ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Empreendedorismo

Produtor de botas vira 'queridinho' de Gusttavo Lima e mais sertanejos

Afonso Ferreira

Do UOL, em São Paulo (SP)

28/11/2013 06h00

Ao mesmo tempo em que cantores como Gusttavo Lima, Munhoz e Mariano e Fernando e Sorocaba ganhavam destaque com os fãs, o empresário Odirlei Martins, 32, de Campo Grande (MS), viu no mercado sertanejo uma oportunidade de negócio.

Ele abriu, em 2008, a Odirlei Botas, empresa especializada na fabricação de botas para o público sertanejo e para caubóis. Ele investiu R$ 11 mil na compra de matéria-prima e na terceirização da produção, segundo o empresário.

Hoje, toda a linha é de confecção própria e a empresa tem sete funcionários. Por mês, o negócio fatura R$ 70 mil. O preço das botas varia de R$ 700 (couro de avestruz a R$ 4.500 (couro de cobra).

Martins, que é amigo da dupla Munhoz e Mariano (famosos pela música “Camaro Amarelo”), passou a produzir botas para os cantores ainda antes da fama.

“Não tinha experiência com a confecção de calçados, mas os dois me deram várias dicas e me ajudaram a fazer um produto atraente para o público que gosta de sertanejo”, afirma.

Com a ascensão da dupla, os dois cantores começaram a trazer outros clientes do mundo sertanejo para a empresa de Martins, entre eles Gusttavo Lima e Sorocaba, da dupla Fernando e Sorocaba.

Em 2011, após lançar uma coleção para o cantor Gusttavo Lima, as vendas dispararam. A empresa, que produzia entre 30 e 35 pares de botas por mês, passou a confeccionar 150 no mesmo período.

“É comum os cantores me ligarem pedindo dez pares de uma vez. Eles fazem muitos shows e, por isso, precisam ter opções de figurino”, diz o empresário.

Botas têm couro de arraia, avestruz e elefante

Martins utiliza couros exóticos como de arraia e avestruz na confecção de suas botas. Também há opções com peles de elefante, jacaré e pirarucu (peixe típico da região amazônica).

O empresário afirma que tanto ele quanto seus fornecedores têm autorização do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) para comercializar a pele dos animais.

“O animal não é abatido apenas para fazer uma bota. Os criadores têm licença para comercializar a carne e a pele com controle de abate”, declara.

Defensores de animais condenam uso do couro

Para a presidente da Anda (Agência de Notícias de Direitos Animais), Silvana Andrade, o processo de extração de pele de um animal é cruel e desnecessário.

"Temos produtos substitutivos ao couro e à pele do animal. São opções bonitas e de fácil manutenção que poderiam evitar a crueldade", diz.

Andrade defende que, mesmo quando se fala em abate humanitário –processo que visa garantir o bem-estar dos animais desde a criação até o abate–, ao extrair a pele de um animal predomina a crueldade contra ele.

"Não há método que amenize a maldade que é criar um animal para abatê-lo. Mesmo quando se cuida bem dele estão visando que sua carne fique mais saborosa ou sua pele mais macia. Isso é muito cruel", declara.

Andrade diz que muitos estilistas famosos como Stella McCartney, filha do ex-Beatle Paul McCartney, criam peças sem o uso de nenhuma pele ou derivado animal. Marcas como Reebok e Puma já criaram linhas com couro sintético.

"Vai chegar um dia em que usar couro será cafona. É possível ficar bonita e ter a ética de saber que sua roupa ou calçado não exigiu o sacrifício de nenhum animal."

Artistas alavancam vendas, mas produto precisa ter qualidade

Quanto ao marketing da Odirlei Botas, o analista técnico do Sebrae-MS (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Mato Grosso do Sul) Joacir Pitaluga, diz que utilizar artistas na divulgação da marca é uma estratégia que traz resultados positivos.

“As pessoas querem se parecer com os seus ídolos, ter o mesmo estilo que eles, vestir as mesmas roupas e ter o mesmo penteado”, afirma.

No entanto, segundo o analista, uma pessoa famosa só aparecerá em público com um produto se ele tiver qualidade. “Um artista não vai arriscar ligar o nome dele a um produto feio ou de baixa qualidade.”

Para que um produto chegue ao conhecimento de um artista, Pitaluga recomenda que o empreendedor faça uso das redes sociais e procure produtores ou empresários desse famoso para apresentar a marca.

“Quando um cantor fizer um show na cidade do empreendedor ou um ator estiver com uma apresentação por lá, uma ideia é pedir para que o produto seja entregue no camarim deles com os contatos da empresa”, declara.

Onde encontrar:

Odirlei Botas: Rua Arthur Jorge 1526, Campo Grande (MS). Site: www.odirleimartins.com.br

Ao mesmo tempo em que cantores como Gusttavo Lima, Munhoz e Mariano e Fernando e Sorocaba ganhavam destaque com os fãs, o empresário Odirlei Martins, 32, de Campo Grande (MS), viu no mercado sertanejo uma oportunidade de negócio.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Empreendedorismo