PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

É só até maio: 8 razões para participar do Lugares Incríveis para Trabalhar

As empresas que se inscrevem no prêmio Lugares Incríveis para Trabalhar garantem acesso a dados e informações estratégicas sobre as melhores práticas em gestão de RH no mercado. - Jud Mackrill/Unsplash
As empresas que se inscrevem no prêmio Lugares Incríveis para Trabalhar garantem acesso a dados e informações estratégicas sobre as melhores práticas em gestão de RH no mercado. Imagem: Jud Mackrill/Unsplash

Julia Moióli

Colaboração para o UOL, em São Paulo

17/05/2022 04h00

Maio é o último mês para inscrever sua empresa no Prêmio Lugares Incríveis para Trabalhar (LIPT), iniciativa da FIA (Fundação Instituto de Administração) e do UOL para reconhecer os ambientes de trabalho brasileiros mais bem avaliados entre seus colaboradores.

As empresas destacadas como lugares incríveis para trabalhar ganham visibilidade e fortalecem sua marca empregadora, o que contribui diretamente para maior atração e retenção de talentos. Mas a verdade é que todos os participantes saem ganhando.

Isso porque, por trás da premiação, está a pesquisa FEEx - FIA Employee Experience, que avalia tópicos como ambiente de trabalho, liderança, satisfação com a área de RH e percepção da imagem da empresa, entre outros, oferecendo dados e informações estratégicas fundamentais para que grandes mudanças internas se concretizem.

Confira a seguir as oito principais razões para inscrever sua empresa:

1. Saber o que seus colaboradores pensam

"Como todos os funcionários são convidados a participar da pesquisa, a empresa toda se envolve no processo - mesmo quem não acessa sabe o que está acontecendo", acredita Lina Nakata, professora da FIA Business School.

De acordo com os profissionais de recursos humanos entrevistados para esta matéria, o fato de as questões serem respondidas anonimamente e organizadas por uma instituição isenta e reconhecida como a FIA oferece insights valiosos sobre trabalho, motivação, comunicação, carreira, recompensa e liderança.

2. Criar projetos de gestão de pessoas

"Os dados completos oferecidos pela pesquisa funcionam como ponto de partida para a tomada de decisões estratégicas, direcionamentos e, principalmente, ações de recursos humanos", diz Lina.

Foi o caso da Agrícola Alvorada, empresa de comercialização de soja e milho sediada na cidade de Primavera do Leste (MT). Em apenas duas décadas de atuação, passou de 65 funcionários há dez anos para os 900 atuais e não teve tempo de fazer a lição de casa em termos de processos e políticas de recursos humanos e lideranças - quando participou pela primeira vez da FEEx, no ano passado, seu departamento pessoal ainda não era uma área completa de RH.

"Chegamos ao ponto em que não crescíamos mais porque não tínhamos gente preparada", conta a gerente de gestão de pessoas Laura Viviane Pereira dos Anjos. "Os resultados da pesquisa forneceram os pilares para nosso planejamento estratégico de recursos humanos até 2026."

No último ano, a Agrícola Alvorada deu a largada em ações de saúde e segurança do trabalho, qualidade de vida, planejamento de carreira (com a criação de uma plataforma de treinamentos online) e salários, relacionamento interpessoal, endomarketing e alterações de benefícios, com a realização de um estudo para aumentar seu leque.

"Agora conseguimos pensar no tamanho que teremos daqui a cinco anos e o que queremos proporcionar a nossos funcionários até lá", afirma Laura.

3. Promover mudanças e melhorias estratégicas

Ao participar da FEEx em 2021, o Laboratório Biovet descobriu que, apesar de mais de 90% de seus colaboradores recomendarem a empresa como um bom lugar para se trabalhar, eles não estavam satisfeitos com três pontos: reconhecimento e recompensa, carreira e processos e procedimentos. Era preciso estabelecer um plano de ação.

O primeiro passo foi apresentar as respostas completas às diretorias e gerências para que elas tivessem uma visão clara de como suas áreas haviam sido avaliadas. Em seguida, teve início o cascateamento das informações para o restante dos colaboradores (hoje, a empresa soma 450 funcionários): eles receberam um panorama geral, com os dez piores e os dez melhores tópicos da avaliação.

"Pedimos então que as equipes escolhessem de três a cinco tópicos que considerassem mais críticos e trabalhassem na elaboração de planos de ação, sob o acompanhamento da equipe de recursos humanos", conta a gerente de RH Fabrizia Keramidas. "Dessa forma, cada colaborador colocou a mão na massa para gerar um clima melhor, algo que é de interesse de todos."

O laboratório também considerou importante investir em feedback ao perceber que as empresas reconhecidas como melhores lugares para trabalhar apresentavam notas mais altas no tema. Foi instituído o mês do feedback para reforçar sua importância, além de serem promovidas capacitação de gestores e campanhas por meio de comunicação interna por e-mail e WhatsApp.

"Além de nos estimular melhorar o que não vai tão bem, a pesquisa nos motivou a realizar ações que preservem aquilo que nosso colaborador enxerga como ponto forte, como nossa cultura de relacionamento", afirma Fabrizia.

4. Melhorar as finanças

"Em média, as empresas classificadas e premiadas têm um retorno sobre patrimônio líquido três vezes maior", afirma Lina Nakata, da FIA Business School. "Isso mostra que ser um lugar incrível para trabalhar também é mais rentável financeiramente."

Lina Nakata, da FIA - Divulgação - Divulgação
De acordo com Lina Nakata, da FIA Business School, em média, as empresas classificadas e premiadas no LIPT têm um retorno sobre patrimônio líquido três vezes maior do que as demais participantes.
Imagem: Divulgação

De acordo com a especialista, engana-se quem pensa que as empresas que se destacam na pesquisa são, necessariamente, as que têm mais dinheiro para investir em gestão de pessoas e, portanto, têm mais facilidade financeira para implantar uma gestão saudável e humanizada.

"Entendemos que se trata de um ciclo: a empresa prioriza o orçamento para as pessoas, proporcionando ótimas experiências; os colaboradores se sentem bem, produzem mais e geram mais dinheiro para a empresa por conta disso", descreve Nakata.

5. Fortalecer as equipes

Adepta de um modelo horizontalizado, sem forte hierarquia e com todos os funcionários envolvidos na definição de processos, a empresa têxtil catarinense Zatom Confecções confirmou por meio da FEEx sua eficiência no tema liderança - há alguns anos, seus colaboradores avaliam os gestores positivamente e sabem que podem contar com eles.

Na pesquisa de 2021, contudo, a confiança depositada na liderança não se refletiu nas relações interpessoais. As cinco equipes da empresa não sentiam que tinham o apoio uma das outras. Com esse resultado em mãos, a Zatom passou a organizar palestras e cursos voltados ao assunto.

Cleiton Rossi, CEO da Zatom Confecções - Acervo pessoal - Acervo pessoal
A Zatom Confecções, do CEO Cleiton Rossi, usou iniciativas bem avaliadas na FEEx para reforçar a união entre as suas equipes.
Imagem: Acervo pessoal

"Demos início a um trabalho para desconstruir essa barreira entre os times, ampliando a consciência de que se o líder pode ajudar, o time ao lado também pode", diz Cleiton Rossi, CEO da empresa. "Eu mesmo mudei meu discurso e minha linguagem dentro das reuniões para abordar a questão."

A empresa também uniu o útil ao agradável e usou iniciativas bem avaliadas na FEEx para reforçar a união entre as equipes, como as viagens de integração e ações de impacto na comunidade, que acontecem algumas vezes ao ano.

O resultado virá na edição deste ano da FEEx, para a qual a empresa já se inscreveu - reuniões de feedback estão marcadas para o final do processo de participação na pesquisa. Segundo Rossi, elas são um dos pontos fortes da iniciativa, já que explicam cada avaliação e apontam o melhor direcionamento para o futuro.

6. Ouvir os funcionários e observar como outras empresas fazem isso

"Temos vários canais de comunicação para os funcionários se manifestarem e darem feedback, mas sabemos que algumas pessoas não se sentem à vontade para acessar o líder ou o RH e falar abertamente", diz Adriana Santana, diretora de RH da Elanco Saúde Animal para o Brasil e região do Cone Sul. "Por ser completa e usar linguagem simples, a FEEx nos ajuda a observar melhor essa dinâmica, inclusive favorecendo um dos pontos-chaves de nossa gestão, que é o protagonismo do colaborador."

Adriana Santana, diretora de RH da Elanco Saúde Animal - marcoflavio.com - marcoflavio.com
Adriana Santana, diretora de RH da Elanco Saúde Animal explica que a FEEx ajuda as empresas participantes a oferecer melhores condições para o colaborador se manifestar e ser ouvido.
Imagem: marcoflavio.com

Na edição do ano passado, a empresa identificou que era preciso reavaliar seus critérios para promoção e plano de carreira e tornar mais claras as diretrizes de crescimento. Para tratar dos assuntos, foram organizados três Cheetah Teams, nome interno para os projetos que têm como objetivo acelerar a empresa para o futuro, por meio da reunião de times multifuncionais e colaborativos.

O primeiro focou em matrizes de competências para direcionar como os profissionais devem proceder para alcançar o nível seguinte em suas carreiras; o segundo envolveu oferecer treinamentos de RH para pessoas de cada área de negócios para se tornarem o primeiro ponto dentro dos times na hora de esclarecer dúvidas; e o terceiro visa a mapear os programas de reconhecimento de desempenho dos colaboradores em cada área de negócio e avaliar se novos devem ser implementados.

Apesar de serem projetos de longo prazo, uma pesquisa interna realizada no primeiro trimestre deste ano já constatou melhoria na assertividade da comunicação, na opinião dos funcionários.

"Outra vantagem proporcionada pela FEEx foi permitir que, na mesma ferramenta, pudéssemos ainda nos comparar a outras empresas, de mercados diferentes, para buscarmos as melhores práticas".

7. Reforçar boas práticas

O escritório ASBZ Advogados foi fundado em 2011 por um grupo de profissionais que buscava um ambiente menos conservador e com gestão de pessoas mais humanizada. Dez anos mais tarde, ao participar pela primeira vez da FEEx, a ideia dos sócios era chegar a uma radiografia organizacional e a um diagnóstico de como as coisas estavam.

"Queríamos saber se éramos realmente aquilo que nos propúnhamos a ser", conta Guilherme Amaral, um dos sócios do escritório.

A adesão superior a 98% ao questionário e a avaliação positiva dos colaboradores mostraram engajamento e satisfação com as políticas internas, reforçando o ambiente de trabalho disruptivo que sempre norteou o ASBZ.

Apesar disso, a pesquisa apontou processos internos em temas como ESG, por exemplo, como aspectos com espaço para mudanças. As áreas internas envolvidas foram, então, estimuladas a debater e a pensar em melhorias usando como referências as práticas de mercado reveladas pela FEEx. Os resultados virão na edição de 2022.

"Agora vemos a FEEx como um check up anual que nos diz as áreas em que conseguimos melhorar e colocar mais energia para nos mantermos atualizados e continuar inovando e evoluindo", resume Amaral.

8. Valorizar-se como marca empregadora e atrair talentos

No caso das empresas reconhecidas como lugares incríveis para trabalhar, outra vantagem da FEEx é o fortalecimento como marca empregadora: seus esforços na criação de um ambiente de trabalho saudável e agradável, com lideranças mais humanizadas, projetos de carreira e programas de bem-estar, atraem os melhores talentos do setor.

"As empresas relatam que passam a receber mais currículos em decorrência da exposição que recebem", conta Lina Nakata, da FIA Business School. "Além disso, em média, as empresas premiadas têm um turnover 30% melhor, ou seja, uma menor rotatividade de funcionários."

Lugares Incríveis para Trabalhar

O Prêmio Lugares Incríveis Para Trabalhar é uma iniciativa do UOL e da FIA para reconhecer as empresas que têm as melhores práticas em gestão de pessoas. Os vencedores são definidos a partir da pesquisa FIA Employee Experience (FEEx), que mede a qualidade do ambiente de trabalho, a solidez da cultura organizacional, o estilo de atuação da liderança e a satisfação com os serviços de RH. As inscrições para a edição 2022 estão abertas e vão até 30 de maio.