PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Tesouro Direto: é melhor investir sozinho ou por meio de fundos?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/09/2021 04h00

Ao decidir investir em títulos do Tesouro Direto, existem duas opções: comprar os títulos por conta própria ou aplicar o dinheiro em fundos que investem nesses títulos. O que é melhor? No Papo com Especialista, programa semanal e ao vivo do UOL, o economista César Esperandio disse que "tudo depende".

Entenda abaixo a explicação do especialista e assista ao trecho do programa. O Papo com Especialista é um tira-dúvidas sobre investimentos exclusivo para assinantes e é transmitido toda quinta-feira, às 15h.

Fundos cobram taxa e podem reduzir sua rentabilidade

Esperandio disse que, tanto em fundos de renda fixa, que investem em títulos do Tesouro Direto e CDBs, por exemplo, como em fundos de ações e multimercado, há um gestor profissional que fará todo o investimento por você.

"É uma tranquilidade e tanto. Você não precisa esquentar a cabeça sobre onde ele vai investir", afirmou ele, que também é do canal Econoweek.

O economista explicou, no entanto, que a maioria dos fundos cobra por prestar este serviço."E é um serviço genuíno. Vale a pena".

Na avaliação dele, porém, se este fundo investe apenas nos títulos do Tesouro Direto (Tesouro Selic, Tesouro IPCA e Tesouro Prefixado), pagar por esse serviço já não vale tanto a pena.

Não há taxas para investir sozinho no Tesouro

Isso porque, ao investir em fundos que têm apenas o Tesouro Direto, você paga taxas de administração que reduzem sua rentabilidade.

Investir sozinho no Tesouro Direto é simples, e as maiores corretoras do país já não cobram qualquer taxa para esse tipo de investimento.

"É um processo de compra igual ao comprar no Magalu ou no Mercado Livre. Você coloca no carrinho e compra", disse. Essa compra pode ser feita diretamente na plataforma do Tesouro Direto ou no aplicativo da sua corretora.

Para o economista, só faz sentido investir em títulos públicos por meio de fundos se não existir a cobrança de qualquer taxa de administração.

"Existem fundos de gestão passiva —que reinvestem em alguns ativos, sem a intenção de superar do desempenho de algum índice— que deixaram de cobrar taxa de administração. Aí começa a fazer mais sentido", afirmou.

Esperandio alertou, porém, que se você optar por investir em fundos, não se acomode.

"Investir em fundo não pode servir de desculpa para você se acomodar e não correr atrás do conhecimento e ganhar autonomia. Você precisa entender o que está acontecendo com o seu dinheiro", declarou.

Papo com Especialista é toda quinta-feira

O programa Papo com Especialista é transmitido às quintas-feiras, das 15h às 16h, na página inicial do UOL, no UOL Economia e na página de Investimentos, e é exclusivo para assinantes. Reveja programas anteriores aqui.

Você pode enviar perguntas ao Papo pelo e-mail uoleconomiafinancas@uol.com.br —elas podem ser respondidas no programa.

Quer investir melhor? Receba dicas em seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido?

A página de investimentos do UOL tem uma newsletter gratuita que o ajuda nesse objetivo. Ao assinar, você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pelo analista Felipe Bevilacqua, da casa Levante Ideias de Investimentos. Com essa newsletter, você vai aprender a investir e entender o que está acontecendo com o mercado.

Além da newsletter diária, você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor e com segurança seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita de investimentos do UOL, é só clicar aqui.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envia sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE