Só para assinantesAssine UOL

Essas empresas saíram da Bolsa brasileira. Por quê?

Desde janeiro, algumas empresas pediram o cancelamento de registro na Bolsa de Valores brasileira. Mas o que está acontecendo na B3? É um mau momento para a abertura de capital? Veja abaixo.

Por que as empresas fecharam capital em 2023?

10 empresas decidiram sair da B3 neste ano. São elas: IGB Eletrônica, Banco Besa, Têxtil Renauxview, Longdis, EDP Energias do Brasil, CEEE-G, BR Properties e Sinqia. A Banrisul Armazéns Gerais S.A. (Bagergs), controlada do Grupo Banrisul, e Corrêa Ribeiro também têm pedidos em análise.

Juros altos são desfavoráveis e levam empresas a sair da Bolsa. Segundo Ariane Benedito, economista e RI da Esh Capital, uma das razões são as taxas de juros elevadas no Brasil e nos Estados Unidos. Esse cenário leva a uma migração dos investidores para ativos menos arriscados, como a renda fixa. Mesmo que no Brasil a taxa esteja em queda, nos EUA ainda está alta.

Com a saída de investidores da Bolsa, o preço de mercado das companhias se desvaloriza. Essa também é uma das explicações para a falta de IPOs (abertura de capital) nos últimos anos - nenhuma empresa nova estreou na Bolsa recentemente.

Investidores preferem investir em ativos menos arriscados. O analista da Toro diz que, com as taxas de juros elevadas e o cenário turbulento desde a pandemia, os investidores têm pouco apetite ao risco.

Mesmo assim, casos recentes são pontuais. É o que afirma Gabriel Costa, analista da Toro Investimentos. Para uma companhia com pouca liquidez, ou seja, que não é tão negociada no mercado, por exemplo, pode não ser tão vantajoso se manter na B3. "É um movimento específico de cada papel sobre se vale ou não a pena deixar o capital aberto", diz.

Abertura de capital é uma maneira de baixar custos de dívida. As empresas costumam recorrer a essa opção para angariar recursos dos investidores, para financiar investimentos e obras e crescer mais. Ainda que as companhias não paguem juros ao optar por buscar dinheiro na Bolsa, elas precisam dividir parte dos resultados com outros investidores, o que gera mais cobranças e responsabilidades.

Companhias fecham capital para manter valor patrimonial. Ou reduzir a exposição do capital a riscos, visando ter um valor justo de mercado.

Como uma empresa sai da Bolsa?

Alguns motivos levam empresas a se afastar do mercado de capitais. Entre eles, está a não intenção de fazer uma nova oferta de ações para captar mais dinheiro com investidores. Empresas em fase de reestruturação também podem fechar capital.

Continua após a publicidade

Mercado nos EUA tem mais investidores, e migração pode ser interessante para algumas empresas. Marco Saravalle, analista e sócio-fundador da Sara Invest, diz que algumas companhias optam por fechar o capital no Brasil e migrar para os Estados Unidos, onde a liquidez é maior, por exemplo. É o caso da Sinqia, companhia de tecnologia para o mercado financeiro. Recentemente, a empresa foi comprada pela porto-riquenha Evertec, empresa de processamento de pagamentos. Com ações na Bolsa de Nova York, a Evertec encerrou a negociação das ações da Sinqia na B3.

Companhias usam dinheiro em caixa para recomprar ações. "Para as empresas abertas, todo trimestre há uma série de custos com prestação de contas, time de relações com investidores e registro. Talvez faça sentido, por hora, reduzir esses custos", diz o sócio da Sara Invest. Ele destaca que os acionistas, na maioria das vezes, acabam vendendo suas posições no momento de fechamento de capital.

Qual é o cenário para 2024?

Perspectiva é positiva para 2024. Com o início do corte de juros pelo Banco Central, em agosto, a tendência é que ocorra uma retomada no apetite ao risco. Assim, novas empresas devem entrar na Bolsa nos próximos anos. Hoje, a taxa básica de juros está em 12,25% ao ano. Segundo o BC, a Selic deve ser de 11,75% a.a., ao final de 2023, e de 9,25% a.a., ao final do ano que vem.

Parte do ciclo negativo ficou para trás. "O que a gente viu muito nesse último ano, por exemplo, foram mais follow-on de ação, que é uma oferta secundária de ações, ao invés de uma oferta primária de emissão de abertura de capital", diz Costa, da Toro.

Quer saber como economizar e investir, além do que está acontecendo na economia? Conheça e siga o novo canal do UOL "Economize e Invista" no WhatsApp.

Continua após a publicidade

Aulão: De endividado a investidor: como sair das dívidas e ter mais dinheiro

Dívidas são um dos principais obstáculos para quem quer organizar sua vida financeira. Pensando nisso, o UOL preparou um aulão para quem quer se livrar das dívidas para sempre e ter mais dinheiro para investir e realizar seus sonhos.

Qual a melhor estratégia para se livrar das dívidas? Dá para começar a investir mesmo endividado? E qual é o melhor investimento para iniciantes? Todas essas perguntas serão respondidas em uma série de três lives.

A primeira live traz o passo a passo para se livrar das dívidas. A segunda live mostra onde e como começar a investir mesmo estando endividado, e a terceira fala sobre como investir para realizar seus sonhos, após sair das dívidas.

Assista ao aulão no Papo com Especialista, programa ao vivo do UOL, todas as quintas-feiras, das 16h às 16h40. Assine aqui e participe!

A última série do Papo com Especialista foi sobre Como investir para se aposentar sem depender do INSS. Para saber mais, acesse este link .

Continua após a publicidade

Quer investir melhor? Receba dicas no seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido? O UOL tem uma newsletter diária gratuita que o ajuda nesse objetivo. Assine o Por Dentro da Bolsa aqui. Você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pela equipe do PagBank Investimentos para aprender a investir melhor.

Você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor o seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita de investimentos do UOL, é só clicar aqui. UOL Investimentos ainda tem diversos conteúdos diários que te ajudam a lidar melhor com seu dinheiro.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Errata:

o conteúdo foi alterado

  • A matéria dizia que a Banrisul tinha fechado capital, mas o correto é a Banrisul Armazéns Gerais S.A. (Bagergs), controlada do Grupo Banrisul. A informação foi corrigida.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes