Topo

Cotações


Ações de varejistas caem na Bolsa após chegada de Amazon Prime ao Brasil

Do UOL, em São Paulo

10/09/2019 18h11

Ações de grandes redes varejistas fecharam com as maiores quedas do Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, nesta terça-feira (10), mesmo dia em que a Amazon começou a oferecer no Brasil o Prime, serviço que inclui frete grátis para todo o país e entrega em até 48 horas em mais de 90 municípios.

O papel do Magazine Luiza despencou 4,97%. A ação da B2W, dona do Submarino, Americanas.com e Shoptime, caiu 4,83%. A Via Varejo, responsável por Casas Bahia e Pontofrio, recuou 3,28%. E as ações das Lojas Americanas tiveram queda de 3,2%. O Ibovespa encerrou o dia com queda de 0,14% aos 103.031,50 pontos.

Brasil é 19º país com Amazon Prime

O Brasil é o 19º mercado em que a varejista norte-americana passa a oferecer o Prime, um combo de serviços com acesso a músicas, games, séries e filmes por streaming, além de frete grátis na entrega de produtos.

A assinatura por aqui será de R$ 9,90 mensais ou R$ 89 anuais —menor do que nos Estados Unidos, onde, apesar de algumas diferenças no pacote, o Prime custa US$ 119 ao ano. No Brasil, o Amazon Prime dará direito:

  • A frete grátis e, para algumas cidades, entrega acelerada;
  • Ao serviço de streaming de vídeo da Amazon, o Prime Video;
  • Ao novo serviço de streaming de música da Amazon no Brasil;
  • A uma seleção de livros e revistas;
  • Ao Twitch Prime, que inclui bônus de jogos e conteúdos de jogos exclusivos.

Analistas do BTG Pactual afirmaram, em relatório, que o lançamento é mais um movimento de expansão do negócio da Amazon no Brasil e que pode pressionar os papéis da B2W e do Magazine Luiza no curto prazo.

Apesar disso, e de reconhecer o movimento e a força global da Amazon, a equipe do banco ressaltou que varejistas locais vêm investindo em aumento de tráfego e sortimento de produtos em suas plataformas, além de um melhor nível de serviço, "três pilares fundamentais para se ter sucesso no e-commerce brasileiro e que fazem com que estejam mais bem preparados para a consolidação do mercado local".

(Com Reuters)

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Mais Cotações