PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Economia nos EUA preocupa; é hora de largar as ações estrangeiras?

Exclusivo para assinantes UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

26/05/2021 04h00

A inflação dos Estados Unidos afetou as Bolsas de todo o mundo, e o dólar tem registrado quedas sucessivas, acumulando recuo de 1,75% em maio. Esses indicadores têm gerado muitas dúvidas, principalmente nos investidores que têm dinheiro investido em BDRs, certificados que representam ações de empresas estrangeiras.

Será que o momento é de investir mais ou resgatar o dinheiro investido em fundos de ações que têm exposição a BDRs? A pergunta foi respondida no Papo com Especialista, programa semanal e ao vivo do UOL Economia+. Assista ao vídeo abaixo para conferir a resposta completa do economista César Esperandio.

O Papo com Especialista é transmitido sempre às quartas-feiras, das 12h30 às 13h30, na página inicial do UOL e do UOL Economia+. O programa é exclusivo para assinantes e, após a transmissão ao vivo, fica disponível para consulta.

Decisão é qualitativa, diz economista

Para Esperandio, mesmo que o investidor tivesse informado o grau de exposição a BDRs (ou seja, o percentual da carteira que está em BDRs) desse fundo em que ele investe, a decisão de investir ou deixar de investir depende de quais ações (representadas por cada BDR) estão dentro desse fundo.

"É uma decisão qualitativa, levando em conta ação por ação, e não uma decisão genérica a ponto de ser possível responder se agora é hora de investir ou não investir em fundos com BDRs", afirmou o economista, que é também do canal Econoweek.

Fundos multimercados seguem a mesma lógica

Em relação a fundos multimercados que contam com parcela de ativos que acompanham a variação do índice S&P500 (das 500 ações mais negociadas dos EUA), Esperando disse que a lógica é a mesma. "Você já tem naturalmente uma exposição cambial por serem ações gringas", afirmou.

O economista explica que, se você investiu via corretora brasileira, certamente investiu em real. "Mas as ações são negociadas em dólar lá fora, neste caso, e já está exposto à volatilidade cambial", afirmou ele, ressaltando que é muito difícil fazer a projeção do dólar.

Tenha um olhar de sócio da empresa

Esperandio recomenda que o investidor tenha um "olhar de sócio" das empresas da sua carteira de investimentos.

Segundo ele, a mentalidade tem que ser outra. É preciso sempre perguntar se a empresa é saudável, em que setor ela está inserida, quais são os seus concorrentes, como ela está posicionada, se é promissora, distribui bons resultados, lucro, dividendos etc.

"Se sim, não tem por que ficar se preocupando se é o momento de entrar ou de sair. Invista paulatinamente, mês a mês, com a periodicidade que você escolher e esquece isso. Não precisa ficar tentando comprar quando está na mínima histórica e vender quando está na máxima, porque você só vai arrancar os cabelos de tanta ansiedade", declarou.

Para o economista, investimento é para "trazer para você agora, no presente, a tranquilidade de um futuro mais seguro, mais garantido. Você terá um colchão financeiro, um colchão de segurança".

Quer investir melhor? Receba dicas em seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido?

O UOL Economia+ tem uma newsletter gratuita que o ajuda nesse objetivo. Ao assinar, você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pelo analista Felipe Bevilacqua, da casa Levante Ideias de Investimentos. Com essa newsletter, você vai aprender a investir e entender o que está acontecendo com o mercado.

Além da newsletter diária, você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor e com segurança seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita do UOL Economia+, é só clicar aqui.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envia sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.