PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Investimentos

Carteira Recomendada

Toda semana especialistas avaliam as carteiras de investimento recomendadas para seu perfil: conservador, moderado ou arrojado


Bolsa cai 6,75% no ano; o que esperar para outubro? Veja o que diz analista

Conteúdo exclusivo para assinantes

06/10/2021 04h00

Setembro foi um tanto quanto conturbado para os mercados. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, encerrou o mês com uma queda de 6,57%. No ano, o recuo já é de 6,75%. Será que os fatos que afetaram o mercado em setembro podem "assombrar" a Bolsa em outubro?

O economista Felipe Bevilacqua, analista da casa Levante Ideias de Investimentos, afirma que alguns fatos podem, sim, "respingar" em outubro. Leia abaixo os três acontecimentos que afetaram o mercado no mês passado e entenda o que esperar para outubro, segundo o especialista.

1. Evergrande

O caso da incorporadora chinesa Evergrande ainda "respinga" nos mercados. O receio, segundo o analista, é de que o governo chinês não socorra a incorporadora, causando uma crise de crédito no país, o que não se limitaria somente à China.

"Dias antes do primeiro vencimento de parte da dívida, a volatilidade esteve em alta nos mercados, em decorrência do silêncio por parte do governo chinês. Mas, depois de todo o mistério, fontes afirmaram que o governo assumiu a dívida, causando alívio nos mercados, o que trouxe o 'respiro' de volta aos investidores", afirma.

2. Cenário político: a "briga" dos Poderes

As manifestações do dia 7 de Setembro trouxeram alta volatilidade para o mercado interno, com uma grande preocupação de que o desentendimento entre os Poderes Executivo e Judiciário pudesse instaurar um grande caos no país.

Isso se refletiu na Bolsa já na volta do feriado, no dia 8, com o Ibovespa encerrando em queda de mais de 3%.

"Ruídos políticos sempre afetam o mercado no curto prazo, por isso eu sempre destaco a importância de saber separar o que é ruído do que é algo realmente estrutural, avaliando o real impacto na economia e consequentemente nas empresas", diz.

3. Inflação e juros em alta

O Comitê de Política Monetária (Copom) já havia anunciado, em seu último comunicado, o aumento de mais um ponto percentual na taxa básica de juros, a Selic. Em setembro, a Selic passou de 5,25% ao ano para 6,25% ao ano.

"Além disso, a ata do Copom reforçou que na próxima reunião, em 27 de outubro, cabe mais um aumento de igual magnitude, podendo levar, assim, a Selic para os 7,25% ao ano. Isso, sob a ótica do objetivo da política monetária, é visto de diferentes maneiras pelo mercado", diz.

Segundo o analista, o mercado enxerga o aumento dos juros como a decisão certa para conter a inflação.

"A grande questão aqui é sobre o ritmo da subida. Se feita de maneira muito intensa, ela pode causar um efeito colateral, que é reduzir o crescimento potencial de uma economia", afirma o economista.

O segundo aspecto é que juros maiores deixam a renda fixa mais atrativa. Quanto maiores os juros, menor o valor dos ativos em renda variável.

"Muitas vezes, o processo de tentativa e erro é constantemente criticado, e a reação do mercado, que cria expectativas sobre a dose e intensidade ideal do aumento ou redução de juros, traz reflexos de preços agudos nas cotações das ações de empresas negociadas em Bolsa", afirma.

O que esperar para outubro?

A expectativa para outubro é de que aparentemente os principais riscos já estão sendo considerados nos preços das ações na Bolsa e já foram conhecidos no último mês, afirma o analista.

"Evidentemente que, no cenário local, a falta de coalisão entre os Poderes permanece no radar, somada aos ruídos de curto prazo como os da CPI, ou falta de moralidade e ética em cargos públicos. Além disso, permanecem no radar a preocupação com a crise hídrica e o aumento dos combustíveis, afetando o poder de compra da população e inibindo a retomada econômica", diz Bevilacqua.

O cenário externo também deve influenciar a Bolsa por aqui. Lá fora, também há preocupação com a inflação, com os preços de commodities e discussões sobre "teto" de gastos também nos Estados Unidos.

"Problemas econômicos que sempre estiveram presentes e, em um cenário de retomada pós-pandemia, parecem ser intensificados", afirma o analista.

O analista reforça as empresas recomendadas aos assinantes do UOL. Para quem ainda não pegou as recomendações de investimentos, elas estão aqui. O investidor deve considerar que Magalu sai das carteiras e é substituída pela Via —ex-Via Varejo. Além disso, agora, a Raízen entra na lista das indicações.

- Carteira quem não aceita risco algum;

- Carteira para quem tem perfil mais conservador, mas aceita um pouquinho de risco;

- Carteira para quem é mais moderado;

- Carteira para quem aceita mais risco;

- Carteira para quem aceita alto risco.

Queremos falar com você

Fique atento às notificações do seu e-mail, pois caso haja alguma modificação na sua carteira, você será avisado.

Acompanhe também os boletins diários preparados por Bevilacqua, com análises do cenário macroeconômico e do noticiário corporativo. Você recebe esse boletim todos os dias, antes da abertura do mercado, para começar o dia com as informações das quais precisa. Ainda não recebe os e-mails? Se inscreva aqui na newsletter de investimentos do UOL.

Tem alguma dúvida sobre algum investimento? Pode enviar para o Felipe: duvidasparceiro@uol.com.br

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

PUBLICIDADE