PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

5 temas que podem movimentar a Bolsa nesta semana

Conteúdo exclusivo para assinantes

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/10/2021 04h00

Confira no Café com Mercado, do UOL, cinco notícias que podem afetar a Bolsa nesta semana. Veja abaixo.

1) Combustível - O combate à alta do preço do combustível ganhou destaque na agenda do governo, que passou as discussões sobre o assunto à frente de temas importantes como o Auxílio Brasil e a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos precatórios.

Na última sexta (1º), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), para discutir medidas de combate à disparada dos preços.

Ainda sobre o assunto, importadores e distribuidores de combustível pretendem enviar nesta semana um ofício para a Câmara de Comércio Exterior (Camex) para solicitar a isenção da taxa de importação de 20% sobre o combustível.

O avanço do preço do combustível tem sido um dos grandes responsáveis pelo aumento da inflação no país, que já chegou a 10% ao ano, segundo a última publicação do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O assunto pode abalar a confiança dos investidores e afetar o mercado nesta semana, em especial as ações de empresas do setor.

2) Desoneração de folha - Na última sexta-feira (1º), o deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), relator do texto que renova a desoneração da folha de pagamento de 17 setores do país, defendeu que o Congresso foque na prorrogação da desoneração até 2026.

A votação do texto estava prevista para ocorrer na última quarta-feira (30), mas ficou para esta semana. O mercado deve ficar de olho nessa votação.

3) Teto da dívida nos EUA - Na última sexta-feira (1º), a agência de classificação de risco Fitch afirmou que, caso a questão para o pagamento de dívidas norte-americanas não seja resolvida, será obrigada a baixar a classificação de crédito do país.

A secretária do Tesouro norte-americano, Janet Yellen, já havia informado que o país ficará sem orçamento para o pagamento de dívidas como aposentadoria e juros dos títulos públicos no dia 18 de outubro.

Democratas e Republicanos seguem sem acordo sobre o aumento do teto da dívida. A Câmara do país aprovou na última semana um projeto de lei que suspende o limite da dívida até dezembro de 2022. O Senado pode votá-lo nesta semana.

Isso deve movimentar os investidores e afetar o mercado nos próximos dias.

4) CPI da Covid - Na última semana, o presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que esta será a última semana de depoimentos na comissão e que o relatório deverá ser lido no dia 19 de outubro.

Na última terça-feira (28), o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse que a comissão iria avaliar se convocará o ministro da Economia, Paulo Guedes, após o depoimento de Bruna Morado, advogada de médicos da Prevent Senior.

Segundo a advogada, o governo possuía um "pacto" com a companhia para validar o tratamento do chamado "kit covid", com medicamentos ineficazes contra covid-19.

Os depoimentos finais da CPI podem influenciar a confiança dos investidores e movimentar o mercado ao longo da semana.

5) Focus - Toda segunda-feira, o Banco Central divulga o Boletim Focus, que apresenta as perspectivas do mercado financeiro sobre indicadores importantes para a economia, como a taxa básica de juros, a evolução do PIB, inflação e câmbio.

O relatório é utilizado pelos investidores como base para a tomada de decisão de seus investimentos e, por isso, pode afetar o mercado hoje.

O programa Café com Mercado é apresentado pela fundadora e presidente da Atom S.A., Carol Paiffer.

Conheça os recursos do serviço de orientação financeira da página de Investimentos do UOL, para quem quer investir melhor.

Entre no grupo UOL Investimentos e receba notícias de investimento no WhatsApp.

Tem alguma dúvida ou sugestão? Fale com a gente: uoleconomiafinancas@uol.com.br

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE