IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Cotações


Bolsa fecha acima de 98 mil pontos e bate recorde; dólar avança, a R$ 3,673

Do UOL, em São Paulo

04/02/2019 17h21Atualizada em 04/02/2019 18h53

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, voltou a bater recorde nesta segunda-feira (4), fechando em alta de 0,74%, a 98.588,63 pontos. É a quinta alta consecutiva e a primeira vez que o índice termina o dia acima dos 98 mil pontos.

dólar comercial fechou com valorização de 0,29%, cotado a R$ 3,673 na venda.

Na sexta-feira (1º), a Bolsa subiu 0,48%, a 97.861,27 pontos. O dólar fechou quase estável, com leve avanço de 0,09%, mas acumulou queda de 2,91% na semana.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, se refere ao dólar comercial. Para turistas, o valor sempre é maior.

Gol dispara 8,27%

Na maior alta do dia do Ibovespa, as ações da Gol dispararam 8,27%, em meio a expectativas de que governo de São Paulo anuncie redução de imposto sobre combustível de avião.

Também fecharam em alta os papéis do Itaú Unibanco (+2,27%), do Bradesco (+2,22%), do Banco do Brasil (+1,9%) e da Petrobras (+1,13%).

Ações da Vale caem

No sentido oposto, as ações da Vale caíram 3,39%, em meio a dúvidas sobre o futuro da empresa após o rompimento da barragem em Brumadinho. Nesta segunda-feira, a Justiça determinou a suspensão das operações da mina de Brucutu, maior da companhia em Minas Gerais, com produção anual de 30 milhões de toneladas de minério de ferro.

Retorno do Legislativo

O mercado voltava suas atenções para o retorno das atividades do Legislativo. Na sexta-feira, conforme já era esperado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi reeleito presidente da Câmara. A surpresa ficou para o sábado (2), quando, após uma sessão tumultuada, Davi Alcolumbre (DEM-AP) foi eleito para a presidência do Senado.

O nome de Alcolumbre divide o mercado. Há quem avalie que sua proximidade com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, de quem é aliado, seja positivo para fazer caminhar a agenda de reformas. Por outro lado, participantes do mercado notam que o ministro da Economia, Paulo Guedes, apostava no nome de Renan Calheiros (MDB-AL), cuja experiência em negociação e articulação poderia servir para avançar a pauta econômica no Senado.

Com essa divisão, o mercado entra novamente em compasso de espera até que seja apresentado o texto da reforma da Previdência.

Cenário externo

No exterior, investidores acompanhavam os desdobramentos da guerra comercial entre EUA e China. Na terça-feira (5), o presidente norte-americano, Donald Trump, deve discursar perante o Congresso. Dentre os temas que Trump poderá abordar está o impasse entre democratas e republicanos, que levou à paralisação parcial do governo dos EUA. Ele também deve atualizar parlamentares sobre as negociações comerciais com a China.

O mercado também tem no radar as negociações da premiê britânica, Theresa May, relativas à saída do Reino Unido da União Europeia, e a participação do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell, em um evento na quarta-feira (6).

Atuação do BC

Nesta quinta, o BC vendeu 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, que equivalem à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 1,033 bilhões do total de US$ 9,811 bilhões que vencem em março.

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Mais Cotações