preocupante.

5. Não consegue sustentar o que compra

Comprar um carro melhor ou uma casa maior implica arcar com maiores custos. Lembre-se disso.

6. Imprevistos te assustam

Se o medo de perder o emprego te aterroriza, é provável que seu padrão de vida esteja acima da sua renda e, por isso, você não tenha alguma reserva de emergência.

Quando se encaixar em um ou mais dos sinais acima, procure ajuda de um profissional ou pessoa de confiança e busque entender o que o levou a tal comportamento.

Por ora, seguem algumas dicas de como evitar que isso aconteça:

Como evitar estar fora de seu padrão de vida

1. Esteja a um "degrau" abaixo

Procure estar sempre a um degrau abaixo de seu padrão de vida. Assim você consegue acumular patrimônio, evita aumentar custos quando recebe um aumento salarial e, em situações emergenciais, consegue se recompor com mais facilidade.

2. Use crédito com consciência

Usar crédito para realizar um sonho é saudável, desde que seja de forma consciente, tendo condições de pagar sem impactar o orçamento, seus investimentos e saúde emocional.

3. Tendo o controle de seu orçamento

Crie um modelo de orçamento com suas prioridades. O importante é respeitar o orçamento, reduzir gastos supérfluos e manter fielmente os investimentos.

Estruture este orçamento baseado na renda líquida — ou seja, seus ganhos depois de todos os descontos (impostos, dívidas e parcelamentos).

Vale a pena um esforço de organização e planejamento para evitar o alto custo emocional e financeiro de ter um padrão de vida incoerente com sua renda. Gerando ansiedade, insatisfação e a frequente comparação com o próximo, além das preocupações com as dívidas.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Especialistas em finanças ajudam você a poupar e a escapar de erros comuns para quem quer construir um patrimônio. Tenha informações que auxiliam você a tomar decisões sobre investimentos e aproveite melhor as oportunidades disponíveis no mercado