IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Taxas para chinesas podem ajudar Renner e Magalu na Bolsa? Não é bem assim

Estande da Shein em Tóquio em novembro de 2022: taxas podem ajudar as brasileiras? - Imagem: Dick Thomas Johnson/Flickr/Reprodução
Estande da Shein em Tóquio em novembro de 2022: taxas podem ajudar as brasileiras? Imagem: Imagem: Dick Thomas Johnson/Flickr/Reprodução

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

15/04/2023 04h00

O fim da isenção de impostos sobre encomendas postais de até US$ 50 (R$ 247) pode ajudar varejistas brasileiras a recuperar uma parte do prejuízo que vêm sofrendo no último ano. Mas isso não significa que elas irão disparar na Bolsa.

Qual é a situação?

O governo anunciou que vai acabar com a insenção de imposto sobre encomendas internacionais de pessoa a pessoa de até US$ 50. Essa isenção facilita a venda sem tributação de plataformas como AliExpress, Shein e Shopee.

Todas as compras feitas, de qualquer valor, em sites do exterior, devem ser taxadas. Hoje já existe a tributação sobre o valor da encomenda, mas segundo o governo a cobrança não é efetiva. O governo quer acabar com a isenção de US$ 50 para envios entre pessoas físicas para impedir fraudes.

A estimativa é os itens importados vendidos por essas empresas chinesas fiquem em média 60% mais caros.

O que pode acontecer com as empresas brasileiras

Brasileiras podem se beneficiar com a medida. "Havia uma competição desleal com o varejo brasileiro que, se a medida for realmente colocada em prática, vai ajudar no ganho das empresas", diz Victoria Minatto, analista da Eleven Financial.

As mais beneficiadas com a medida devem ser Renner (LREN3) e C&A (CEAB3). Elas competem diretamente com a chinesa de moda Shein, segundo André Fernandes, diretor de renda variável e sócio da A7 Capital. A C&A, por ter uma situação de dívida bem melhor que a da Renner, pode ganhar mais competitividade, segundo Fernandes.

Para empresas que vendem produtos mais caros, o impacto é menor. Magazine Luiza e Via (VIIA3), a dona das Casas Bahia, não vão ser beneficiadas pela taxação das chinesas porque elas não são concorrentes diretamente. Elas vendem mais eletrodomésticos e itens de grande valor, diz Fernandes.

O marketplace pode ser beneficiado. Essas grandes empresas abrem suas plataformas para que outros parceiros vendam produtos. Magalu, que em seu marketplace vende produtos mais baratos, como os comercializados pela AliExpress e Shopee, pode ser beneficiada indiretamente, acredita Virgilio Lage, especialista da Valor Investimentos.

Mas ainda há dúvidas sobre o impacto total. Ainda não se sabe quando a mudança começa a valer. O governo diz que vai editar uma Medida Provisória para acabar com a isenção e criar regras para ampliar a cobrança do imposto de 60% sobre as remessas internacionais.

Também não é possível saber o tamanho da mudança. A nova regra só valerá para encomendas entre pessoas.

Hoje os tributos só têm sido pagos quando as encomendas são barradas pela Receita Federal. Em sites como Amazon e Mercado Livre, porém, o imposto é cobrado no momento da compra internacional.

O que mais afeta as brasileiras

A possível queda de juros é o que mais deve movimentar essas ações no médio prazo. Magazine Luiza (MGLU3) subiu 19%, para R$ 3,88, nos últimso pregões, principalmente impulsionada pela expectativa de queda nos juros com a redução da inflação.

Os juros menores ajudam as empresas a venderem mais. No Magazine Luíza, por exemplo, somente 34% das vendas são pagas à vista. Nesse caso, o consumidor está comprando produtos mais baratos.

As compras mais caras - como geladeiras e TVs - são parceladas em sua maioria. E para que essas compras voltem a crescer, só baixando os juros, diz Fernandes.

O que dizem as chinesas

Empresas dizem que respeitam lei e apoiam mudanças. O AliExpress disse que "tem o compromisso de fornecer aos consumidores brasileiros produtos de qualidade e participar ativamente no desenvolvimento da economia digital local. Cumprir as regulamentações dos locais onde operamos é nossa principal prioridade.

Para a Shoppee, as possíveis mudanças tributárias em compras internacionais não afetarão os consumidores. Mais de 85% das vendas da Shopee são de vendedores brasileiros, e não de fora do país.

Já a Shein disse: "Reconhecemos a importância em propor melhorias para as regras no Brasil de modo a fornecer segurança jurídica para os operadores e garantir que milhões de brasileiros possam continuar a ter acesso ao mercado mundial, bem como a artigos produzidos localmente".

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.