ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Inflação acelera a 0,48% em setembro; em 12 meses, é de 4,53%

Do UOL, em São Paulo

05/10/2018 09h02

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial no país, acelerou a 0,48% em setembro. Este resultado é o maior para um mês de setembro desde 2015, quando o indicador registrou 0,54%. No acumulado de 12 meses, o IPCA ficou em 4,53%.

O resultado está dentro do limite da meta do governo, de manter a inflação em 4,5% no ano, com uma tolerância de 1,5 ponto para cima ou para baixo, ou seja, pode variar entre 3% e 6%.

No ano, o indicador acumula alta de 3,34%. Em agosto, a taxa havia ficado negativa em 0,09%. As informações foram divulgadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (5).

Leia também:

Combustíveis e passagens sobem

O resultado de setembro foi puxado pelas altas registradas nos preços de combustíveis (4,18%) e de passagens aéreas (16,81%), segundo o IBGE. 

O grupo dos transportes teve o maior aumento do mês (+1,69%), e exerceu o principal impacto sobre o índice. "Gasolina, etanol e diesel vieram com alta nesse mês depois de deflação no mês passado. Isso contribuiu bastante. Assim como esses itens, a passagem aérea também teve aumento depois de um mês de deflação”, disse o gerente do IPCA, Fernando Gonçalves.

De acordo com a pesquisa, os preços da gasolina tiveram alta de 3,94% em setembro, enquanto o etanol subiu 5,42% e o óleo diesel, 6,91%. 

Em relação à gasolina, a Petrobras autorizou um aumento de 7% no período do índice. O óleo diesel teve um aumento de 13%. Isso foi nas refinarias, mas acaba chegando ao consumidor. A alta do dólar também contribuiu
Fernando Gonçalves, gerente do IPCA

Além do grupo dos transportes, tiveram alta nos preços:

  • alimentação e bebidas (0,1%)
  • habitação (0,37%) 
  • artigos de residência (0,11%) 
  • saúde e cuidados pessoais (0,28%)
  • despesas pessoais (0,38%) 
  • educação (0,24%)

Os preços de vestuário (-0,02%) e comunicação (-0,07%), por outro lado, caíram.

Arroz sobe e batata cai

Entre os alimentos, ficaram mais caros em setembro:

  • frutas (4,42%)
  • arroz (2,16%)
  • pão francês (0,96%)

Ficaram mais baratos: 

  • cebola (-12,85%)
  • batata-inglesa (-8,11%)
  • leite longa vida (-5,82%)
  • farinha de mandioca (-5,54%)
  • ovos (-2,15%)

Inflação abaixo da meta em 2017

A inflação fechou 2017 em 2,95% e ficou abaixo do limite mínimo da meta do governo pela primeira vez na história. Foi a menor inflação anual desde 1998 (1,65%).

No início deste ano, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, enviou carta ao então ministro Henrique Meirelles dizendo que a meta não havia sido cumprida no ano passado devido à queda nos preços dos alimentos, após safras recordes. 

A carta é uma exigência em caso de descumprimento da meta de inflação. 

Expectativa em 2018

A expectativa de analistas consultados pelo Banco Central é que a inflação termine 2018 em 4,3%, dentro do limite da meta deste ano. 

Com o crescimento de 1% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2017, o país começa a sair do buraco, após a economia encolher 3,5% tanto em 2016 quanto em 2015. Mas a recuperação é lenta e, segundo especialistas ouvidos pelo UOL, a economia vai demorar pelo menos dois anos para chegar ao nível de antes da crise.

No segundo trimestre deste ano, a economia brasileira cresceu 0,2% em relação ao trimestre anterior e 1% na comparação anual.

Juros x inflação

Para tentar controlar a inflação, o Banco Central pode usar a taxa de juros. De modo geral, quando a inflação está alta, o BC sobe os juros para reduzir o consumo e forçar os preços a cair. Quando a inflação está baixa, o BC derruba os juros para estimular o consumo.

Em setembro, o Comitê de Política Monetária do BC decidiu manter a taxa de juros em 6,5% ao ano, menor nível da história (o Copom foi criado em 1996).

(Com Reuters)

Mãe conta como cria sete filhos com um salário mínimo

BBC Brasil

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia