IPCA
0.75 Mar.2019
Topo

Empreendedorismo


Franquia de coxinha e empada vendida por R$ 0,69 em vans fatura R$ 65 mil

Afonso Ferreira

Do UOL, em São Paulo (SP)

2014-03-13T06:00:00

13/03/2014 06h00

De olho na lei que regulamenta a venda de comida de rua em São Paulo (SP), aprovada em dezembro de 2013, a franquia Salgado Mania, da capital paulista, quer expandir sua rede de lojas móveis em vans e cabines de alumínio parecidas com contêineres. Cada unidade da rede pode atingir um faturamento mensal que vai de R$ 55 mil a R$ 65 mil.

A rede vende salgados como coxinha, bolinho de queijo, quibe, esfiha e empada de 20g. Cada quitute sai por R$ 0,69. O combo com cinco unidades custa R$ 2,99, mesmo preço de um brigadeiro ou uma unidade dos demais doces. Já a batata frita (porção pequena) e os hambúrgueres simples custam de R$ 3,99 a R$ 6,99.

O fundador da rede, Gustavo Ely Chehara, 32, diz que a franquia pretende abrir 35 unidades móveis até o fim de 2014. “São modelos de negócio que tendem a crescer por conta da nova lei de comida de rua em São Paulo. Esperamos que outras cidades adotem medidas semelhantes”, afirma.

Segundo a empresa, o investimento inicial de uma van adaptada varia de R$ 119 mil a R$ 169 mil (inclusos taxa de franquia, veículo, adaptação e capital de giro). A cabine, chamada de modelo box, custa R$ 129 mil. No entanto, é preciso ter um carro para levá-la até o ponto de venda. 

De acordo com o empresário, o gasto médio de cada cliente é de R$ 5,80 e, para chegar ao faturamento de R$ 55 mil a R$ 65 mil, é preciso realizar entre 9.480 e 11.210 vendas por mês. Chehara afirma, também, que as unidades conseguem atingir este resultado. 

O lucro líquido do negócio é de 15% a 20% (de R$ 8.250 a R$ 13 mil). O retorno do investimento vem em 18 meses, de acordo com a franquia.

Modelo box precisa ser puxado por carro

Segundo Chehara, os veículos que comportam os modelos móveis são o Renault Master, Mercedez Sprinter e Fiat Ducato. Os mesmos modelos podem ser usados para puxar as unidades box, mas precisam de um engate na traseira.

Dependendo do ano do carro, o preço pode variar de R$ 30 mil a R$ 90 mil, de acordo com a tabela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

O empresário diz que o modelo box é o mais indicado para o franqueado que pretende ter mais de um ponto. “Não é necessário ter um veículo para cada unidade. Um mesmo carro pode levar e buscar várias cabines durante o dia, sem a necessidade de ficar parado ao lado delas o tempo todo.”

Franquia não paga aluguel, mas tem seguro, combustível e IPVA

De acordo com Chehara, os modelos móveis são uma alternativa para o alto custo do aluguel de imóveis em grandes cidades. “Um aluguel caro reduz o lucro do empresário. Sem este custo, a rentabilidade tende a ser maior”, declara.

No entanto, segundo a sócia-diretora da consultoria Franchise Store, Filomena Garcia, um automóvel tem outros gastos que um imóvel não tem, como combustível, seguro, IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) e a própria manutenção do carro.

“É preciso avaliar todas as despesas antes de investir, caso contrário, o empreendedor pode ter gastos na mesma proporção ou ainda maiores com o veículo”, afirma.

Permissão para negócios móveis é diferente para cada cidade

Segundo a consultora, cada município tem sua legislação para tratar da venda de comida de rua. Nas cidades em que a atividade não é permitida, o empresário só pode estacionar e vender os alimentos em espaços particulares, como pátios e estacionamentos de empresas.

Por isso, Garcia afirma que o empreendedor deve perguntar ao franqueador e checar com o município em quais áreas ele poderá atuar.

“Se for permitido apenas o comércio em espaços privados de outras empresas, é importante perguntar aos donos desses espaços se eles aceitariam uma parceria para a venda de alimentos no local”, declara.

Cuidados ao escolher uma franquia

Tempo de mercadoVerifique há quanto tempo a rede atua no mercado. Se a franquia for nova, veja o número de unidades próprias. É por meio delas que a franqueadora adquire experiência e conhecimento da área que irá transmitir aos franqueados
Pesquisa com franqueadosAs redes são obrigadas a apresentar a COF (Circular de Oferta de Franquia) para os interessados. O documento deve indicar endereço, nome e telefone de franqueados e ex-franqueados. É importante ligar para o maior número possível para saber sobre investimento, faturamento, tempo de retorno e lucro
FaturamentoDesconfie de número fantásticos. O ideal é avaliar mais de uma franquia do setor que deseja ingressar para ver se os números são similares. Segundo a ABF, o lucro varia de 10% a 15% sobre o faturamento
Prazo de retornoA ABF trabalha com o prazo de retorno de 18 a 24 meses para microfranquias, que exigem um investimento mais baixo, e de 36 meses para franquias, que necessitam de investimento maior
Assinatura de contratoO negócio só pode ser fechado após o prazo de 10 dias da entrega da COF. O objetivo é evitar a assinatura por impulso. A COF informa o número de franqueados ativos e inativos (nos últimos 12 meses), com telefone, ações judiciais contra a empresa e estimativa de investimento, faturamento etc.

 

Mais Empreendedorismo