PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

5 empresas devem lançar ações na Bolsa em uma semana; vale a pena comprar?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Matheus Adami

Colaboração para o UOL, em São Paulo

12/04/2021 04h00

Os próximos dias prometem ser agitadas na Bolsa de Valores. Cinco empresas têm estreias previstas na B3 até 19 de abril. Até o fim do mês, o número de IPOs (oferta inicial de ações) sobe para dez.

A primeira delas, nesta segunda-feira (12), é a Allied Tecnologia. Depois, vêm quatro empresas do setor de saúde.

Vale a pena investir? Veja o que dizem analistas do mercado financeiro consultados pelo UOL sobre as próximas estreantes.

Vale a pena comprar Allied?

A Allied vai oferecer 10 milhões de ações na Bolsa, mas apenas para investidores profissionais, aqueles com pelo menos R$ 10 milhões investidos. Para quem não se encaixa, haverá oferta de 476.204 ações no mercado secundário. Se o investidores desejar comprar papel da Allied, ele tem de entrar em contato por telefone com a sua corretora.

O preço da ação foi fixado em R$ 18, valor menor do que a faixa indicativa inicial, entre R$ 20 e R$ 26.

A Allied tem uma margem muito boa, e a mudança do preço significa que está direcionando o foco para abertura de novas lojas e aquisições de empresas. É uma empresa próspera.
Ariane Benedito, economista da CM Capital

Larissa Quaresma, analista da Empiricus Research, diz que a empresa se beneficia do aprofundamento do e-commerce no Brasil, mas o setor tende a ser prejudicado pela alta do dólar.

A alta do dólar que tivemos no ano passado só está sendo repassada agora para o consumidor final, porque existe um prazo ao longo da cadeia. Os fabricantes pedem insumos para seis meses, os distribuidores também, e esses bens importados refletem no preço. O consumidor é sensível a isso. O volume de vendas tende a ser prejudicado no curto prazo.
Larissa Quaresma, analista da Empiricus Research

E ações das empresas de saúde?

Os IPOs previstos para abril, com quatro empresas ligadas à saúde, mostram que o setor está em alta na Bolsa. Em dezembro, a Rede D'Or, de hospitais, iniciou as negociações no mercado de ações.

O setor farmacêutico é bastante perene e essencial, tem muito para crescer por causa do aumento da expectativa e vida e do envelhecimento da população. Com isso, se gasta mais com medicamentos. Independentemente da pandemia, é difícil viver hoje sem remédios. Pessoas com doenças crônicas não vivem sem remédio, assim como não vivemos sem alimentos. O setor é um setor muito resiliente.
João Daronco, analista de investimentos da Suno Research

Miguel Vieira, da Peers Consulting, diz que algumas empresas ficam em alta com a pandemia de coronavírus, mas que isso não puxa necessariamente todo o setor de saúde.

Por incrível que pareça, tem muitos médicos que sofreram na pandemia por terem restrições de cirurgia, restrição de contaminações etc. Isso afetou o setor de saúde. Por outro lado, as seguradoras tiveram um aumento na adesão.
Miguel Vieira, gerente associado da Peers Consulting

Veja as próximas estreias previstas na B3

12 de abril

  • Allied Tecnologia (ALLD3) - atua na venda e distribuição de eletrônicos de marcas como Apple, LG, HP, Samsung, Motorola, Microsoft.

O preço por ação foi fixado em R$ 18.

16 de abril

  • Mater Dei (MATD3) - rede hospitalar que atua principalmente em Minas Gerais, em Belo Horizonte e na região metropolitana.
  • Viveo (VVEO3) - atua em diversas frentes, como serviços laboratoriais, distribuição de medicamentos, vacinas e equipamentos, com marcas como Mafra Hospitalar, Cremer e Biogenetix.

O preço das duas ações deve ser definido na quarta-feira (14).

19 de abril

  • Blau Farmacêutica (BLAU3) - fabrica medicamentos destinados à oncologia (tratamento de câncer), antivirais e antiretrovirais e anestésicos, como Profolen (Propofol).

A definição do preço dos papéis será na quinta-feira (15).

26 de abril

  • Hospital Care - rede hospitalar, de Campinas (SP), com unidades em Ribeirão Preto (SP), São José do Rio Preto (SP), Florianópolis e Curitiba. Define o preço das ações no dia 22.
  • Grupo GPS (GGPS3) - empresa do ramo de segurança. A precificação das ações acontece em 20 de abril.
28 de abril
  • Rio Alto (RIOS3) - do setor de energia solar. Define preços em 26 de abril.

29 de abril

  • Caixa Seguridade (CXSE3) - braço da Caixa Econômica Federal no setor de seguros. Define preços no dia 27.
  • Infracommerce (IFCM3) - empresa de soluções para o varejo. Define preços no dia 27

30 de abril

  • Modal Mais (MODL11) - banco digital. Define preços no dia 28.

Brasileira LG Informática interrompe IPO

Nesta semana, a LG Informática (GENT3), empresa brasileira sem relação com a sul-coreana LG, pediu interrupção por até 60 dias do seu IPO, antes previsto para 8 de abril.

Existem uma incerteza e uma preocupação muito grandes do mercado, para saber aonde vamos parar na pandemia e na política. Isso segura um pouco [a empresa]. Além disso, há muita concorrência de IPOs. A maioria dos IPOs é ancorada nos investidores institucionais e, se você tem muitos IPOs ao mesmo tempo, não se consegue olhar para todos e não há uma demanda satisfatória de reservas.
Ricardo Vasconcellos, chefe de mercado de capitais da Easynvest

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE