IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

ANÁLISE

Veja estratégia para começar a investir na Bolsa, em fundos e em FIIs

Na renda variável não existem garantias de rentabilidade, mas expectativa de retorno - SrdjanPav/iStock
Na renda variável não existem garantias de rentabilidade, mas expectativa de retorno Imagem: SrdjanPav/iStock

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/04/2023 04h00

Veja como começar a investir em ações, fundos imobiliários e outros ativos da renda variável.

Na renda variável, não existem garantias de rentabilidade, mas, sim, expectativa de retorno —e os riscos são maiores também. Mas há uma forma de reduzir riscos, diz a planejadora financeira Lorena Pires, no Papo com Especialista, programa ao vivo do UOL.

Leia abaixo a análise da planejadora financeira e assista ao programa completo. É um tira-dúvidas sobre investimentos exclusivo para assinantes e transmitido semanalmente, às quintas-feiras, das 16h às 17h.

Para também ter sua dúvida respondida no programa, envie sua questão para o Papo pelo email uoleconomiafinancas@uol.com.br.

O que é renda variável

O mundo dos investimentos é dividido entre dois principais grupos: renda fixa e variável. Na variável. você compra algum produto e tem uma expectativa de retorno. Por exemplo: ao investir em ações, você está comprando um pedacinho da empresa.

Opções em renda variável:

  • Ações: Você se torna sócio de uma empresa. "Ao montar uma carteira de ações, a estratégia é de gestão própria", diz.
  • Fundos passivos ou ETFs (Exchange Traded Funds): São produtos que buscam acompanhar um determinado índice, como o Ibovespa, da Bolsa brasileira. É uma estratégia de gestão passiva.
  • Fundos de ações com gestão ativa: Você coloca dinheiro em um fundo de investimentos de ações e delega as decisões (de quais ações comprar e vender) a um gestor. A gestora cobra uma taxa de administração, que é a maneira que esses fundos são remunerados.
  • Fundos imobiliários: Você delega para um gestor a decisão de quais ativos imobiliários vão compor aquele fundo. Entre as opções dos FIIs, estão imóveis, loteamentos, CRIs (Certificado de Recebíveis Imobiliários), etc.

Renda variável tem mais riscos. Ao investir, você assume riscos com a expectativa de retornos financeiros mais altos. Isso porque existem muitas oscilações no mercado, dependendo do cenário político ou econômico. Haverá momentos de alta e também de baixa.

"É importante ter certa maturidade em relação aos riscos que você decide assumir. Caso contrário, você terá um monte de expectativa quebrada e desapontamentos do que esperar daquele investimento. E você pode querer resgatar em um momento que pode não ser o correto", declara.

Minimize os riscos. Não coloque todos os ovos na mesma cesta. "Uma carteira diversificada e balanceada é o que vai promover um bom custo-benefício em termos de riscos e rentabilidade", diz.

Quais são os riscos da renda variável?

  • Volatilidade. "No curto prazo, é muito arriscado investir em ações que têm muita volatilidade. Talvez você não tenha o tempo necessário para um determinado ativo se recuperar de uma queda", diz.
  • Não respeitar o seu perfil de investidor. Isso significa que você não está respeitando a sua capacidade e a sua disposição de correr riscos.

Quando se fala em investir em renda variável, ter esse horizonte de tempo mais longo é muito importante. É isso que vai garantir que, diante de situações de perdas, você tem tempo para esperar aquele ativo voltar a se valorizar.
Lorena Pires, planejadora financeira

O que considerar na hora de assumir riscos

Perfil de investidor. Seu perfil mostra a sua tolerância a riscos, e há dois pontos que precisam ser considerados:

  • Capacidade de correr riscos. Depende de alguns fatores, como a idade do investidor. Em geral, pessoas mais jovens têm capacidade maior de correr riscos, por ter um prazo de investimento maior. Já os mais velhos estão, em sua maioria, na fase de usufruir dos investimentos. "De forma geral, esses investidores gostariam de ter seus investimentos mais disponíveis e correndo riscos menores", diz ela. Outro fator é ter a reserva financeira estruturada, para, em caso de emergência, ter onde recorrer.
  • Disposição de correr riscos. Está mais relacionado a aspectos psicológicos. "Como você se comportaria em momentos de perdas?" é uma pergunta que deve ser feita.

Quando as quedas nos assustam muito e provocam a retirada dos investimentos às pressas, isso mostra pouca disposição a riscos.
Lorena Pires, planejadora financeira

Comece aos poucos

Invista pouco dinheiro no começo. Lorena diz que, se você não tem certeza de como se comportaria nas baixas, o ideal é experimentar a renda variável aos poucos.

Faça uma camada de proteção. Lorena diz que o primeiro passo no mundo dos investimentos é ter a sua reserva de emergência.

Pense em um portfólio de longo prazo. Você pode distribuir a sua carteira em camadas de investimento, na renda fixa, variável, atrelada a inflação e ao dólar, por exemplo.

    Como eu invisto na Bolsa

    Compre ações via corretoras ou bancos. Você pode acessar os produtos da Bolsa por meio da sua corretora ou bancos tradicionais. Lorena diz que uma corretora de valores é uma espécie de "supermercado" de produtos de investimento. Você investe pela área de home broker na sua corretora.

    Acompanhe os papéis e faça pedidos de compra ou venda. Veja aqui mais dicas sobre como começar a investir na Bolsa.

    FIIs são uma boa opção para ter uma renda passiva

    Os fundos imobiliários (FIIs) distribuem dividendos. Esses fundos são obrigados por lei a distribuir 95% do resultado líquido das suas operações —e a maior parte faz isso todos os meses.

    Existem FIIs de duas modalidades. Enquanto uns investem em dívidas do setor imobiliário, enquanto outros são compostos por imóveis para locação. "Por isso, existe uma razoável previsibilidade de quanto você vai ganhar de rendimento todo mês", afirma.

    Você compra cotas de FIIs. Você investe de um fundo imobiliário e recebe um aluguel proporcional à quantidade de cotas que tem. Você pode vender as suas cotas quando quiser. O preço da cota será determinado pelo mercado.

    É uma estratégia para quem quer ter essa renda passiva. Mas, para quem ainda está na fase de acúmulo de patrimônio, o melhor é reinvestir os dividendos.

    Se você conseguir aportar mais dinheiro em seus investimentos sempre, você irá acelerar o seu objetivo de acumular o patrimônio que está almejando.
    Lorena Pires, planejadora financeira

    Vale entrar na renda variável por meio de fundos ou de ETFs

    ETFs e fundos são parecidos. Um ETF é um fundo que irá acompanhar um índice (como o Ibovespa) e não tem liberdade para escolher em que investir. Já um fundos multimercado ou de ações tem uma gestão ativa de um gestor, que busca superar o rendimento deste índice. "A gestão desse fundo vai buscar mais rentabilidade. Naturalmente, isso vai envolver também mais riscos", afirma Lorena.

    O que dita as nossas decisões não é o mercado, mas a nossa realidade financeira. Portanto, o ponto de partida na hora de investir é entender qual a nossa realidade. E só depois olhar as oportunidades do mercado.
    Lorena Pires, planejadora financeira

    Papo com Especialista é semanal

    O programa Papo com Especialista é transmitido às quintas-feiras, semanalmente, das 16h às 17h, na página inicial do UOL, no UOL Economia e no UOL Investimentos, e é exclusivo para assinantes. Reveja programas anteriores aqui.

    Você pode enviar perguntas ao Papo pelo email uoleconomiafinancas@uol.com.br —elas podem ser respondidas no programa.

    Quer investir melhor? Receba dicas em seu email

    Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido?

    A página de investimentos do UOL tem uma newsletter gratuita que o ajuda nesse objetivo. Ao assinar, você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pela equipe do PagBank Investimentos. Com essa newsletter, você vai aprender a investir e entender o que está acontecendo com o mercado.

    Além da newsletter diária, você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor e com segurança seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita de investimentos do UOL, é só clicar aqui. Há ainda conteúdos diários sobre diversos tipos de ativos.

    Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

    Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.