ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Conselho da Petrobras aprova Ivan Monteiro como CEO interino da empresa

Marcelo Camargo-26.abr.2015/Agência Brasil
Imagem: Marcelo Camargo-26.abr.2015/Agência Brasil

01/06/2018 17h03

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Conselho de Administração da Petrobras aprovou nesta sexta-feira o nome de Ivan Monteiro, diretor-executivo da Área Financeira e de Relacionamento com Investidores, para assumir a presidência executiva da petroleira estatal em caráter interino.

A escolha vem após Pedro Parente renunciar pela manhã ao cargo de presidente, em meio a uma forte pressão sobre sua política de preços para os combustíveis.

Leia também:

"Agora, para deixar de ser interino e virar permanente, precisa uma eleição pelo Conselho de Administração... com um nome que o presidente da República e o Ministério de Minas e Energia vão sugerir", disse uma fonte, na condição de anonimato.

A fonte da empresa apontou que há um entendimento na cúpula da Petrobras de que a permanência de Monteiro como presidente definitivo faria bem à estatal, por dar continuidade ao que estava sendo feito. Mas adicionou que ainda não existe qualquer definição de Brasília a esse respeito.

"É bom que seja um nome de dentro, que está por dentro de tudo que está acontecendo, todas as discussões. O nome do Ivan é um nome excelente... é uma pessoa técnica, que quer o bem da empresa, muito competente e está por dentro dos problemas", disse.

A fonte ressaltou, no entanto, que Monteiro aceitou o desafio com a ressalva de que pretende ter assegurada a mesma independência para tocar a companhia garantida antes a Pedro Parente.

Em sua carta de demissão, divulgada nesta sexta-feira, Parente disse que não houve interferência governamental em seu período no comando da petroleira.

No documento, no entanto, Parente apontou que não queria ser "um empecilho" para a discussão de alternativas políticas pelo governo.

Segundo a fonte, chegou a haver pressão da Brasília sobre a política de preços da Petrobras, mas até o momento a estatal conseguiu garantir que o governo bancará o custo das medidas para redução dos preços, como a mudança na frequência dos reajustes.

"Está todo mundo dizendo que a política (de preços da Petrobras) acabou, que mudou, mas todo esse malabarismo que está acontecendo é para manter a Petrobras no seu caminho. O mais fácil era alguém ligar de Brasília dizendo 'abaixa o preço'. E não foi isso que foi feito", argumentou.

O programa federal de subvenção ao diesel, cujas regras foram publicadas nesta semana, estabelece que governo pagará a Petrobras "em espécie" pelos custos com as mudanças nos reajustes para o combustível.

(Por Marta Nogueira; Edição de Luciano Costa e Alexandre Caverni)

Mais Economia