ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Petrobras reduz preço do diesel nas refinarias em 10% para conter greve

Do UOL, em São Paulo

23/05/2018 19h36Atualizada em 24/05/2018 12h26

A Petrobras decidiu reduzir o preço do diesel em 10% nas refinarias, em meio a uma greve de caminhoneiros que já dura três dias, de acordo com comunicado divulgado na noite desta quarta-feira (23). Com isso, o preço cairá para R$ 2,1016 o litro e permanecerá inalterado por 15 dias, informou a estatal.

A medida, segundo a Petrobras, é de caráter excepcional e visa permitir que o governo e os representantes dos caminhoneiros tenham tempo para negociar um acordo. Após os 15 dias, a estatal retomará aos poucos sua política de reajustes dos preços dos combustíveis.

A redução de 10% não se aplica à gasolina, que também tem os preços nas refinarias controlados pela Petrobras.

Leia também:

Na manhã desta quarta, a Petrobras já havia anunciado uma redução de 1,15% no preço do diesel, a R$ 2,3083 por litro, enquanto a gasolina foi baixada em 0,62%, para R$ 2,0306 por litro. Os novos preços entram em vigor a partir desta quinta-feira (24).

Isso não significa necessariamente que as mudanças chegarão ao consumidor final na bomba. Os postos são livres para aplicar ou não o reajuste, e na porcentagem que desejarem.

Redução será mantida com ou sem greve, diz Parente

Em entrevista coletiva, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, afirmou que a decisão de cortar o diesel em 10% não será revertida antes dos 15 dias, seja qual for a reação dos caminhoneiros --de manterem ou encerrarem a paralisação.

"Não foi uma decisão fácil, mas foi acertada, considerando o momento do país", disse Parente, acrescentando que a independência da Petrobras sobre os preços dos combustíveis não foi arranhada.

O presidente da estatal declarou, ainda, que a queda de receita com a redução do preço do diesel será de R$ 350 milhões, com um impacto no caixa da empresa de R$ 100 milhões.

Reunião com caminhoneiros não teve acordo

Na tarde desta quarta, o governo se reuniu com líderes dos caminhoneiros para tentar encontrar uma solução para a greve. O encontro, no entanto, terminou sem acordo. Uma nova reunião foi marcada para a tarde desta quinta-feira.

Após a reunião, o presidente da CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos), Diumar Bueno, afirmou que o governo não apresentou nenhuma proposta aos caminhoneiros.

"O governo veio mais justificar a impossibilidade de atender às reivindicações da categoria", disse. "Ele sentiu o peso do movimento, que está tomando conta do país, e jogamos a responsabilidade para eles, porque eles foram avisados há mais ou menos um mês."

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Basta cavar para achar petróleo?

UOL Notícias

Mais Economia