PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Cotações


Coronavírus faz ouro e dólar liderarem investimentos em janeiro

Casa da Moeda da Suiça
Imagem: Casa da Moeda da Suiça

João José Oliveira

do UOL, em São Paulo

31/01/2020 18h29

Resumo da notícia

  • Ouro e dólar lideram ranking de investimentos no Brasil em janeiro
  • Dúvidas sobre impacto do surto na economia global geram procura por metal e moeda americana
  • Bolsa tem pior desempenho entre aplicações, perdendo 1,63% no mês
  • Cenário para a Bolsa em 2020 é de maior volatilidade, dizem profissionais de mercado

Ouro e dólar lideraram o ranking dos investimentos no Brasil em janeiro. Os aplicadores procuraram tradicionais reservas de valor em um mês marcado pelas incertezas provocadas pelo coronavírus. O problema, que começou pela China, já tem casos registrados em 20 países, com mais de 200 vítimas fatais e milhares de infectados.

Para conter o surto, governos e empresas reduziram ou interromperam conexões aéreas, linhas de produção e comércios e serviços em várias regiões da segunda maior economia do mundo. Por isso, há o receio entre os agentes de mercados que o coronavírus acabe afetando a economia chinesa e, por tabela, a atividade econômica global - impactando empregos, vendas e desempenhos das companhias.

Veja abaixo a variação de cada aplicação segundo levantamento da empresa de informações financeiras Economatica:

  • Ouro: + 7,45%
  • Dólar (Ptax Comercial): + 6,81%
  • CDI: + 0,36%
  • Poupança: + 0,26%
  • Ibovespa: - 1,63%

No caso do Brasil, a China representa o mais importante parceiro comercial do país, o mercado que mais compra produtos fabricados aqui, como minério de ferro, soja e outras commodities. Nesse ambiente, o ouro, por ter um valor reconhecido em qualquer lugar do mundo e por ser historicamente usado como reserva de valor, foi destaque, subindo 7,11% o contrato negociado na B3.

Já o dólar é considerado um porto seguro para brasileiros em momentos de muita volatilidade no mercado. Ao longo de janeiro, o valor do dólar no mercado comercial bateu a maior cotação histórica em relação ao real em termos nominais (sem considerar inflação), valendo R$ 4,286. A valorização diante da moeda brasileira foi a maior para um mês de janeiro em dez anos.

A Bolsa, que subiu 32% em 2019, perdeu 1,63% em janeiro, afetada principalmente pela saída de investidores estrangeiros, que tiraram mais de R$ 15 bilhões do mercado acionário local até o dia 28 - dado mais recente.

Já as aplicações em renda fixa que seguem o CDI e a caderneta de poupança seguem com rendimento baixo, por causa da taxa básica de juros, a Selic, que fechou 2019 em níveis historicamente baixos.

Volatilidade será marca do ano

Para o sócio gestor da Perfin Asset, Alexandre Sabanai, 2020 será mais instável na Bolsa. Segundo ele, o surto de coronavírus apenas aumentou a lista de incertezas para o ano, que já tinha no radar as eleições nos Estados Unidos e a saída do Reino Unido da União Europeia.

Além das incertezas, diz Sabanai, o Ibovespa vem de três anos seguidos de ganhos acumulados. Assim, o espaço para novas altas em 2020 tende a ser menor. E esse cenário vai exigir de investidores e gestores de recursos maior seletividade na hora de aplicar em ações. "Vai haver mais dispersão no desempenho das ações. O Ibovespa vai subir, mas não tanto quanto no ano passado", disse.

Para o analista da Rico Investimentos Matheus Soares, instabilidade será o nome do jogo no curto prazo. "Os mercados vão reagir com muita euforia ou com muito pânico a cada novidade, positiva ou negativa, sobre a proliferação do vírus. Mas, conforme a reação do mercado às epidemias que se espalharam pelo mundo ao longo dos últimos 50 anos, esses impactos ficam no curto prazo e não costumam mudar a estrutura de longo prazo", afirmou o profissional em relatório a clientes.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Se não sabe responder a estas 5 questões, será muito difícil ficar rico

UOL Notícias

Cotações