PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Vale está de olho nas barragens, e Carrefour pode receber proposta de fusão

Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Bevilacqua

10/01/2022 10h51

Hoje falaremos sobre a previsão da Vale de eliminar barragens em situação crítica e a respeito de uma possível compra do Grupo Carrefour pela rival francesa Auchan.

Confira a seguir o comentário de Felipe Bevilacqua, analista e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento, sobre essas movimentações. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e avaliações de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimento. Este conteúdo é acessível para os assinantes do UOL. O UOL tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

Vale eliminará barragens em situação crítica até 2035

Maior mineradora brasileira, a Vale (VALE3) reafirmou que tem a previsão de eliminar todas as barragens em condições de segurança consideradas críticas até 2025. De acordo com a ANM (Agência Nacional de Mineração), a Vale possui três barragens caracterizadas como com ruptura iminente ou em curso.

As barragens avaliadas nessas condições são a B3/B4 (Nova Lima), Forquilha III (Ouro Preto) e Sul Superior (Barão de Cocais), situadas em Minas Gerais. Segundo a companhia, o programa já eliminou sete barragens desde 2019.

Vemos a notícia como positiva para a Vale, que visa mitigar riscos relacionados ao rompimento de barragens. Entretanto, não vemos impactos nas ações da companhia no curto prazo.

A mineradora se comprometeu a eliminar todas as barragens a montante, sistema menos seguro de compartimento de dejetos. Apesar dos custos de descaracterização das barragens e da redução da capacidade da empresa, um novo rompimento seria extremamente prejudicial à companhia.

Carrefour está aberto a avaliar nova proposta de fusão da rival francesa Auchan

Uma das maiores redes varejistas de alimentos do mundo, o Grupo Carrefour (CRFB3) está disposto a avaliar uma nova proposta de fusão com a rival francesa Auchan. A apresentação de um aumento no percentual pago em dinheiro e melhores condições em relação ao projeto da nova companhia são fatores decisivos para a avaliação do Carrefour.

Uma nova proposta por parte da Auchan seria possibilitada pela entrada de fundos de investimento na operação, como o americano KKR e a CVC Capital. Auchan e Carrefour chegaram a conversar em 2021, porém a parcela que seria paga em dinheiro e o valuation baixo para a Auchan, na visão de seus controladores, fizeram as conversas perderem forças.

Conforme mencionamos, essa é a segunda vez que a rival tenta comprar o Carrefour. Apesar de já terem ocorrido duas conversas neste sentido, ainda não temos informações sobre como essa transação poderia afetar a operação brasileira do Carrefour.

O mercado de alimentos francês é visto como maduro para consolidação. Os maiores desafios consistem na necessidade de ampliar os investimentos no comércio eletrônico. Dessa forma, o Carrefour, no ano passado, firmou parceria com a Uber Technologies para oferecer entrega rápida de produtos de mercearia na França, além de adquirir uma participação na startup de entregas Cajoo.

Por outro lado, a Auchan tem sido afetada pela exposição aos maiores hipermercados. Os supermercados da rede, em sua maioria, estão localizados em subúrbios do norte da França, região que passa por dificuldades econômicas. Por fim, em caso de concretização da aquisição, a Mulliez, família fundadora da Auchan, se tornará dona da maior rede de supermercados da França.

Contudo, a negociação é complexa, envolvendo dezenas de acionistas e com a necessidade do apoio da família Moulin e Abílio Diniz pelo lado do Grupo Carrefour.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

PUBLICIDADE