PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Quais os melhores investimentos diante da disparada do dólar? Veja 5 opções

Onde você deve investir nesse cenário de alta do dólar? Veja onde colocar o seu dinheiro - Getty Images
Onde você deve investir nesse cenário de alta do dólar? Veja onde colocar o seu dinheiro Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes

Colaboração para o UOL, em São Paulo

11/05/2022 04h00

Em um cenário de alta constante da cotação do dólar — que subiu 12% em um mês —, o que fazer com o seu dinheiro? Existe algum bom investimento para aplicar diante da disparada da moeda americana? No Papo com Especialista, programa ao vivo do UOL, o economista César Esperandio mostra cinco opções de aplicações — uma delas em renda fixa.

Leia abaixo a análise do economista e assista ao programa completo, que é um tira-dúvidas sobre investimentos exclusivo para assinantes e transmitido quinzenalmente, às quintas-feiras, das 15h às 16h.

Alta dos juros nos EUA

Esperandio afirma que um dos fatores que impactam a disparada do dólar é a perspectiva de alta de juros nos EUA para combater a inflação americana.

"O que importa para o fluxo do câmbio é a diferença entre os juros do Brasil e os dos EUA. Se os juros estão subindo lá, há menos estímulo para que o investidor venha para o Brasil. Ele fica mais tentado a investir nos EUA. Afinal, os títulos públicos americanos são considerados os mais seguros do mundo", declara ele, que também é do canal Econoweek.

Ele listou cinco opções de investimentos para você ganhar com a alta do dólar ou proteger seu dinheiro da inflação que essa disparada da moeda americana traz.

1) Empresas brasileiras exportadoras listadas na Bolsa

O economista diz que empresas exportadoras — como Vale (VALE3), Suzano (SUZB3), JBS (JBSS3), Embraer (EMBR3) — podem se beneficiar da alta do dólar. "As empresas exportadoras têm mais facilidade de escoar seus produtos mundo afora", afirma.

Segundo ele, o investidor que tem ações dessas empresas pode ganhar de duas formas:

  • Dividendos: se a empresa exportar mais, a tendência é ter lucros maiores e, consequentemente, distribuir mais proventos a seus acionistas;
  • Valorização da própria empresa: se a empresa for bem nos negócios, a tendência é que suas ações se valorizem cada vez mais futuramente

Ele faz, no entanto, um alerta: não se deve investir em ações sem análise aprofundada. "Investir em ações requer fazer, antes, uma análise aprofundada da empresa e traçar estratégia de médio e longo prazo para seus investimentos", declara.

2) BDRs (Brazilian Depositary Receipts)

"É um recibo que representa uma ação gringa", declara o economista. Um dos BDRs mais famosos, por exemplo, é da Alphabet (GOGL34), detendora do Google.

Ele declara que, quando o dólar sobe, em real o seu BDR passa a valer mais. "Isso porque ele continua com o mesmo preço, só que o dólar ficou mais caro. E como o seu BDR é precificado em real aqui no Brasil, passa a valer mais. Mas o contrário também é verdade: se o dólar cair, o preço em real também cai", diz.

O economista afirma que nesse investimento você corre dois riscos ao mesmo tempo: o inerente ao negócio e o cambial. "O risco cambial é o risco de o dólar subir ou cair, de você intensificar os seus ganhos ou intensificar as suas perdas".

3) ETFs (Exchange Traded Fund)

ETFs são fundos de investimentos negociados na Bolsa e que replicam índices, como o Nasdaq (de Nova York), por exemplo.

"Você investe em uma carteira de investimentos que, eventualmente, está atrelada a investimentos no exterior. Uma ETF é mais diversificada que um BDR, por exemplo, e tem também taxa de administração menor que a dos fundos de investimentos tradicionais", declara.

Segundo ele, os ETFS têm os mesmos riscos cambiais que os BDRs e dos negócios que compõem os fundos.

4) Fundos

  • Fundo multimercado: pode investir em renda fixa, ações, derivativos (tipo de contrato que deriva desses ativos iniciais) e moedas de alguns países. O gestor do fundo tem flexibilidade para agir de acordo com mudanças na conjuntura econômica do Brasil e do mundo.

De acordo com Esperandio, o fundo multimercado tem bastante diversificação. "Mas antes de investir, é recomendado ficar atento à composição do fundo e conhecer a sua estratégia", declara. Essas informações constam da lâmina do fundo.

  • Fundo cambial: investe basicamente em moedas (dólar, euro, iene etc.). A estratégia é parecida com a dos fundos multimercado, tendo um gestor por trás com liberdade para tomar as decisões.

5) Tesouro IPCA

O economista diz que a alta do dólar tem impacto direto nas importações que o país faz (alguns commodities, como trigo e petróleo, e produtos com tecnologia agregada, como computadores e iPhones), pois são itens cotados na moeda americana. E isso faz aumentar a inflação por aqui.

Para proteger seu dinheiro da alta dos preços, investir em Tesouro IPCA é uma alternativa.

Na plataforma do Tesouro Direto, há seis títulos de Tesouro IPCA disponíveis: 2026, 2035, 2045, 2032 com juros semestrais, 2040 com juros semestrais e 2055 com juros semestrais.

Por exemplo: o Tesouro IPCA 2026 paga a inflação do período mais um bônus de 5,46% ao ano. IPCA é a medida de inflação oficial do país — nos últimos 12 meses, a inflação foi de 12% ao ano.

"Já que a alta do dólar impacta em mais inflação aqui no Brasil, esse tipo de investimento garante que você terá uma rentabilidade acima da inflação", declara.

O economista afirma que, para garantir essa rentabilidade, você deve ficar com o título até a data do seu vencimento. Há outros investimentos em renda fixa privada atrelados ao IPCA.

Vale ressaltar que as condições de investimentos citadas aqui são referentes ao dia 5 de maio. As taxas podem variar de um dia para o outro.

Papo com Especialista é quinzenal

O programa Papo com Especialista é transmitido às quintas-feiras, quinzenalmente, das 15h às 16h, na página inicial do UOL, no UOL Economia e no UOL Investimentos, e é exclusivo para assinantes. Reveja programas anteriores aqui.

Você pode enviar perguntas ao Papo pelo e-mail uoleconomiafinancas@uol.com.br —elas podem ser respondidas no programa.

Quer investir melhor? Receba dicas em seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido?

A página de investimentos do UOL tem uma newsletter gratuita que o ajuda nesse objetivo. Ao assinar, você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pelo analista Rafael Bevilacqua, da casa Levante Ideias de Investimentos. Com essa newsletter, você vai aprender a investir e entender o que está acontecendo com o mercado.

Além da newsletter diária, você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor e com segurança seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita de investimentos do UOL, é só clicar aqui.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envia sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.