PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Agenda política e inflação podem impactar o mercado nesta semana

Conteúdo exclusivo para assinantes

Carol Paiffer

Colaboração para o UOL, em São Paulo

30/08/2021 04h00

Confira no Café com Mercado, do UOL, seis assuntos que podem afetar o mercado nesta semana e nesta segunda (30). Também há uma ação para ficar de olho.

1) Reforma tributária - A Proposta de Emenda à Constituição que propõe uma reforma tributária ampla, e que está em avaliação no Senado, deve andar nesta semana. O relator da PEC, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), afirmou que deve entregar seu relatório nesta semana.

Por outro lado, o projeto que muda as regras do Imposto de Renda está parado na Câmara. O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), chegou a dizer que a proposta subiu no telhado e já há parlamentares que afirmam que o projeto não deve ser mais votado, como é o caso do presidente da Frente Parlamentar pelo Brasil Competitivo, Alexis Fonteyne (Novo-SP).

Essa novela deve ter novos capítulos nesta semana e deve estar no radar dos investidores.

2) Orçamento 2022 - Na última semana, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou em um evento realizado pela XP Investimentos que o Orçamento para o ano de 2022 precisa ser definido até o final deste mês.

Com o medo de que o governo não consiga manter as contas em ordem, o assunto preocupa os investidores e pode movimentar a Bolsa nesta semana.

3) Boletim Focus - Toda segunda-feira é dia de Boletim Focus, um relatório feito pelo Banco Central que apresenta as perspectivas do mercado financeiro sobre indicadores importantes para a economia, como a taxa básica de juros, a evolução do PIB, inflação e câmbio.

Os investidores utilizam esses dados para a tomada de decisão de seus investimentos e, por isso, podem movimentar o mercado.

4) Inflação do aluguel - A FGV divulga nesta segunda-feira (30) o IGP-M, que é o indicador de inflação utilizado no reajuste de aluguéis.

O dado pode ser usado para medir o aquecimento do setor imobiliário e também ajuda a prever a atividade da economia brasileira, uma vez que afeta diretamente o poder de compra da população.

A inflação tem sido uma das principais preocupações não só no Brasil, como no mundo, e esse dado pode mexer com a Bolsa.

5) Serviços e comércio - Outros indicadores publicados pela FGV hoje são a sondagem dos setores de comércio e serviços. Os estudos mostram o desempenho dos setores no último mês e também dão perspectivas sobre contratações e faturamento nos meses seguintes.

Os setores de comércio e serviço têm forte impacto na economia, são grandes geradores de emprego e, por isso, os dados podem afetar as ações das empresas desses setores hoje.

6) Emprego nos EUA - Na sexta-feira, os EUA divulgam um dos indicadores mais importantes do mercado financeiro internacional: o relatório de empregos.

O relatório mostra dados dos empregos dos setores agrícola e não agrícola no país, o que permite que os investidores identifiquem como está a economia norte-americana e a capacidade de compra dos consumidores por lá.

Quanto maior o número de empregados, maior é o aquecimento da economia do país. O indicador também ajuda a definir a política de incentivos econômicos nos EUA —um dos temas mais importantes para os investidores.

Fique de Olho

O Fique de Olho de hoje vem do analista Bruno Lima, do BTG Pactual Digital, que traz a Gerdau (GGBR3), maior produtora de aço das Américas.

Segundo o analista, a empresa deve ser beneficiada com o plano de infraestrutura trilionário nos EUA, e pela recuperação da atividade econômica da Europa e do setor de construção no Brasil.

O programa Café com Mercado é apresentado pela fundadora e presidente da Atom S.A., Carol Paiffer.

Conheça os recursos do serviço de orientação financeira UOL Economia+, para quem quer investir melhor.

Entre no grupo UOL Economia+ e receba notícias de investimento no WhatsApp.

Tem alguma dúvida ou sugestão? Fale com a gente: uoleconomiafinancas@uol.com.br

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE