PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Vale investir na Petrobras, mesmo com alta do petróleo e ano eleitoral?

Analistas apontam que ações da Petrobras já estão baratas e vale investir - Sergio Moraes/Reuters
Analistas apontam que ações da Petrobras já estão baratas e vale investir Imagem: Sergio Moraes/Reuters
Conteúdo exclusivo para assinantes

Fernando Barbosa

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/02/2022 04h00

O valor de mercado da Petrobras saltou de R$ 373,4 bilhões em dezembro de 2020 para R$ 442 bilhões em 3 de fevereiro de 2022 —uma alta de 18,3% em pouco mais de um ano, segundo a Economática. A disparada é resultado, principalmente, da alta do barril de petróleo e também do dólar. Mas com as eleições presidenciais em outubro, é comum que haja certo receio de investir em empresas públicas —afinal, o governo pode interferir nos valores de gasolina, diesel e até do gás de cozinha, o que afetaria a Petrobras.

Com isso, é o momento de comprar ações da Petrobras (PETR3 e PETR4)? Ou vendê-las e esperar o resultado do pleito eleitoral? Veja abaixo o que dizem os analistas ouvidos pelo UOL.

Eleição já está precificada

Se as eleições e o risco de mudança na governança da Petrobras pesam sobre as ações, o preço dos papéis em vigor embute essas questões. Segundo os analistas, o valor das ações está descontado; isto é, as ações da Petrobras já estão baratas.

A Petrobras consta na carteira do analista da casa de análises Empiricus, Matheus Spiess —mesmo não sendo a primeira opção no segmento de energia. "Apesar de termos conseguido uma boa valorização, mantemos o prêmio de risco para a companhia, porque ela continua barata", diz.

Na última semana, o valor do barril de petróleo do tipo Brent —referência global de petróleo, cotado em Londres— superou a marca dos US$ 90 (cerca de R$ 472) pela primeira vez em 7 anos. A última vez que isso havia ocorrido foi em 2014. E a expectativa é de que possa alcançar até os US$ 100 (R$ 525).

O Brent é um tipo de petróleo no Mar do Norte, próximo ao Reino Unido. Essa matéria-prima é usada como base para o valor do barril de petróleo, pois estima-se que corresponda à maior fatia de petróleo no mundo.

Dessa maneira, mesmo com a desvalorização do dólar ante o real —em que US$ 1 passou do patamar de R$ 5,70 para R$ 5,30 —, a geração de lucro da Petrobras estaria preservada.

O superintendente de renda variável da SulAmérica Investimentos, Juan Morales, declara que o preço de US$ 100 (R$ 525) para o Brent é possível por conta da tensão geopolítica entre a Rússia e a Ucrânia, além da redução de investimentos para a exploração de combustíveis fósseis e poluentes —o que impacta a oferta.

Morales afirma também que há um ano a dívida da Petrobras ante o seu Ebitda (indicador que mensura os resultados da companhia, sem levar em conta impostos ou certas despesas) era de 2,3 vezes. Hoje, é de 1 vez.

Quando há a redução da dívida líquida perante ao Ebitda, significa que companhia reduziu o seu grau de endividamento. Ou seja, o tempo que a empresa usará para pagar os compromissos com as suas receitas é menor.

A Petrobras tende a ter uma estrutura de capital mais leve em 2022 e menos endividada. Isso deve impactar os lucros e podemos esperar uma distribuição de dividendos [proventos aos investidores] mais agressiva.
Juan Morales, superintendente de renda variável da SulAmérica Investimentos

Menor risco de influência

Os especialistas ouvidos pelo UOL entendem que nem mesmo a fala recente do ex-presidente Lula, sugerindo uma mudança nos preços dos combustíveis em um eventual governo petista, afetaram as ações da Petrobras —o que não está descartado para o futuro.

"A retórica faz parte do processo eleitoral. Mas o Lula é um velho conhecido do mercado e seria incoerente se ele falasse algo diferente. Por mais que seja parte da retórica e possa gerar volatilidade [oscilações de preços], a grosso modo a empresa é melhor e mais robusta", diz Spiess, da Empiricus.

O analista da XP Investimentos André Vidal diz que mesmo com o sobe e desce da Bolsa, os preços das ações da Petrobras permanecem baixos por conta das dúvidas sobre o posicionamento do novo governo. Se hoje o valor do papel gira em torno dos R$ 36, o preço-alvo da XP para estatal ao final de 2022 é de R$ 45,30.

Caso tenhamos um cenário de continuidade no direcionamento estratégico que a Petrobras vem tendo desde 2016 --de uma contínua busca por eficiência operacional e melhoria do retorno do capital empregado--, há um potencial interessante de alta para as ações.
André Vidal, analista da XP Investimentos

O economista-chefe do Modalmais, Alvaro Bandeira, vê o preço futuro do barril de petróleo como uma incógnita. Mas, com o combustível em alta e investidores buscando companhias mais maduras, ele acredita que a empresa continua sendo atrativa —então, vale comprar ações ou, para quem já tem, mantê-los.

"Os resultados devem permanecer. É claro que sempre paira a dúvida sobre o uso político da empresa, mas estamos vendo que isso não está acontecendo e nem pode acontecer", afirma Bandeira.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.